A voz do(a) dono(a) – Resenha de Luciana Requião (UFF) sobre o livro “Compositores(as) Críticos(as) da música popular brasileira: história, educação e cultura”, de Marcos Raddi

 

Marcos Raddi e Luciana Requião | Imagem Acervo do autor

Resumo: Em Compositores(as) Críticos(as) da música popular brasileira: história, educação e cultura, Marcos Raddi trata dos/as compositores/as críticos/as musicais. Valendo-se de diversas fontes documentais e bibliográficas, a argumentação do autor ganha força com a entrevista com Marcos Diniz, do Trio Calafrio, cujos integrantes são autores de muitos dos sambas “ouvidos por aí”. A. Gramsci, R. Williams e E. P. Thompson dão o tom das conversas.

Palavras-chave: compositores(as) críticos(as); música popular brasileira; classe trabalhadora.


Em “Compositores(as) Críticos(as) da música popular brasileira: história, educação e cultura”, o historiador, pesquisador e professor Marcos Raddi busca categorizar aqueles e aquelas que fazem das letras da canções uma forma de expressar sua concepção de mundo e retratar suas experiências de vida. São compositores e compositoras oriundos/as das classes populares que se destacam por sua obra contestar o status quo e, em muitos casos, denunciar a condição precária de vida de boa parte da população brasileira frente ao capital.

O livro busca os nexos entre Cultura, Trabalho e Educação, para analisar elementos que revelam concepções de mundo presentes na produção musical de compositores da música popular, segundo o autor, mediações que nos permitem perceber as contradições sociais, como a divisão da sociedade em classes, fundada na contradição entre trabalho e capital. Fruto de sua pesquisa de mestrado, defendida em 2021 no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense, e orientado pela Profa. Dra. Lia Tiriba, trata de uma categoria específica de compositores: os compositores críticos. Para isso recorre a Antonio Gramsci, Raymond Williams e E.P.Thompson, na busca pela compreensão da produção musical como resultado do trabalho e como expressão da cultura.

O materialismo histórico dialético é o que orienta a busca de Marcos Raddi pela identificação de compositores e compositoras cujas obras tratem de forma crítica as relações sociais capitalistas. “Se o operário soubesse reconhecer o valor que tem seu dia, por certo que valeria duas vezes mais o seu salário”. Citando o Samba do Operário de Alfredo Português, Cartola e Nélson Sargento, formula a categoria “compositores-críticos”, como aqueles (e aquelas) que, a partir de sua própria história, observam aquele que “não quer reconhecer. É ele escravo sem ser de qualquer usurário.” Assim, concluem os autores do samba, “abafa-se a voz do oprimido com a dor e o gemido não se pode desabafar trabalho feito por minha mão só encontrei exploração em todo o lugar”. Uma vez caracterizados os compositores-críticos, Raddi apreende as manifestações das condições de vida da classe trabalhadora da música a partir das composições do Trio Calafrio, formado pelos sambistas Barbeirinho do Jacarezinho, Luiz Grande e Marcos Diniz, todos autores de músicas que podem ser ouvidas nas vozes de nomes como Bezerra da Silva e Zeca Pagodinho, e que atuou da década de 1990 ao início dos anos  2000. Marcos Diniz, o único componente vivo do Trio Calafrio, foi importante interlocutor de Marcos Raddi, concedendo entrevistas que, junto com outros documentos, serviram de fonte para a investigação realizada.

O livro inicia com um prefácio e uma introdução, que prepara a leitura dos quatro capítulos e da conclusão que compõem a obra. São oferecidas ainda, além das referências bibliográficas, as referências discográficas e filmográficas citadas no texto, além de links para as entrevistas realizadas e os sites consultados. Ao fim um pequeno parágrafo apresentando o autor. No desenrolar do texto Raddi observa, em particular nos períodos ditatoriais – o Estado Novo (1937-1945) e a Ditadura Militar (1964-1985) –, o movimento da música popular e do compositor popular como força e potência propulsora de resistência. Analisa o ofício do/a compositor/a, a questão da autoria e o desenvolvimento da consciência de classe. Antes de se dedicar ao Trio Calafrio, discorre sobre composições de diversos períodos e gêneros da música brasileira em um tom crítico.

O capítulo dedicado ao Trio Calafrio nos mostra a história do grupo sem deixar de notar as condições de vida e de trabalho de seus membros, em contraponto com a situação da classe trabalhadora mais geral. A experiência de vida de cada um deles atesta o que muitos estudos vêm demonstrando: a precariedade da profissão musical.

Trio Calafrio ( Luiz Grande, Barbeirinho do Jacarezinho e Marquinhos Diniz) – Conflito/Caviar/Dona Esponja (2012) | Imagem: Canal Zeca Pagodinho

Não raro, músicos – homens e mulheres – necessitam de outra fonte de renda para viabilizar seu sustento, em um cotidiano onde impera a sazonalidade, a informalidade nas relações de trabalho e as baixas remunerações. Em paralelo, a indústria da música, como é notório na grande imprensa, fatura milhões. Sintoma dessa disritmia foi a situação calamitosa enfrentada por músicos no período da pandemia, enquanto a indústria fonográfica brasileira comemorava aumento da receita no país em 24,5% no ano de 2020. A pesquisa, realizada em plena pandemia, revela ainda aspectos da fragilidade da situação enfrentada por músicos que se encontraram nesse período sem trabalho e sem qualquer tipo de amparo. Aliás, como nota o autor, o período da pandemia mostrou em especial a situação vivenciada por compositores que tiveram e ainda têm suas músicas tocadas na grande mídia e em shows ao vivo, mas que vivem com dificuldades financeiras, como foi o caso emblemático do compositor Aldir Blanc.

O campo teórico que costura toda a obra de Raddi e dá o tom crítico é o campo “Trabalho e Educação”, fundamentado na crítica da Economia política de Karl Marx. Tendo o Trabalho como categoria base para a compreensão da produção social da existência humana, o conceito é tomado como um princípio educativo. Nessa perspectiva teórica, a ação humana, ao transformar a natureza e o próprio ser humano, ao produzir saberes – crenças, arte e ciência –, produz aquilo que pode ser denominado como Cultura, tornando o eixo Cultura, Trabalho e Educação inseparável.

Com o intuito de demonstrar esse vínculo intrínseco, muitas das letras das composições dos músicos do Trio Calafrio são apresentadas e analisadas, concluindo Raddi que “o trabalho desses compositores expressa uma determinada cultura de classe, que se opõe à cultura dominante, e possui uma dimensão educativa, evidenciando-se assim o elo cultura, trabalho e educação” (p.207). Assim, a pesquisa de Raddi evidencia as formas históricas em que a arte, tornada mercadoria, tornou ainda o trabalho artístico em trabalho profissional, aquele necessário a garantir as condições mínimas de sobrevivência, sendo o trabalhador da arte, assim como qualquer outro, destituído de seus meios de produção e submetido à lógica da produção capitalista.

O autor é preciso ao conceituar os/as compositores/as críticos/as como um grupo que no fazer-se compositor/a desenvolve uma consciência de classe, de classe trabalhadora e cumpre o objetivo de estabelecer, no contexto estudado, os nexos entre cultura, trabalho e educação. Ficou devendo, em alguma medida, um maior aprofundamento sobre as mulheres compositoras e suas composições críticas, o que foi plenamente justificado em função do silenciamento e do apagamento de diversas mulheres do ofício de letrista, e do limitado conhecimento sobre a obra dessas e de outras compositoras.

Efetuadas as justificativas autorais, o livro pode ser lido por especialistas e/ou por apaixonados pela história da música brasileira, pois cumpre bem os objetivos apresentados em sua introdução.

Sumário de Compositores(as) Críticos(as) da música popular brasileira: história, educação e cultura

  • Prefácio
  • Introdução
  • 1. “Mora na Filosofia”: fundamentos sobre cultura, trabalho e educação.
  • 2. “Meu samba é casa de marimbondo”: história, sociedade, educação e música popular.
  • 3. O ofício de compositor(a) e os “Compositores Críticos”
  • 4. “Ser poeta é difícil demais”: condições de vida e trabalho do Trio Calafrio e a situação da classe trabalhadora.
  • Conclusões
  • Referências bibliográficas
  • Referências discográficas
  • Referências filmográficas
  • Entrevistas
  • Sites Consultados
  • Sobre o autor

Resenhista

Luciana Requião – Doutora em Educação pela UFF e Mestre em Música pela UNIRIO, professora do Instituto de Educação de Angra dos Reis (IEAR/UFF) e do Programa de Pós-Graduação em Música da UNIRIO. Publicou, dentre outros, “Eis aí a Lapa…: processos e relações de trabalho do músico nas casas de shows da Lapa” (São Paulo: Annablume, 2010) e “Festa acabada, músicos a pé!”: um estudo crítico sobre as relações de trabalho de músicos atuantes no estado do Rio de Janeiro” (2016). ID: LATTES: http://lattes.cnpq.br/2687869588131721  ID ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0351-0578; Instagram: lucianareq; E-mail: [email protected].


Para citar esta resenha

RADDI, Marcos. Compositores(as) Críticos(as) da música popular brasileira: história, educação e cultura. Marília: Lutas Anticapital, 2024. 283p. Resenha de: REQUIÃO, Luciana. A voz do(a) dono(a). Crítica Historiográfica. Natal, v.4, n.17, maio/jun., 2024. Disponível em <https://www.criticahistoriografica.com.br/a-voz-doa-donoa-resenha-de-luciana-requiao-sobre-o-livro-compositoresas-criticosas-da-musica-popular-brasileira-historia-educacao-e-cultura-de-marcos-raddi/>.

 


© – Os autores que publicam em Crítica Historiográfica concordam com a distribuição, remixagem, adaptação e criação a partir dos seus textos, mesmo para fins comerciais, desde que lhe sejam garantidos os devidos créditos pelas criações originais. (CC BY-SA).

 

Crítica Historiográfica. Natal, v.4, n.17, maio/jun., 2024 | ISSN 2764-2666.

Pesquisa/Search

Alertas/Alerts

A voz do(a) dono(a) – Resenha de Luciana Requião (UFF) sobre o livro “Compositores(as) Críticos(as) da música popular brasileira: história, educação e cultura”, de Marcos Raddi

 

Marcos Raddi e Luciana Requião | Imagem Acervo do autor

Resumo: Em Compositores(as) Críticos(as) da música popular brasileira: história, educação e cultura, Marcos Raddi trata dos/as compositores/as críticos/as musicais. Valendo-se de diversas fontes documentais e bibliográficas, a argumentação do autor ganha força com a entrevista com Marcos Diniz, do Trio Calafrio, cujos integrantes são autores de muitos dos sambas “ouvidos por aí”. A. Gramsci, R. Williams e E. P. Thompson dão o tom das conversas.

Palavras-chave: compositores(as) críticos(as); música popular brasileira; classe trabalhadora.


Em “Compositores(as) Críticos(as) da música popular brasileira: história, educação e cultura”, o historiador, pesquisador e professor Marcos Raddi busca categorizar aqueles e aquelas que fazem das letras da canções uma forma de expressar sua concepção de mundo e retratar suas experiências de vida. São compositores e compositoras oriundos/as das classes populares que se destacam por sua obra contestar o status quo e, em muitos casos, denunciar a condição precária de vida de boa parte da população brasileira frente ao capital.

O livro busca os nexos entre Cultura, Trabalho e Educação, para analisar elementos que revelam concepções de mundo presentes na produção musical de compositores da música popular, segundo o autor, mediações que nos permitem perceber as contradições sociais, como a divisão da sociedade em classes, fundada na contradição entre trabalho e capital. Fruto de sua pesquisa de mestrado, defendida em 2021 no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense, e orientado pela Profa. Dra. Lia Tiriba, trata de uma categoria específica de compositores: os compositores críticos. Para isso recorre a Antonio Gramsci, Raymond Williams e E.P.Thompson, na busca pela compreensão da produção musical como resultado do trabalho e como expressão da cultura.

O materialismo histórico dialético é o que orienta a busca de Marcos Raddi pela identificação de compositores e compositoras cujas obras tratem de forma crítica as relações sociais capitalistas. “Se o operário soubesse reconhecer o valor que tem seu dia, por certo que valeria duas vezes mais o seu salário”. Citando o Samba do Operário de Alfredo Português, Cartola e Nélson Sargento, formula a categoria “compositores-críticos”, como aqueles (e aquelas) que, a partir de sua própria história, observam aquele que “não quer reconhecer. É ele escravo sem ser de qualquer usurário.” Assim, concluem os autores do samba, “abafa-se a voz do oprimido com a dor e o gemido não se pode desabafar trabalho feito por minha mão só encontrei exploração em todo o lugar”. Uma vez caracterizados os compositores-críticos, Raddi apreende as manifestações das condições de vida da classe trabalhadora da música a partir das composições do Trio Calafrio, formado pelos sambistas Barbeirinho do Jacarezinho, Luiz Grande e Marcos Diniz, todos autores de músicas que podem ser ouvidas nas vozes de nomes como Bezerra da Silva e Zeca Pagodinho, e que atuou da década de 1990 ao início dos anos  2000. Marcos Diniz, o único componente vivo do Trio Calafrio, foi importante interlocutor de Marcos Raddi, concedendo entrevistas que, junto com outros documentos, serviram de fonte para a investigação realizada.

O livro inicia com um prefácio e uma introdução, que prepara a leitura dos quatro capítulos e da conclusão que compõem a obra. São oferecidas ainda, além das referências bibliográficas, as referências discográficas e filmográficas citadas no texto, além de links para as entrevistas realizadas e os sites consultados. Ao fim um pequeno parágrafo apresentando o autor. No desenrolar do texto Raddi observa, em particular nos períodos ditatoriais – o Estado Novo (1937-1945) e a Ditadura Militar (1964-1985) –, o movimento da música popular e do compositor popular como força e potência propulsora de resistência. Analisa o ofício do/a compositor/a, a questão da autoria e o desenvolvimento da consciência de classe. Antes de se dedicar ao Trio Calafrio, discorre sobre composições de diversos períodos e gêneros da música brasileira em um tom crítico.

O capítulo dedicado ao Trio Calafrio nos mostra a história do grupo sem deixar de notar as condições de vida e de trabalho de seus membros, em contraponto com a situação da classe trabalhadora mais geral. A experiência de vida de cada um deles atesta o que muitos estudos vêm demonstrando: a precariedade da profissão musical.

Trio Calafrio ( Luiz Grande, Barbeirinho do Jacarezinho e Marquinhos Diniz) – Conflito/Caviar/Dona Esponja (2012) | Imagem: Canal Zeca Pagodinho

Não raro, músicos – homens e mulheres – necessitam de outra fonte de renda para viabilizar seu sustento, em um cotidiano onde impera a sazonalidade, a informalidade nas relações de trabalho e as baixas remunerações. Em paralelo, a indústria da música, como é notório na grande imprensa, fatura milhões. Sintoma dessa disritmia foi a situação calamitosa enfrentada por músicos no período da pandemia, enquanto a indústria fonográfica brasileira comemorava aumento da receita no país em 24,5% no ano de 2020. A pesquisa, realizada em plena pandemia, revela ainda aspectos da fragilidade da situação enfrentada por músicos que se encontraram nesse período sem trabalho e sem qualquer tipo de amparo. Aliás, como nota o autor, o período da pandemia mostrou em especial a situação vivenciada por compositores que tiveram e ainda têm suas músicas tocadas na grande mídia e em shows ao vivo, mas que vivem com dificuldades financeiras, como foi o caso emblemático do compositor Aldir Blanc.

O campo teórico que costura toda a obra de Raddi e dá o tom crítico é o campo “Trabalho e Educação”, fundamentado na crítica da Economia política de Karl Marx. Tendo o Trabalho como categoria base para a compreensão da produção social da existência humana, o conceito é tomado como um princípio educativo. Nessa perspectiva teórica, a ação humana, ao transformar a natureza e o próprio ser humano, ao produzir saberes – crenças, arte e ciência –, produz aquilo que pode ser denominado como Cultura, tornando o eixo Cultura, Trabalho e Educação inseparável.

Com o intuito de demonstrar esse vínculo intrínseco, muitas das letras das composições dos músicos do Trio Calafrio são apresentadas e analisadas, concluindo Raddi que “o trabalho desses compositores expressa uma determinada cultura de classe, que se opõe à cultura dominante, e possui uma dimensão educativa, evidenciando-se assim o elo cultura, trabalho e educação” (p.207). Assim, a pesquisa de Raddi evidencia as formas históricas em que a arte, tornada mercadoria, tornou ainda o trabalho artístico em trabalho profissional, aquele necessário a garantir as condições mínimas de sobrevivência, sendo o trabalhador da arte, assim como qualquer outro, destituído de seus meios de produção e submetido à lógica da produção capitalista.

O autor é preciso ao conceituar os/as compositores/as críticos/as como um grupo que no fazer-se compositor/a desenvolve uma consciência de classe, de classe trabalhadora e cumpre o objetivo de estabelecer, no contexto estudado, os nexos entre cultura, trabalho e educação. Ficou devendo, em alguma medida, um maior aprofundamento sobre as mulheres compositoras e suas composições críticas, o que foi plenamente justificado em função do silenciamento e do apagamento de diversas mulheres do ofício de letrista, e do limitado conhecimento sobre a obra dessas e de outras compositoras.

Efetuadas as justificativas autorais, o livro pode ser lido por especialistas e/ou por apaixonados pela história da música brasileira, pois cumpre bem os objetivos apresentados em sua introdução.

Sumário de Compositores(as) Críticos(as) da música popular brasileira: história, educação e cultura

  • Prefácio
  • Introdução
  • 1. “Mora na Filosofia”: fundamentos sobre cultura, trabalho e educação.
  • 2. “Meu samba é casa de marimbondo”: história, sociedade, educação e música popular.
  • 3. O ofício de compositor(a) e os “Compositores Críticos”
  • 4. “Ser poeta é difícil demais”: condições de vida e trabalho do Trio Calafrio e a situação da classe trabalhadora.
  • Conclusões
  • Referências bibliográficas
  • Referências discográficas
  • Referências filmográficas
  • Entrevistas
  • Sites Consultados
  • Sobre o autor

Resenhista

Luciana Requião – Doutora em Educação pela UFF e Mestre em Música pela UNIRIO, professora do Instituto de Educação de Angra dos Reis (IEAR/UFF) e do Programa de Pós-Graduação em Música da UNIRIO. Publicou, dentre outros, “Eis aí a Lapa…: processos e relações de trabalho do músico nas casas de shows da Lapa” (São Paulo: Annablume, 2010) e “Festa acabada, músicos a pé!”: um estudo crítico sobre as relações de trabalho de músicos atuantes no estado do Rio de Janeiro” (2016). ID: LATTES: http://lattes.cnpq.br/2687869588131721  ID ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0351-0578; Instagram: lucianareq; E-mail: [email protected].


Para citar esta resenha

RADDI, Marcos. Compositores(as) Críticos(as) da música popular brasileira: história, educação e cultura. Marília: Lutas Anticapital, 2024. 283p. Resenha de: REQUIÃO, Luciana. A voz do(a) dono(a). Crítica Historiográfica. Natal, v.4, n.17, maio/jun., 2024. Disponível em <https://www.criticahistoriografica.com.br/a-voz-doa-donoa-resenha-de-luciana-requiao-sobre-o-livro-compositoresas-criticosas-da-musica-popular-brasileira-historia-educacao-e-cultura-de-marcos-raddi/>.

 


© – Os autores que publicam em Crítica Historiográfica concordam com a distribuição, remixagem, adaptação e criação a partir dos seus textos, mesmo para fins comerciais, desde que lhe sejam garantidos os devidos créditos pelas criações originais. (CC BY-SA).

 

Crítica Historiográfica. Natal, v.4, n.17, maio/jun., 2024 | ISSN 2764-2666.

Resenhistas

Privacidade

Ao se inscrever nesta lista de e-mails, você estará sujeito à nossa política de privacidade.

Acesso livre

Crítica Historiográfica não cobra taxas para submissão, publicação ou uso dos artigos. Os leitores podem baixar, copiar, distribuir, imprimir os textos para fins não comerciais, desde que citem a fonte.

Foco e escopo

Publicamos resenhas de livros e de dossiês de artigos de revistas acadêmicas que tratem da reflexão, investigação, comunicação e/ou consumo da escrita da História. Saiba mais sobre o único periódico de História inteiramente dedicado à Crítica em formato resenha.

Corpo editorial

Somos professore(a)s do ensino superior brasileiro, especializado(a)s em mais de duas dezenas de áreas relacionadas à reflexão, produção e usos da História. Faça parte dessa equipe.

Submissões

As resenhas devem expressar avaliações de livros ou de dossiês de revistas acadêmicas autodesignadas como "de História". Conheça as normas e envie-nos o seu texto.

Pesquisa


Enviar mensagem de WhatsApp