Séc. 19-21

Resumo: Em “Racismo sem racistas: o racismo da cegueira de cor e a persistência da desigualdade na América”, Eduardo Bonilla-Silva explora o “racismo da cegueira de cor” nos EUA, uma ideologia que justifica desigualdades raciais sem reconhecer o racismo estrutural. Critica-se a postura das pessoas brancas que negam responsabilidade pelas desvantagens raciais. A obra, elogiada por sua originalidade e rigor teórico, enfrenta críticas por seu tom proselitista na conclusão, onde prescreve ações antirracistas.

Palavras-chave: Racismo, Racistas, Racismo Estrutural.

Cegueira de cor — Resenha de Petrônio Domingues (UFS) sobre o livro “Racismo sem racistas: o racismo da cegueira de cor e a persistência da desigualdade na América”, de Eduardo Bonilla-Silva Read More »

Resumo: A obra “Maria Bonita, a rainha do cangaço: sua biografia”, escrita por João de Souza Lima e lançada em 2022, explora a vida de Maria Gomes de Oliveira (Maria Bonita). Baseada em pesquisa de campo e entrevistas, busca traçar o perfil de Maria desde a infância, abordando sua entrada no cangaço e relação com Lampião. Criticada por sua linguagem poética e falta de aprofundamento social, a biografia é elogiada pelo levantamento exaustivo de fontes e pela contribuição ao conhecimento histórico sobre o cangaço.

Palavras-chave: Maria Bonita, Maria Gomes de Oliveira, Cangaço.

Mulher na luta – Resenha de Moisés Santos Reis Amaral (SED/Fátima-BA) sobre o livro “Maria Bonita, a rainha do cangaço: sua biografia” é de autoria de João de Souza Lima Read More »

Resumo: João Paulo Gama Oliveira, Lisiane Sias Manke e Magno Francisco de Jesus Santos organizaram a obra “Histórias do Ensino de História: projetos de nação, materiais didáticos e trajetórias docentes”. Esta coletânea reuniu trabalhos sobre a história ensinada no Brasil, no Ensino Primário, Secundário e Superior, nos séculos XIX e XX. Os textos analisam recursos didáticos e seus usos, as trajetórias dos docentes, os projetos para o ensinar História e as relações entre a legislação nacional, os currículos, e as práticas em sala de aula.

Palavras-chave: Ensino de História, História da Educação, Práticas Pedagógicas.

Abordagens da Docência Histórica – Resenha de Clivya Nobre (UFRN), sobre o livro “Histórias do Ensino de História: projetos de nação, materiais didáticos e trajetórias docentes”, organizado por João Paulo Gama Oliveira, Lisiane Sias Manke e Magno Francisco de Jesus Santos Read More »

Resumo: O “Dicionário do Ensino de História” aborda uma ampla gama de tópicos relacionados ao ensino de história, incluindo a história cronológica, temática e local, bem como métodos de ensino e aprendizagem, políticas curriculares e diretrizes, educação patrimonial e tecnologias emergentes. Outros temas incluem cultura histórica, códigos disciplinares, estereótipos, fontes e narrativas históricas. O livro também explora tópicos como mudança e permanência, consciência histórica, causa e consequência, e a progressão do conhecimento histórico. O volume inclui contribuições de uma ampla variedade de autores e autoras, bem como coordenadoras que ajudaram a organizar a obra.

Palavras-chave: Ensino de História, Dicionário, Formação de Professores de História.

Diálogos na prática – Resenha de Brenda Kerolle (UFS) sobre o “Dicionário do Ensino de História”, organizado por Marieta de Moraes Ferreira e Margarida Maria Dias de Oliveira Read More »

Resumo: A obra vem ampliar significativamente os estudos sobre o trabalho do músico no Brasil. O autor apresenta com o rigor do método materialista histórico dialético a trajetória de músicos trabalhadores migrantes que viveram entre as beiradas dos rios e a capital do estado do Amazonas e revela as motivações relacionadas à subsistência desses trabalhadores no trânsito entre o ambiente rural e o urbano amazonense e sua subordinação ao processo de produção capitalista.

Palavras-chave: Músicos trabalhadores, Amazonas, Modo de produção capitalista.

Harmonia e esforço objetivado – Resenha de Luciana Requião (IEAR/UFF), sobre o livro “Das Beiradas ao Beiradão – a música dos trabalhadores migrantes no Amazonas”, de Bernardo Mesquita Read More »

Resumo: O livro aborda a história da escravidão no Brasil, desde suas origens até sua legalização e as resistências e revoltas que se seguiram. Ele discute a formação de quilombos, comunidades de escravos fugitivos, e sua luta contínua por reconhecimento e posse de terras. A última seção enfoca o reconhecimento legal dos territórios quilombolas, os desafios que enfrentam e a negação de seus direitos.

Palavras-chave: Remanescentes de Quilombos, Racismo Institucional, Disputas Territoriais.

Luta pela terra – Resenha de Izaque Oliveira Sampaio (SEC-BA/Uneb) sobre o livro “Remanescentes de quilombos: escravatura, disputas territoriais e racismo institucional”, de Paulo Rosa Torres Read More »

Resumo: O livro aborda diversas questões históricas e socioculturais regionais, tanto no Brasil como na Argentina. Entre os temas abordados, estão: a construção de ferrovias e seus impactos nas economias e sociedades locais; a dominação senhorial no sertão baiano; a sociabilidade e consumo cultural em Rosário, a autoridade criolla em cartas de viagem em Santa Fé; a vida nas comunidades ferroviárias de San Cristóbal e Laguna Paiva; e a relação entre a questão regional e as organizações armadas na Argentina nas décadas de 1960 e 1970.

Palavras-chave: História Regional, História Local, Histórias do Brasil e da Argentina.

História Regional sem fronteiras – Resenha de Verlaneyde Maniçoba de Sá Koch (PPGEAFIN/Uneb) sobre o livro “Brasil e Argentina na pesquisa regional/local contemporânea: escalas, periodizações e problemas”, organizado por Moiseis Sampaio e Sandra Fernándezba de Sá Koch Read More »

Resumo: O livro Independência do Brasil: a história que não terminou, organizado pelos professores Mazzeo e Pericás, apresenta 12 artigos que refletem sobre o processo de Independência do Brasil com base em autores clássicos. A obra busca novas ponderações e elementos que ampliam a abordagem crítica sobre o fenômeno histórico.

Palavras-chave: Independência do Brasil, Historiografia, Comemorações.

Comemorar o quê? – Resenha de Daniel Costa (UNIFESP) sobre “Independência do Brasil: a história que não terminou”, de Antonio Carlos Mazzeo e Luiz Bernardo Pericás Read More »

Resumo: O pacto da branquitude, publicado pela Companhia das Letras, em 2022, denuncia o “capitalismo racial”, o “racismo estrutural” a “meritocracia” e a “masculinidade branca”. O livro reúne dez estudos sobre como os brancos recusaram currículos de pessoas pretas e punham pessoas brancas nesses lugares de hierarquias. Esse tipo de atitude foi responsável por perpetuar, em silêncio, pactos que mantêm os brancos no poder. A autora, Cida Bento, é uma mulher negra, doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) e fundadora do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT).

Palavras-chave: Racismo Estrutural, Branquitude, Meritocracia.

Denunciando o preconceito racial – Resenha de Sidinara dos Santos Querino (UFS) sobre “O pacto da branquitude”, de Cida Bento Read More »

Resumo: Teoria da História Vol. IV, de José D’ Assunção Barros, como indicado no título, faz parte de uma coletânea que se propõe a discutir a Teoria da Ciência da História. Construído em sete capítulos (além da conclusão), o livro é publicado pela Editora Vozes e está em sua terceira edição. A meta de Barros é oferecer instrumento de análise teórica, partindo metaforicamente da estrutura e função dos acordes musicais para situar autores como Leopold von Ranke, Johann Gustav Droysen, Max Weber, Paul Ricoeur, Reinhart Koselleck e Kal Marx como grandes referências de orientação na história da formação historiadora.

Palavras-chave: Acorde musical, Teoria da História, Paradigmas historiográficos.

Historiografia musicada – Resenha de Johnny Gomes (DEED-AL/UFS) sobre “Teoria da História IV – Acordes Historiográficos: Uma nova proposta para a teoria da história”, de José D’ Assunção Barros Read More »

Resumo: O lançamento de Modernismos: 1922-2022, organizado por Gênese Andrade, ganhou destaque ao mesmo tempo em que jornais do Rio de Janeiro e São Paulo traziam a “Semana de Arte Moderna” em suas capas. Este livro faz parte de um projeto grandioso da editora Companhia das Letras, chamado “Modernismos: 1922-2022”, que parece ter sido criado para marcar o início das comemorações, em conjunto com a cobertura jornalística programada no eixo Rio-São Paulo. Com a “apresentação”, há trinta textos que exploram personagens canônicos e esquecidos, eventos antecedentes e consequentes, histórias e memórias sobre a criação e apropriação da Semana de Arte Moderna de 1922.

Palavras-chave: Semana de Arte Moderna, Modernismo, Antropofagia.

Livro enciclopédico sobre a Semana de Arte Moderna de 1922 – Resenha de Giuseppe Roncalli Ponce Leon de Oliveira (UFRPE) sobre “Modernismos: 1922-2022″, organizado por Gênese Andrade Read More »

Resumo: Neste artigo, apresento um breve balanço da produção historiográfica voltada para o estudo das relações entre Brasil e Estados Unidos nas décadas de 1930 e 1940, destacando o papel dos intercâmbios e das trocas culturais para promoção de uma aliança entre os dois países.

Palavras-chave: Intercâmbios Culturais; Política da Boa Vizinhança; Relações Brasil-EUA.

Política da Boa Vizinhança e relações Brasil-EUA: breve balanço historiográfico por Adriana Mendonça Cunha (COC/Fiocruz) Read More »

Resenhado por Verônica Nogueira (SMEL-SE/SMEP-BA/ProfHistória/UFS) | ID Orcid: https://orcid.org/0000-0002-0445-2317 | Jeanne Rezende (SEC-AR/SMEP-BA/ProfHistória/UFS) | ID Orcid: Orcid: 0000-0003-1659-1856. Notas preliminares de Teoria da História – Questões contemporâneas do ofício do Historiador, de Ivo dos Santos Canabarro e Wellington Rafael Balém, é um estudo sobre História da Historiografia e Teoria da História para iniciantes. O livro

Uma Introdução à Historiografia – Resenha de “Notas Preliminares de Teoria da História: questões contemporâneas do ofício do historiador”, de Ivo dos Santos Canabarro e Wellington Rafael Balém  Read More »