Deficiência visual em questão – Resenha de Luiz Fernando de Carvalho Reis (FAI) sobre o livro “A cuia e a bengala: histórias, memórias e trajetórias de pessoas cegas em Salvador, em busca de inserção econômica e autodeterminação social (1963-1993)”, de José Jorge Andrade Damasceno

José Jorge Andrade Damasceno. Detalhe de capa de A cuia e a bengala (2022) | Imagem: RI/UFBA

Resumo: A cuia e a bengala: histórias, memórias e trajetórias de pessoas cegas em Salvador, em busca de inserção econômica e autodeterminação social (1963-1993), de José Jorge Andrade Damasceno problematiza o preconceito e explora o empoderamento das pessoas cegas na sociedade contemporânea.

Palavras – chave: Pessoas cegas, Preconceito, Deficiência visual.


Em A cuia e a bengala: histórias, memórias e trajetórias de pessoas cegas em Salvador, em busca de inserção econômica e autodeterminação social (1963-1993), de José Jorge Andrade Damasceno, abordam-se os resultados da implementação de políticas públicas e iniciativas privadas voltadas para a assistência, apoio e capacitação profissional de pessoas com deficiência visual. O foco recai sobre as ações conduzidas por indivíduos e/ou organizações, oferecendo uma oportunidade para entender como a educação dessas pessoas se desenvolveu na Bahia. Além disso, exploram-se as escassas oportunidades oferecidas a elas no mercado de trabalho, revelando informações detalhadas que não estão disponíveis em outras publicações. Esses insights são apresentados por meio da exploração das vivências das pessoas cegas. O livro busca ampliar a compreensão da sociedade sobre as capacidades e potenciais desses indivíduos, desafiando estereótipos e preconceitos arraigados. Assim, o objetivo geral é promover uma mudança de perspectiva e fomentar ações concretas para garantir a plena participação e o empoderamento das pessoas cegas na sociedade.

José Jorge Andrade Damasceno é professor do Programa de Pós-Graduação em Estudos Africanos, Povos Indígenas e Culturas Negras (PPGEAFIN) no Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias (DCHT), no campus XVI, da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), localizado na cidade de Irecê. O livro que é resultado de sua dissertação de mestrado, na Universidade Federal da Bahia (UFBA), defendida no ano de 1998. Nele, o pesquisador se dedica ao estudo da cegueira, apresentando uma análise abrangente sobre a integração de pessoas cegas em Salvador – BA, durante as décadas de 1960 a 1990, apresentando-nos uma dura realidade e revelando detalhes impactantes. O livro está organizado em duas partes, com um total de quatro capítulos, em que os entrevistados, cegos, expressam seus pontos de vista sobre o olhar da sociedade frente à cegueira.

Da introdução, ressaltamos a força e a coragem que o professor Damasceno demonstrou para seguir com o seu propósito de pesquisador, mesmo diante das portas que se fecharam, inclusive do ICB, por onde passou na condição de estudante. A análise das entrevistas realizadas em seu trabalho permitiu-lhe inferir que a atuação das instituições para cegos apenas reforça a visão social de que eles são pessoas dependentes.

Na primeira parte – “Histórias e Memórias do Processo de Inserção de Pessoas Cegas na Escola, no Trabalho e na Sociedade” – analisam-se as diversas políticas e ações implementadas por instituições para cegos. Embora devessem fazer parte de um esforço para integrar social, cultural e profissionalmente os indivíduos cegos, isso não ocorre na medida em que se cria um vínculo de dependência e acomodação muito forte, do qual poucos conseguem desvencilhar-se, conforme pontuado no segundo capítulo (p.46). Este capítulo aborda principalmente a história do ICB como um centro educacional para pessoas cegas em Salvador, durante período de crescimento urbano acelerado. Destaca-se a importância do trabalho dos cegos no processo industrial da cidade e a transformação de um abrigo em um local promotor de educação e autonomia na vida urbana de Salvador, entre 1960 e 1985, período de industrialização da cidade. A expansão econômica e os limites urbanos, impostos pelo crescimento populacional, condicionaram a ação do Instituto de Cegos da Bahia (ICB), que ficou mais conhecido por abrigar uma fábrica de vassouras, geradora de renda para a instituição.

Importante salientar que o texto repete informações e conceitos diversas vezes, tornando-o prolixo e cansativo. Alguns exemplos disso são a reiteração da ideia de que o Instituto de Cegos da Bahia não era apenas um abrigo, a menção repetida de nomes de pessoas envolvidas na fundação do instituto e a redundância de informações sobre a crise econômica e a redução na arrecadação da instituição. Falta clareza em relação aos objetivos e à estrutura do ICB, há mistura de informações sobre seu papel como abrigo e seu papel como educandário. Além disso, a organização prejudica a fluidez da leitura, empregam-se citações em excesso, inseridas abruptamente.

No entanto, o texto apresenta uma contextualização detalhada da ação do ICB, abordando sua fundação, transformações ao longo do tempo e as influências externas que motivaram a sua reestruturação. Esse tratamento fornece uma compreensão mais completa do tema, mediada, inclusive, por entrevistas.

O instituto atende pessoas de zero a 100 anos com problema de cegueira, baixa visão, surdocegueira e deficiência múltipla | Foto: Filipe Augusto

Na segunda parte – “Histórias e Memórias de Rumos e Trajetórias” – apresenta-se um conjunto de narrativas sobre trajetórias envolvendo doze pessoas cegas. O objetivo é mostrar que essas pessoas estavam sujeitas às mesmas eventualidades e peculiaridades de todos os outros componentes do corpo social. Narram-se histórias de pessoas cegas que enfrentaram obstáculos em suas vidas e contribuíram para a que as gerações futuras superassem preconceitos e discriminações. A sociedade impõe representações e estereótipos às pessoas com deficiência, marginalizando-as e limitando seu pleno desenvolvimento. No caso das pessoas cegas, elas são muitas vezes vistas como incapazes e dependentes, o que impacta sua autoimagem e reivindicações.

O texto desta parte, contudo, apresenta estrutura confusa, com informações e ideias desconexas, excesso de linguagem complexa e formal, frases longas e terminologia técnica desacompanhada dos devidos esclarecimentos ao leitor. Também faltam referências bibliográficas e/ou fontes que embasem as afirmações do autor. Não obstante esses problemas, o texto aborda o tema das políticas públicas e ações privadas em relação às pessoas cegas, discutindo suas profissionalizações e empregos. Oferece também insights sobre as mudanças sociais e econômicas que ocorreram ao longo do tempo e seu impacto na inclusão e autonomia dessas pessoas. Apresenta exemplos que embasam suas afirmações e destaca as consequências das guerras, o surgimento de novas tecnologias e o papel das instituições, como o Serviço Nacional da Indústria (SENAI) na busca por oportunidades de trabalho para pessoas cegas. O texto fornece diferentes pontos de vista e opiniões, dando voz a diferentes entrevistados e suas experiências. Finalmente, demonstra sensibilidade em relação às dificuldades e necessidades das pessoas cegas, enfatizando a importância de políticas públicas adequadas e do apoio familiar para a promoção da independência e inclusão dessas pessoas na sociedade.

Na conclusão, a obra problematiza a esmola e sua associação à cegueira, discutindo como essa prática é vista na sociedade e a persistência de estereótipos negativos relacionados às pessoas cegas. O texto informa que a esmola é uma prática antiga, mencionada nos evangelhos, sendo associada a recompensas para aqueles que a praticavam de maneira discreta e desinteressada. Salienta que, durante a Idade Média, a Igreja estabeleceu grupos de pessoas consideradas dignas de receber esmola, incluindo os cegos, vistos como incapazes de prover por si mesmos as suas condições de existência. O texto cita um artigo de jornal de 1934 que retrata os cegos e a cegueira com emoção, pena e comoção, destacando a criação de uma fundação como uma forma de redenção para os cegos. Apesar do tempo decorrido, os conceitos e modos de pensar presentes no artigo ainda ressoam na mentalidade social atual.

Apesar das declarações pertinentes, a conclusão apresenta problemas de clareza e coerência, a exemplo da seção anterior. Ainda assim, é louvável a discussão que associa esmola e cegueira e os estereótipos negativos que persistem. Essa reflexão visa despertar no leitor a importância de combater preconceitos.

De modo geral, a obra atinge seus objetivos de promover uma mudança de perspectiva e incentivar ações concretas para assegurar a plena participação e o empoderamento das pessoas cegas na sociedade contemporânea. Como uma compilação extensa das memórias de indivíduos sem visão, o livro serve é orientação valiosa para a formulação de novos modelos de inclusão no presente século. Assim, transitando entre independência e interdependência, Damasceno desafia o leitor a transcender a simples filantropia e instiga a reflexão sobre o fortalecimento, indo além dos discursos acadêmicos politicamente aceitos. Por esses motivos, esse livro deveria ser lido por profissionais da saúde e educação, bem como por estudantes e pesquisadores das áreas de Psicologia, Educação, Sociologia, Antropologia e campos correlatos. A leitura é especialmente recomendada para pessoas cegas e os seus familiares, que podem se identificar com as histórias e experiências compartilhadas no livro. É uma oportunidade de encontrar relatos inspiradores, aprender sobre estratégias para superar desafios e refletir sobre como a sociedade percebe e trata as pessoas cegas.

Sumário de A Cuia e a Bengala: histórias, memórias e trajetórias de pessoas cegas em Salvador, em busca de inserção econômica e autodeterminação social (1963-1993)

  • Prefácio
  • Apresentação
  • Introdução
  • Primeira parte
    • Histórias e memórias do processo de inserção de pessoas cegas na escola, no trabalho e na sociedade
    • Uma contextualização histórica e espacial do processo de inserção de pessoas cegas na escola, no trabalho e na sociedade – 1960 -1985
    • Políticas públicas e assistencialismo
  • Segunda parte
    • Histórias e memórias de rumos e trajetórias
    • Histórias e memórias de mulheres
    • Histórias e memórias de percursos masculinos
  • Conclusão
  • Posfácio
  • Referências

Baixar este livro gratuitamente aqui


Para ampliar a sua revisão da literatura


Resenhista

Luiz Fernando de Carvalho Reis é mestre em Administração Estratégica pela Universidade Salvador (US), especialista em Cultura Teológica pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e bacharel em Administração e Teologia. É professor da Faculdade Irecê (FAI).  ID LATTES: http://lattes.cnpq.br/1500485484897919; ID: https://orcid.org/0009-0007-1755-3014; E-mail: [email protected].

 


Referências

DAMASCENO, José Jorge Andrade. A Cuia e a Bengala: histórias, memórias e trajetórias de pessoas cegas em Salvador, em busca de inserção econômica e autodeterminação social (1963-1993). Salvador: Editora da UFBA, 2022. 341p. Resenha de: REIS, Luiz Fernando de Carvalho. Deficiência visual em questão. Crítica Historiográfica. Natal, v.3, n.11, maio/jun.2023.


© – Os autores que publicam em Crítica Historiográfica concordam com a distribuição, remixagem, adaptação e criação a partir dos seus textos, mesmo para fins comerciais, desde que lhe sejam garantidos os devidos créditos pelas criações originais. (CC BY-SA).

 

Crítica Historiográfica. Natal, v.3, n. 11, maio/jun., 2023 | ISSN 2764-2666

Pesquisa/Search

Alertas/Alerts

Deficiência visual em questão – Resenha de Luiz Fernando de Carvalho Reis (FAI) sobre o livro “A cuia e a bengala: histórias, memórias e trajetórias de pessoas cegas em Salvador, em busca de inserção econômica e autodeterminação social (1963-1993)”, de José Jorge Andrade Damasceno

José Jorge Andrade Damasceno. Detalhe de capa de A cuia e a bengala (2022) | Imagem: RI/UFBA

Resumo: A cuia e a bengala: histórias, memórias e trajetórias de pessoas cegas em Salvador, em busca de inserção econômica e autodeterminação social (1963-1993), de José Jorge Andrade Damasceno problematiza o preconceito e explora o empoderamento das pessoas cegas na sociedade contemporânea.

Palavras – chave: Pessoas cegas, Preconceito, Deficiência visual.


Em A cuia e a bengala: histórias, memórias e trajetórias de pessoas cegas em Salvador, em busca de inserção econômica e autodeterminação social (1963-1993), de José Jorge Andrade Damasceno, abordam-se os resultados da implementação de políticas públicas e iniciativas privadas voltadas para a assistência, apoio e capacitação profissional de pessoas com deficiência visual. O foco recai sobre as ações conduzidas por indivíduos e/ou organizações, oferecendo uma oportunidade para entender como a educação dessas pessoas se desenvolveu na Bahia. Além disso, exploram-se as escassas oportunidades oferecidas a elas no mercado de trabalho, revelando informações detalhadas que não estão disponíveis em outras publicações. Esses insights são apresentados por meio da exploração das vivências das pessoas cegas. O livro busca ampliar a compreensão da sociedade sobre as capacidades e potenciais desses indivíduos, desafiando estereótipos e preconceitos arraigados. Assim, o objetivo geral é promover uma mudança de perspectiva e fomentar ações concretas para garantir a plena participação e o empoderamento das pessoas cegas na sociedade.

José Jorge Andrade Damasceno é professor do Programa de Pós-Graduação em Estudos Africanos, Povos Indígenas e Culturas Negras (PPGEAFIN) no Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias (DCHT), no campus XVI, da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), localizado na cidade de Irecê. O livro que é resultado de sua dissertação de mestrado, na Universidade Federal da Bahia (UFBA), defendida no ano de 1998. Nele, o pesquisador se dedica ao estudo da cegueira, apresentando uma análise abrangente sobre a integração de pessoas cegas em Salvador – BA, durante as décadas de 1960 a 1990, apresentando-nos uma dura realidade e revelando detalhes impactantes. O livro está organizado em duas partes, com um total de quatro capítulos, em que os entrevistados, cegos, expressam seus pontos de vista sobre o olhar da sociedade frente à cegueira.

Da introdução, ressaltamos a força e a coragem que o professor Damasceno demonstrou para seguir com o seu propósito de pesquisador, mesmo diante das portas que se fecharam, inclusive do ICB, por onde passou na condição de estudante. A análise das entrevistas realizadas em seu trabalho permitiu-lhe inferir que a atuação das instituições para cegos apenas reforça a visão social de que eles são pessoas dependentes.

Na primeira parte – “Histórias e Memórias do Processo de Inserção de Pessoas Cegas na Escola, no Trabalho e na Sociedade” – analisam-se as diversas políticas e ações implementadas por instituições para cegos. Embora devessem fazer parte de um esforço para integrar social, cultural e profissionalmente os indivíduos cegos, isso não ocorre na medida em que se cria um vínculo de dependência e acomodação muito forte, do qual poucos conseguem desvencilhar-se, conforme pontuado no segundo capítulo (p.46). Este capítulo aborda principalmente a história do ICB como um centro educacional para pessoas cegas em Salvador, durante período de crescimento urbano acelerado. Destaca-se a importância do trabalho dos cegos no processo industrial da cidade e a transformação de um abrigo em um local promotor de educação e autonomia na vida urbana de Salvador, entre 1960 e 1985, período de industrialização da cidade. A expansão econômica e os limites urbanos, impostos pelo crescimento populacional, condicionaram a ação do Instituto de Cegos da Bahia (ICB), que ficou mais conhecido por abrigar uma fábrica de vassouras, geradora de renda para a instituição.

Importante salientar que o texto repete informações e conceitos diversas vezes, tornando-o prolixo e cansativo. Alguns exemplos disso são a reiteração da ideia de que o Instituto de Cegos da Bahia não era apenas um abrigo, a menção repetida de nomes de pessoas envolvidas na fundação do instituto e a redundância de informações sobre a crise econômica e a redução na arrecadação da instituição. Falta clareza em relação aos objetivos e à estrutura do ICB, há mistura de informações sobre seu papel como abrigo e seu papel como educandário. Além disso, a organização prejudica a fluidez da leitura, empregam-se citações em excesso, inseridas abruptamente.

No entanto, o texto apresenta uma contextualização detalhada da ação do ICB, abordando sua fundação, transformações ao longo do tempo e as influências externas que motivaram a sua reestruturação. Esse tratamento fornece uma compreensão mais completa do tema, mediada, inclusive, por entrevistas.

O instituto atende pessoas de zero a 100 anos com problema de cegueira, baixa visão, surdocegueira e deficiência múltipla | Foto: Filipe Augusto

Na segunda parte – “Histórias e Memórias de Rumos e Trajetórias” – apresenta-se um conjunto de narrativas sobre trajetórias envolvendo doze pessoas cegas. O objetivo é mostrar que essas pessoas estavam sujeitas às mesmas eventualidades e peculiaridades de todos os outros componentes do corpo social. Narram-se histórias de pessoas cegas que enfrentaram obstáculos em suas vidas e contribuíram para a que as gerações futuras superassem preconceitos e discriminações. A sociedade impõe representações e estereótipos às pessoas com deficiência, marginalizando-as e limitando seu pleno desenvolvimento. No caso das pessoas cegas, elas são muitas vezes vistas como incapazes e dependentes, o que impacta sua autoimagem e reivindicações.

O texto desta parte, contudo, apresenta estrutura confusa, com informações e ideias desconexas, excesso de linguagem complexa e formal, frases longas e terminologia técnica desacompanhada dos devidos esclarecimentos ao leitor. Também faltam referências bibliográficas e/ou fontes que embasem as afirmações do autor. Não obstante esses problemas, o texto aborda o tema das políticas públicas e ações privadas em relação às pessoas cegas, discutindo suas profissionalizações e empregos. Oferece também insights sobre as mudanças sociais e econômicas que ocorreram ao longo do tempo e seu impacto na inclusão e autonomia dessas pessoas. Apresenta exemplos que embasam suas afirmações e destaca as consequências das guerras, o surgimento de novas tecnologias e o papel das instituições, como o Serviço Nacional da Indústria (SENAI) na busca por oportunidades de trabalho para pessoas cegas. O texto fornece diferentes pontos de vista e opiniões, dando voz a diferentes entrevistados e suas experiências. Finalmente, demonstra sensibilidade em relação às dificuldades e necessidades das pessoas cegas, enfatizando a importância de políticas públicas adequadas e do apoio familiar para a promoção da independência e inclusão dessas pessoas na sociedade.

Na conclusão, a obra problematiza a esmola e sua associação à cegueira, discutindo como essa prática é vista na sociedade e a persistência de estereótipos negativos relacionados às pessoas cegas. O texto informa que a esmola é uma prática antiga, mencionada nos evangelhos, sendo associada a recompensas para aqueles que a praticavam de maneira discreta e desinteressada. Salienta que, durante a Idade Média, a Igreja estabeleceu grupos de pessoas consideradas dignas de receber esmola, incluindo os cegos, vistos como incapazes de prover por si mesmos as suas condições de existência. O texto cita um artigo de jornal de 1934 que retrata os cegos e a cegueira com emoção, pena e comoção, destacando a criação de uma fundação como uma forma de redenção para os cegos. Apesar do tempo decorrido, os conceitos e modos de pensar presentes no artigo ainda ressoam na mentalidade social atual.

Apesar das declarações pertinentes, a conclusão apresenta problemas de clareza e coerência, a exemplo da seção anterior. Ainda assim, é louvável a discussão que associa esmola e cegueira e os estereótipos negativos que persistem. Essa reflexão visa despertar no leitor a importância de combater preconceitos.

De modo geral, a obra atinge seus objetivos de promover uma mudança de perspectiva e incentivar ações concretas para assegurar a plena participação e o empoderamento das pessoas cegas na sociedade contemporânea. Como uma compilação extensa das memórias de indivíduos sem visão, o livro serve é orientação valiosa para a formulação de novos modelos de inclusão no presente século. Assim, transitando entre independência e interdependência, Damasceno desafia o leitor a transcender a simples filantropia e instiga a reflexão sobre o fortalecimento, indo além dos discursos acadêmicos politicamente aceitos. Por esses motivos, esse livro deveria ser lido por profissionais da saúde e educação, bem como por estudantes e pesquisadores das áreas de Psicologia, Educação, Sociologia, Antropologia e campos correlatos. A leitura é especialmente recomendada para pessoas cegas e os seus familiares, que podem se identificar com as histórias e experiências compartilhadas no livro. É uma oportunidade de encontrar relatos inspiradores, aprender sobre estratégias para superar desafios e refletir sobre como a sociedade percebe e trata as pessoas cegas.

Sumário de A Cuia e a Bengala: histórias, memórias e trajetórias de pessoas cegas em Salvador, em busca de inserção econômica e autodeterminação social (1963-1993)

  • Prefácio
  • Apresentação
  • Introdução
  • Primeira parte
    • Histórias e memórias do processo de inserção de pessoas cegas na escola, no trabalho e na sociedade
    • Uma contextualização histórica e espacial do processo de inserção de pessoas cegas na escola, no trabalho e na sociedade – 1960 -1985
    • Políticas públicas e assistencialismo
  • Segunda parte
    • Histórias e memórias de rumos e trajetórias
    • Histórias e memórias de mulheres
    • Histórias e memórias de percursos masculinos
  • Conclusão
  • Posfácio
  • Referências

Baixar este livro gratuitamente aqui


Para ampliar a sua revisão da literatura


Resenhista

Luiz Fernando de Carvalho Reis é mestre em Administração Estratégica pela Universidade Salvador (US), especialista em Cultura Teológica pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e bacharel em Administração e Teologia. É professor da Faculdade Irecê (FAI).  ID LATTES: http://lattes.cnpq.br/1500485484897919; ID: https://orcid.org/0009-0007-1755-3014; E-mail: [email protected].

 


Referências

DAMASCENO, José Jorge Andrade. A Cuia e a Bengala: histórias, memórias e trajetórias de pessoas cegas em Salvador, em busca de inserção econômica e autodeterminação social (1963-1993). Salvador: Editora da UFBA, 2022. 341p. Resenha de: REIS, Luiz Fernando de Carvalho. Deficiência visual em questão. Crítica Historiográfica. Natal, v.3, n.11, maio/jun.2023.


© – Os autores que publicam em Crítica Historiográfica concordam com a distribuição, remixagem, adaptação e criação a partir dos seus textos, mesmo para fins comerciais, desde que lhe sejam garantidos os devidos créditos pelas criações originais. (CC BY-SA).

 

Crítica Historiográfica. Natal, v.3, n. 11, maio/jun., 2023 | ISSN 2764-2666

Resenhistas

Privacidade

Ao se inscrever nesta lista de e-mails, você estará sujeito à nossa política de privacidade.

Acesso livre

Crítica Historiográfica não cobra taxas para submissão, publicação ou uso dos artigos. Os leitores podem baixar, copiar, distribuir, imprimir os textos para fins não comerciais, desde que citem a fonte.

Foco e escopo

Publicamos resenhas de livros e de dossiês de artigos de revistas acadêmicas que tratem da reflexão, investigação, comunicação e/ou consumo da escrita da História. Saiba mais sobre o único periódico de História inteiramente dedicado à Crítica em formato resenha.

Corpo editorial

Somos professore(a)s do ensino superior brasileiro, especializado(a)s em mais de duas dezenas de áreas relacionadas à reflexão, produção e usos da História. Faça parte dessa equipe.

Submissões

As resenhas devem expressar avaliações de livros ou de dossiês de revistas acadêmicas autodesignadas como "de História". Conheça as normas e envie-nos o seu texto.

Pesquisa


Enviar mensagem de WhatsApp