Narrativa Histórica e Demandas Sociais – Resenha de “A Cidade em Chamas: O Serviço de Extinção de Incêndios em Natal/RN (1917-1955), de Flademir Gonçalves Dantas

Resenhado por João Maurício Gomes Neto (UNIR) 28 fevereiro 2022


Flademir Gonçalves Dantas | Foto: Acervo do autor

A Cidade em Chamas: O Serviço de Extinção de Incêndios em Natal/RN (1917-1955), doravante A Cidade em Chamas, foi escrita por Flademir Gonçalves Dantas, que possui duas graduações (História e Direito), especialização em Direito Público e mestrado em História, todas estas formações pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Trata-se do primeiro volume de uma trilogia que contará a história do serviço de extinção e prevenção de incêndios, atualmente Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte – CBMRN, em três recortes cronológicos lineares. O segundo e o terceiro volumes, ainda a serem publicados, abarcarão, respectivamente, os recortes entre 1955-1976 e de 1976 a 2002. A obra é prefaciada pelo Professor Emérito da Universidade Federal do Rio Grande do Norte/UFRN, Carlos Roberto de Miranda Gomes, que também se anuncia membro das Academias ANRL, AML, ALEJURN, ABROL, IHGRN, UBE-RN e MHV da OAB/RN. Conta também com uma apresentação de autoria de Luiz Monteiro da Silva Junior, comandante geral do Corpo de Bombeiros do Estado potiguar.

O livro está organizado em dez capítulos, sendo que o primeiro o introduz e comunica o objetivo, notas discretas sobre a escolha teórico-metodológica e a discussão bibliográfica. Este último exercício denota sobretudo o silêncio e a raridade dos trabalhos a respeito da temática no âmbito da sociedade norte-rio-grandense, elemento que serve de justificativa a produção ensejada. O objetivo central é “estimular as novas gerações de bombeiros a conhecerem o […] rico passado” (p. 22) da corporação e se ancora dentro de uma história institucional militar, com ênfase na experiência dos seus membros, “sem descartar o caráter utilitário da história enquanto ferramenta para aprender com o passado” (p. 22).

Em termos teórico-metodológicos, a narrativa é fundamentada nas proposições de Fernando Velôzo Gomes Pedrosa (2019), especialmente a partir do artigo intitulado “Por uma História Militar Global: da História tradicional à Nova História Militar”, publicado na Revista Brasileira de História Militar.

Os dez capítulos inventariam momentos diversos nos quais ocorreram incêndios, geralmente referenciados por “sinistros”, e outras situações que demandariam a atuação de corporações que hoje corresponderiam ou equivaleriam ao corpo de bombeiros, com ênfase no Rio Grande do Norte. Neste sentido, mesmo que o recorte temporal abarcado pela publicação 1917/1955, a autoria realizou pesquisa em fontes anteriores a esta delimitação no intuito de mapear as primeiras lacunas no serviço de combate a “sinistros”, citadas e demandadas no corpus documental a que teve acesso. O autor também fez incursões por outras espacialidades do país, referenciando eventos e situações que marcaram essa trajetória e levaram a constituição do serviço de extinção de incêndios nas respectivas localidades citadas: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Espírito Santo, Belo Horizonte, Paraíba, Santa Catarina, Recife e Sergipe.

O percurso da pesquisa levou o autor a coligir e apresentar, em sua narrativa, quantidade expressiva e diversa de documentos: bibliográficos (livros, artigos, monografias, dissertações e teses), fontes periódicas (diário oficial do Estado, jornais e revistas comerciais), leis e decretos, boletins internos do regimento policial militar, falas e relatórios de presidentes de Província, mensagens de governadores do Estado, livro de assentamentos do esquadrão de cavalaria, código de posturas municipais da cidade de Natal e memórias publicadas que deram alguma ênfase à abordagem de acontecimentos e ao cotidiano pregresso da capital potiguar.

O trabalho meticuloso de investigação inventaria alguns eventos ora dramáticos, ora curiosos e pitorescos, que serviram para pontuar e denunciar a ausência de um órgão responsável pela prevenção e combate a “sinistros” em Natal, até que fossem operacionalizadas as lentas criação e estruturação desse serviço, deixando de ser apenas proposição textual e passando a ganhar vida e lugar no cotidiano dessa municipalidade.

O enredo, organizado de maneira cronológica e linear, expressa coerência com os objetivos anunciados no capítulo introdutório ao livro. Numa história voltada principalmente para membras e membros da corporação, o caráter institucional dela prevalece e se destaca em detrimento de problematizações que tensionam articulações e implicações, cuja existência encerra a constituição de tal órgão em uma capital periférica do país. Cabe destacar, ainda, a competência narrativa demostrada pelo autor que, em linguagem direta e fluida, fomenta a curiosidade e prende o/a leitor/a em sua trama.

A leitura de A Cidade em Chamas me instigou a questionar aspectos da abordagem escolhida pelo autor. A criação de relato circunscrito ao inventário dos reclames pela ausência e menções reiteradas às dificuldades observadas na trajetória de criação e estruturação de um serviço de extinção de incêndios em Natal, em alguma medida, deixa de estabelecer conexões com a própria trajetória de urbanização da capital potiguar, processo este marcado por um desejo recorrente de modernidade e cuja presenças, material e discursiva dessa demanda constantemente reclamada, anunciavam questões e desafios de ordens econômica, política  e social que delimitaram a trajetória dessa espacialidade até, no mínimo, os anos de 1950, conforme já ponderado.

Afinal, a troça e o escárnio de que “Natal não há tal”, expressão tornada usual ao remeter-se à capital dos potiguares, deixava evidente a historicidade e as dificuldades práticas enfrentadas no seu processo de formação. A carga discursiva pejorativa e os reclames angustiados das elites econômica e política do Estado a respeito da (im)possibilidade de modernização dessa espacialidade, presente em fontes variadas que tratam dos desafios postos a ela, indicavam, com demasiada frequência, o desejo por aquilo que não se tinha e o lamento pelo que se queria.

No recorte temporal abarcado pelo livro, a bibliografia que tem tratado do processo de urbanização natalense dá conta desse fenômeno com riqueza de detalhes (Lima, 2001; Oliveira, 2008 e Oliveira, 1999) e traz reflexões que se coadunam com o inventário das ausências e dos reclames operacionalizado em A Cidade em Chamas. Até mesmo a curiosa conferência de Manuel Dantas ([1909] 1996), Natal daqui há cinquenta anos (1917), anterior à criação legal do serviço de extinção de incêndios, pode ser lida e interpretada como indicativo dessas deficiências tão reiteradas pela obra e nas quais soluções eram demandas com frequência similar.

A escolha por um enredo centrado na trajetória do serviço de extinção de incêndios, sem que se estabeleça maiores conexões entre este órgão e as questões econômicas, políticas e sociais que marcavam o Estado do Rio Grande do Norte no período, em especial a sua capital, parece se afastar da perspectiva anunciada no capítulo que lhe serve de introdução e no qual Fernando Velôzo Gomes Pedrosa (2019) é referenciado em defesa de uma “História Militar Global”.

É possível que a escolha por uma estruturação cronológica e linear e pouco afeita a conexões com outros elementos constitutivos da experiência histórica que levaram à lenta criação e às interrupções observadas no serviço de extinção a incêndios, no período abarcado pelo primeiro volume da trilogia anunciada, tenha relação com a quase inexistência, no Estado, de trabalhos publicados a respeito da corporação tal como reclama o autor durante a obra. O fato de a operação historiográfica realizada enfocar mais a audiência, o público da corporação – pois é primeiramente como membro do corpo de bombeiro que a autoria se apresenta e menos um trabalho realizado a partir de um movimento de problematização, pode ser mais uma razão para a raridade de material. A própria bibliografia indicada nas referências evidencia essa escolha, ao apresentar poucas obras de caráter teórico e metodológico produzidas no âmbito das universidades.

Neste sentido, Flademir Dantas constrói narrativa em perspectiva que se aproxima e reatualiza o ideário da história exemplar, da história como mestra da vida. Ao anunciar o caráter utilitário da narrativa que construiu, enfatizando o lugar dos exemplos na apreensão e compreensão de experiências pregressas, dialoga e foca em públicos leitores da história situados fora do âmbito acadêmico, para quem o consumo e a recepção de narrativas organizadas em perspectiva cronológica e linear é uma demanda em aberto.

Se tal escolha parece afastar-se de uma história-problema, procedimento constantemente requisitado nas produções historiográficas realizadas nos cursos de História, isto não significa, no entanto, que tal perspectiva não continue a ter público e audiência. Sob essa perspectiva, assume, portanto, papel de orientação e é construtora de identidades em espaços fora da academia onde tais narrativas são consumidas, compreendidas e legitimadas pela comunidade leitora.

Se a narrativa de A Cidade em Chamas se afasta de perspectivas mais correntes na historiografia produzida por profissionais formados em História na atualidade, os procedimentos operacionalizados pela autoria guardam coerência com o objetivo anunciado na introdução: qual seja, fomentar narrativa destinada a orientar  membras e membros do corpo de bombeiros do Estado do Rio Grande do Norte a respeito da trajetória de formação do órgão, o que a confere função social na demanda por orientação no tempo.

Essa escolha também denota e faz pensar sobre a diversidade de demandas colocadas à área de História, sobretudo no campo das narrativas institucionais e da frequente produção de memórias, algo que tem movimentado a produção de saberes e publicações no campo, apresentando à comunidade historiadora desafios que deveriam lhes servir de matéria para reflexão e ação, embora por vezes negados, noutras ainda ignorados durante a formação destes/as profissionais.

Referências

DANTAS, Manoel [1909]. Natal Daqui a Cinquenta Anos. Natal: Fundação José Augusto – Sebo Vermelho, 1996.

LIMA, Pedro. Natal Século XX: do Urbanismo ao Planejamento Urbano. Natal: EdUFRN, 2001.

OLIVEIRA, Giovana Paiva de. A Cidade e a Guerra: a Visão das Elites Sobre as Transformações do Espaço Urbano da Cidade do Natal na Segunda Guerra Mundial. 2008. 1 v. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Urbano) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

OLIVEIRA, Giovana Paiva de. De Cidade a Cidade: o Processo de Modernização do Natal (1889-1913). Natal: EDUFRN, 1999.

PEDROSA, Fernando Velôzo Gomes. Por uma História Militar Global: da História tradicional à Nova História Militar. Revista Brasileira de História Militar. Rio de Janeiro, Ano X, nº 25, maio de 2019, p. 6-26.


Sumário de A Cidade em Chamas: O Serviço de Extinção de Incêndios em Natal/RN (1917-1955).

  • Agradecimentos
  • Prefácio
  • Apresentação
  • A cidade em chamas: o Serviço de extinção de incêndios em Natal – 1917-1955
  • Por entre a densa fumaça, algumas notas introdutórias
  • O fogo que destrói: os incêndios ocorridos antes da criação da Seção de Bombeiros em 1917
  • Incêndios e a criação dos Corpos de Bombeiros no Brasil
  • A Ribeira, berço da Seção de Bombeiros
  • Joca do Pará: o primeiro comandante da Seção de Bombeiros
  • A cidade em chamas: descontinuidade na prestação do serviço de extinção de incêndios (1930-1942)
  • A Segunda Grande Guerra e o surgimento do Corpo de Bombeiros da Base Aérea de Parnamirim
  • Onde há fumaça, há fogo: a primeira metade da década de 1950 e as movimentações para a instalação de um Corpo de Bombeiros em Natal
  • A reestruturação do Corpo de Bombeiros em 1955 pela Lei Estadual n.1.253
  • Quadro cronológico
  • Referências bibliográficas
  • Anexos

Resenhista

João Maurício Gomes Neto – Doutor em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Estadual Paulista – Unesp/Franca, Professor do Departamento de História e Coordenador da Especialização em Gênero e Diversidade na Escola/GDE, na Universidade Federal de Rondônia/Unir, campus de Rolim de Moura. Publicou, entre outros trabalhos, o livro “Entre a ausência declarada e a presença reclamada: a identidade potiguar em questão. ID: 0000-0003-0194-6802. E-mail: [email protected]

 


Para citar esta resenha

DANTAS, Flademir Gonçalves. A Cidade em Chamas: O Serviço de Extinção de Incêndios em Natal/RN (1917-1955). Natal: RN Editora, 2021. Resenha de: GOMES NETO, João Maurício. Narrativa Histórica e Demandas Sociais. Crítica Historiográfica. Natal, v.2, n.4, p.16-21, mar./abr. 2022.

Baixar esta resenha em PDF


© – Os autores que publicam em Crítica Historiográfica concordam com a distribuição, remixagem, adaptação e criação a partir dos seus textos, mesmo para fins comerciais, desde que lhe sejam garantidos os devidos créditos pelas criações originais. (CC BY-SA).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Foco e escopo

Publicamos resenhas de livros e de dossiês de artigos de revistas acadêmicas que tratem da reflexão, investigação, comunicação e/ou consumo da escrita da História. Saiba mais sobre o único periódico de História inteiramente dedicado à Crítica em formato resenha.

Corpo editorial

Somos professore(a)s do ensino superior brasileiro, especializado(a)s em mais de duas dezenas de áreas relacionadas à reflexão, produção e usos da História. Faça parte dessa equipe.

Submissões

As resenhas devem expressar avaliações de livros ou de dossiês de revistas acadêmicas autodesignadas como "de História". Conheça as normas e envie-nos o seu texto.

Pesquisa


Alertas

Acesso livre

Crítica Historiográfica não cobra taxas para submissão, publicação ou uso dos artigos. Os leitores podem baixar, copiar, distribuir, imprimir os textos para fins não comerciais, desde que citem a fonte.

Privacidade

Ao se inscrever nesta lista de e-mails, você estará sujeito à nossa política de privacidade.

Narrativa Histórica e Demandas Sociais – Resenha de “A Cidade em Chamas: O Serviço de Extinção de Incêndios em Natal/RN (1917-1955), de Flademir Gonçalves Dantas

Resenhado por João Maurício Gomes Neto (UNIR) 28 fevereiro 2022


Flademir Gonçalves Dantas | Foto: Acervo do autor

A Cidade em Chamas: O Serviço de Extinção de Incêndios em Natal/RN (1917-1955), doravante A Cidade em Chamas, foi escrita por Flademir Gonçalves Dantas, que possui duas graduações (História e Direito), especialização em Direito Público e mestrado em História, todas estas formações pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Trata-se do primeiro volume de uma trilogia que contará a história do serviço de extinção e prevenção de incêndios, atualmente Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte – CBMRN, em três recortes cronológicos lineares. O segundo e o terceiro volumes, ainda a serem publicados, abarcarão, respectivamente, os recortes entre 1955-1976 e de 1976 a 2002. A obra é prefaciada pelo Professor Emérito da Universidade Federal do Rio Grande do Norte/UFRN, Carlos Roberto de Miranda Gomes, que também se anuncia membro das Academias ANRL, AML, ALEJURN, ABROL, IHGRN, UBE-RN e MHV da OAB/RN. Conta também com uma apresentação de autoria de Luiz Monteiro da Silva Junior, comandante geral do Corpo de Bombeiros do Estado potiguar.

O livro está organizado em dez capítulos, sendo que o primeiro o introduz e comunica o objetivo, notas discretas sobre a escolha teórico-metodológica e a discussão bibliográfica. Este último exercício denota sobretudo o silêncio e a raridade dos trabalhos a respeito da temática no âmbito da sociedade norte-rio-grandense, elemento que serve de justificativa a produção ensejada. O objetivo central é “estimular as novas gerações de bombeiros a conhecerem o […] rico passado” (p. 22) da corporação e se ancora dentro de uma história institucional militar, com ênfase na experiência dos seus membros, “sem descartar o caráter utilitário da história enquanto ferramenta para aprender com o passado” (p. 22).

Em termos teórico-metodológicos, a narrativa é fundamentada nas proposições de Fernando Velôzo Gomes Pedrosa (2019), especialmente a partir do artigo intitulado “Por uma História Militar Global: da História tradicional à Nova História Militar”, publicado na Revista Brasileira de História Militar.

Os dez capítulos inventariam momentos diversos nos quais ocorreram incêndios, geralmente referenciados por “sinistros”, e outras situações que demandariam a atuação de corporações que hoje corresponderiam ou equivaleriam ao corpo de bombeiros, com ênfase no Rio Grande do Norte. Neste sentido, mesmo que o recorte temporal abarcado pela publicação 1917/1955, a autoria realizou pesquisa em fontes anteriores a esta delimitação no intuito de mapear as primeiras lacunas no serviço de combate a “sinistros”, citadas e demandadas no corpus documental a que teve acesso. O autor também fez incursões por outras espacialidades do país, referenciando eventos e situações que marcaram essa trajetória e levaram a constituição do serviço de extinção de incêndios nas respectivas localidades citadas: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Espírito Santo, Belo Horizonte, Paraíba, Santa Catarina, Recife e Sergipe.

O percurso da pesquisa levou o autor a coligir e apresentar, em sua narrativa, quantidade expressiva e diversa de documentos: bibliográficos (livros, artigos, monografias, dissertações e teses), fontes periódicas (diário oficial do Estado, jornais e revistas comerciais), leis e decretos, boletins internos do regimento policial militar, falas e relatórios de presidentes de Província, mensagens de governadores do Estado, livro de assentamentos do esquadrão de cavalaria, código de posturas municipais da cidade de Natal e memórias publicadas que deram alguma ênfase à abordagem de acontecimentos e ao cotidiano pregresso da capital potiguar.

O trabalho meticuloso de investigação inventaria alguns eventos ora dramáticos, ora curiosos e pitorescos, que serviram para pontuar e denunciar a ausência de um órgão responsável pela prevenção e combate a “sinistros” em Natal, até que fossem operacionalizadas as lentas criação e estruturação desse serviço, deixando de ser apenas proposição textual e passando a ganhar vida e lugar no cotidiano dessa municipalidade.

O enredo, organizado de maneira cronológica e linear, expressa coerência com os objetivos anunciados no capítulo introdutório ao livro. Numa história voltada principalmente para membras e membros da corporação, o caráter institucional dela prevalece e se destaca em detrimento de problematizações que tensionam articulações e implicações, cuja existência encerra a constituição de tal órgão em uma capital periférica do país. Cabe destacar, ainda, a competência narrativa demostrada pelo autor que, em linguagem direta e fluida, fomenta a curiosidade e prende o/a leitor/a em sua trama.

A leitura de A Cidade em Chamas me instigou a questionar aspectos da abordagem escolhida pelo autor. A criação de relato circunscrito ao inventário dos reclames pela ausência e menções reiteradas às dificuldades observadas na trajetória de criação e estruturação de um serviço de extinção de incêndios em Natal, em alguma medida, deixa de estabelecer conexões com a própria trajetória de urbanização da capital potiguar, processo este marcado por um desejo recorrente de modernidade e cuja presenças, material e discursiva dessa demanda constantemente reclamada, anunciavam questões e desafios de ordens econômica, política  e social que delimitaram a trajetória dessa espacialidade até, no mínimo, os anos de 1950, conforme já ponderado.

Afinal, a troça e o escárnio de que “Natal não há tal”, expressão tornada usual ao remeter-se à capital dos potiguares, deixava evidente a historicidade e as dificuldades práticas enfrentadas no seu processo de formação. A carga discursiva pejorativa e os reclames angustiados das elites econômica e política do Estado a respeito da (im)possibilidade de modernização dessa espacialidade, presente em fontes variadas que tratam dos desafios postos a ela, indicavam, com demasiada frequência, o desejo por aquilo que não se tinha e o lamento pelo que se queria.

No recorte temporal abarcado pelo livro, a bibliografia que tem tratado do processo de urbanização natalense dá conta desse fenômeno com riqueza de detalhes (Lima, 2001; Oliveira, 2008 e Oliveira, 1999) e traz reflexões que se coadunam com o inventário das ausências e dos reclames operacionalizado em A Cidade em Chamas. Até mesmo a curiosa conferência de Manuel Dantas ([1909] 1996), Natal daqui há cinquenta anos (1917), anterior à criação legal do serviço de extinção de incêndios, pode ser lida e interpretada como indicativo dessas deficiências tão reiteradas pela obra e nas quais soluções eram demandas com frequência similar.

A escolha por um enredo centrado na trajetória do serviço de extinção de incêndios, sem que se estabeleça maiores conexões entre este órgão e as questões econômicas, políticas e sociais que marcavam o Estado do Rio Grande do Norte no período, em especial a sua capital, parece se afastar da perspectiva anunciada no capítulo que lhe serve de introdução e no qual Fernando Velôzo Gomes Pedrosa (2019) é referenciado em defesa de uma “História Militar Global”.

É possível que a escolha por uma estruturação cronológica e linear e pouco afeita a conexões com outros elementos constitutivos da experiência histórica que levaram à lenta criação e às interrupções observadas no serviço de extinção a incêndios, no período abarcado pelo primeiro volume da trilogia anunciada, tenha relação com a quase inexistência, no Estado, de trabalhos publicados a respeito da corporação tal como reclama o autor durante a obra. O fato de a operação historiográfica realizada enfocar mais a audiência, o público da corporação – pois é primeiramente como membro do corpo de bombeiro que a autoria se apresenta e menos um trabalho realizado a partir de um movimento de problematização, pode ser mais uma razão para a raridade de material. A própria bibliografia indicada nas referências evidencia essa escolha, ao apresentar poucas obras de caráter teórico e metodológico produzidas no âmbito das universidades.

Neste sentido, Flademir Dantas constrói narrativa em perspectiva que se aproxima e reatualiza o ideário da história exemplar, da história como mestra da vida. Ao anunciar o caráter utilitário da narrativa que construiu, enfatizando o lugar dos exemplos na apreensão e compreensão de experiências pregressas, dialoga e foca em públicos leitores da história situados fora do âmbito acadêmico, para quem o consumo e a recepção de narrativas organizadas em perspectiva cronológica e linear é uma demanda em aberto.

Se tal escolha parece afastar-se de uma história-problema, procedimento constantemente requisitado nas produções historiográficas realizadas nos cursos de História, isto não significa, no entanto, que tal perspectiva não continue a ter público e audiência. Sob essa perspectiva, assume, portanto, papel de orientação e é construtora de identidades em espaços fora da academia onde tais narrativas são consumidas, compreendidas e legitimadas pela comunidade leitora.

Se a narrativa de A Cidade em Chamas se afasta de perspectivas mais correntes na historiografia produzida por profissionais formados em História na atualidade, os procedimentos operacionalizados pela autoria guardam coerência com o objetivo anunciado na introdução: qual seja, fomentar narrativa destinada a orientar  membras e membros do corpo de bombeiros do Estado do Rio Grande do Norte a respeito da trajetória de formação do órgão, o que a confere função social na demanda por orientação no tempo.

Essa escolha também denota e faz pensar sobre a diversidade de demandas colocadas à área de História, sobretudo no campo das narrativas institucionais e da frequente produção de memórias, algo que tem movimentado a produção de saberes e publicações no campo, apresentando à comunidade historiadora desafios que deveriam lhes servir de matéria para reflexão e ação, embora por vezes negados, noutras ainda ignorados durante a formação destes/as profissionais.

Referências

DANTAS, Manoel [1909]. Natal Daqui a Cinquenta Anos. Natal: Fundação José Augusto – Sebo Vermelho, 1996.

LIMA, Pedro. Natal Século XX: do Urbanismo ao Planejamento Urbano. Natal: EdUFRN, 2001.

OLIVEIRA, Giovana Paiva de. A Cidade e a Guerra: a Visão das Elites Sobre as Transformações do Espaço Urbano da Cidade do Natal na Segunda Guerra Mundial. 2008. 1 v. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Urbano) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

OLIVEIRA, Giovana Paiva de. De Cidade a Cidade: o Processo de Modernização do Natal (1889-1913). Natal: EDUFRN, 1999.

PEDROSA, Fernando Velôzo Gomes. Por uma História Militar Global: da História tradicional à Nova História Militar. Revista Brasileira de História Militar. Rio de Janeiro, Ano X, nº 25, maio de 2019, p. 6-26.


Sumário de A Cidade em Chamas: O Serviço de Extinção de Incêndios em Natal/RN (1917-1955).

  • Agradecimentos
  • Prefácio
  • Apresentação
  • A cidade em chamas: o Serviço de extinção de incêndios em Natal – 1917-1955
  • Por entre a densa fumaça, algumas notas introdutórias
  • O fogo que destrói: os incêndios ocorridos antes da criação da Seção de Bombeiros em 1917
  • Incêndios e a criação dos Corpos de Bombeiros no Brasil
  • A Ribeira, berço da Seção de Bombeiros
  • Joca do Pará: o primeiro comandante da Seção de Bombeiros
  • A cidade em chamas: descontinuidade na prestação do serviço de extinção de incêndios (1930-1942)
  • A Segunda Grande Guerra e o surgimento do Corpo de Bombeiros da Base Aérea de Parnamirim
  • Onde há fumaça, há fogo: a primeira metade da década de 1950 e as movimentações para a instalação de um Corpo de Bombeiros em Natal
  • A reestruturação do Corpo de Bombeiros em 1955 pela Lei Estadual n.1.253
  • Quadro cronológico
  • Referências bibliográficas
  • Anexos

Resenhista

João Maurício Gomes Neto – Doutor em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Estadual Paulista – Unesp/Franca, Professor do Departamento de História e Coordenador da Especialização em Gênero e Diversidade na Escola/GDE, na Universidade Federal de Rondônia/Unir, campus de Rolim de Moura. Publicou, entre outros trabalhos, o livro “Entre a ausência declarada e a presença reclamada: a identidade potiguar em questão. ID: 0000-0003-0194-6802. E-mail: [email protected]

 


Para citar esta resenha

DANTAS, Flademir Gonçalves. A Cidade em Chamas: O Serviço de Extinção de Incêndios em Natal/RN (1917-1955). Natal: RN Editora, 2021. Resenha de: GOMES NETO, João Maurício. Narrativa Histórica e Demandas Sociais. Crítica Historiográfica. Natal, v.2, n.4, p.16-21, mar./abr. 2022.

Baixar esta resenha em PDF


© – Os autores que publicam em Crítica Historiográfica concordam com a distribuição, remixagem, adaptação e criação a partir dos seus textos, mesmo para fins comerciais, desde que lhe sejam garantidos os devidos créditos pelas criações originais. (CC BY-SA).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Resenhistas

Privacidade

Ao se inscrever nesta lista de e-mails, você estará sujeito à nossa política de privacidade.

Acesso livre

Crítica Historiográfica não cobra taxas para submissão, publicação ou uso dos artigos. Os leitores podem baixar, copiar, distribuir, imprimir os textos para fins não comerciais, desde que citem a fonte.

Foco e escopo

Publicamos resenhas de livros e de dossiês de artigos de revistas acadêmicas que tratem da reflexão, investigação, comunicação e/ou consumo da escrita da História. Saiba mais sobre o único periódico de História inteiramente dedicado à Crítica em formato resenha.

Corpo editorial

Somos professore(a)s do ensino superior brasileiro, especializado(a)s em mais de duas dezenas de áreas relacionadas à reflexão, produção e usos da História. Faça parte dessa equipe.

Submissões

As resenhas devem expressar avaliações de livros ou de dossiês de revistas acadêmicas autodesignadas como "de História". Conheça as normas e envie-nos o seu texto.

Pesquisa


Alertas