Amor revolucionário e feminismo decolonial — Resenha de Viviane Andrade Passos (UFS) sobre o livro “Uma teoria feminista da violência”, de Françoise Vergès

Françoise Vergès (2020) | Imagem: Anthony Francin/Divulgação

Resumo: “Uma teoria feminista da violência”, escrito por Françoise Vergès, explora o feminismo decolonial e critica o feminismo branco-burguês. A obra enfatiza as desigualdades enfrentadas por mulheres racializadas e a importância de políticas públicas inclusivas. Destaca-se pela crítica à violência estatal e a convocação para o combate às violências sistêmicas.

Palavras-chave: Teoria Feminista, Violência, Feminismo Decolonial.


Uma teoria feminista da violência — Por uma política antirracista da proteção é uma obra escrita por Françoise Vèrges, publicada no Brasil em 2021 pela Ubu Editora, não possui prefácio, mas apresenta na quarta capa uma síntese sobre o objetivo da autora, que utiliza a escrita para abordar as violências do ponto de vista do feminismo decolonial. No texto, há uma crítica potente às violências sistêmicas analisando-as em seus diferentes contextos sociais, econômicos e culturais, e a defesa de políticas públicas institucionais que de fato incluam os vulneráveis e os(as) excluídos(as) do poder.

Vergès, é cientista política, historiadora, ativista e especialista em estudos pós-coloniais e feminismo decolonial e antirracista que considere o caráter pluriforme do gênero. A obra em análise, escrita em um contexto de ascensão da direita e fortalecimento do neoliberalismo, apresenta um tom político e provocativo em forma de um manifesto de denúncia ao feminismo branco-burguês, denominado pela autora, de feminismo civilizatório, que opera segundo a lógica do poder patriarcal e neoliberal, e exclui pessoas racializadas e mulheres do Sul global. Ressalta criticamente as violências de Estado praticadas contra as mulheres negras e racializadas, como resultantes do patriarcado e do racismo. A produção divide-se em introdução, três capítulos subdivididos em tópicos e a conclusão.

Na introdução, a autora faz uma provocação ao apresentar trecho do texto “Um estuprador no seu caminho”, de Diane Sprimont, intitulado “O Estado opressor é um macho estuprador”, cuja finalidade é embasar o argumento de que o Estado é a condensação de todas as opressões e explorações imperialistas, patriarcais e capitalistas. Na mesma seção, Vergès convoca à luta contra a violência estatal e um chamado à reflexão sobre a violência enquanto estruturante do patriarcado e do capitalismo e a repressão policial e judicialização dos problemas sociais. Ao fazer a leitura da introdução, já ansiamos pelo que vem a seguir, dado o contexto de problematizações sobre o patriarcado, a racialização dos corpos negros e das mulheres, que convida o(a) leitor(a) sobre uma política de proteção decolonial e antirracista.

O primeiro capítulo é dividido em cinco tópicos, que abordam a relação entre Estado, patriarcado, capitalismo e movimentos feministas, a importância de desnaturalização da violência e a análise da estrutura neoliberal que produz e perpetua desigualdades amparadas na exploração de mão-de-obra, na degradação do meio ambiente e em conflitos armados que institucionalizam o racismo estrutural e a violência, especialmente contra as mulheres. A autora relaciona o avanço do neoliberalismo à exclusão dos vulneráveis das políticas de proteção, relegando-os à exploração, à violência policial, à judicialização de problemas sociais e à dominação capitalista. O capítulo é sucinto, há várias inscrições em notas de rodapé que remetem a publicações estrangeiras, o que dificulta o aprofundamento sobre a teoria, que apesar de formulada pela autora, fundamenta-se na análise das estruturas sociais de países do Sul global colonizados por europeus, da política francesa de dominação imperialista e seus reflexos na sociedade contemporânea.

No segundo capítulo, subdividido em três tópicos, a autora questiona as concepções dominantes sobre violência de gênero e o papel das políticas públicas e discursos políticos do Estado no combate às violências contra as mulheres racializadas. Para Vèrges, trata-se ainda de uma abordagem com resquícios coloniais e racistas que contribuem para a proliferação em ordem geopolítica global das violências contra as mulheres. A autora faz um aporte à liberdade empreendedora das mulheres racializadas em contraste com o capitalismo neoliberal, critica a negação da história do imperialismo e da escravidão colonial no debate sobre a questão racial e o processo de branqueamento. Adiante, uma abordagem histórica referente às formas de escravização nas colônias francesas, em que mulheres eram objetos de exploração sexual. A narrativa do capítulo é mais específica ao retratar as violências sistêmicas, de gênero e sexuais contra as mulheres, ao temo em que clama pelo respeito às mulheres, e pela compreensão das desigualdades sociais e estruturais durante o processo de elaboração de políticas públicas de proteção, que atualmente, reprime os vulneráveis, gera insegurança e institucionaliza outras formas de violências.

O terceiro capítulo, em seus sete tópicos, aborda o uso da punição aos agressores como solução para a violência contra as mulheres. Para Françoise, o feminismo punitivista, tem sido dominante nas políticas públicas de combate à violência de gênero, na medida em que, aumenta a repressão e a criminalização das condutas. Françoise critica o feminismo branco e burguês por não oferecer a força e a energia necessárias para combater a dominação e a opressão contra as mulheres e convoca os(as) leitores(as) a refletir sobre o feminismo decolonial, teoria explanada no livro Por um feminismo decolonial, de mesma autoria. Ao destacar a relação entre as discriminações e exploração no mundo do trabalho com as violências sistêmicas, de gênero e sexuais praticadas contra mulheres e pessoas não-binárias, a autora desenvolve uma crítica sobre o sistema penal e como este intervém na proteção das vítimas de violências. Vergès reconhece as prisões enquanto depósitos de corpos pobres e miseráveis, em uma sociedade onde os sentimentos de insegurança e de impotência tendem a crescer. O trabalho sexual se tornou o lugar das novas formas de escravidão e opressão das mulheres, cuja salvação só poderia vir de um estado ocidental e sua polícia. Enquanto a prostituição simbolizar a subordinação das mulheres ao status de produto sexual, elas serão discriminadas e violentadas. Adiante, a autora destaca a hostilidade dos espaços públicos aos pobres e racializados(as) e defende que as prisões não constituem um elemento central para a solução dos problemas sociais, pois o Estado utiliza a prisão para punir populações não-brancas e pobres. Identifiquei esse capítulo como o mais informativo e provocador, pois nos leva a refletir sobre questões caras à sociedade, pois a autora aborda aspectos históricos, geopolíticos, antropológicos e sociais, ao apresentar a racialização, a vulnerabilidade dos corpos e a exclusão social dos indivíduos, expondo sua experiência de cientista política, historiadora e ativista.

Por fim, a conclusão em seis tópicos narra as violências sistêmicas e estruturais do capitalismo racial e do patriarcado, aborda a trajetória dos movimentos feministas que denunciavam uma violência na qual se entrecruzavam saúde, colonialismo, racismo, sexismo, violências sexuais e agressões, crimes ambientais, relações entre mulheres e homens, solidariedade intergeracional e resistência. Também destaca que, analisar a violência é se dar conta de que a dominação masculina exerce poder sobre as mulheres e sobre os homens, expondo-os(as) ao neoliberalismo, à vulnerabilidade, à precarização do trabalho, à pobreza e às violências contra as mulheres, majoritariamente às racializadas. Ressaltando a característica crítica e provocadora de sua escrita, Vèrges finaliza a obra destacando a necessidade de luta contra o Estado patriarcal, sexista e racista, que reprime os direitos por meio da brutalidade e da força, e condena as feministas civilizatórias, pois desempenham o papel eficaz de administradoras neocoloniais.

O texto é concluído com precisão e síntese das principais ideias lançadas no decorrer da obra, ao tempo em que apresenta soluções para o enfrentamento das violências dos Estados enquanto subservientes ao neoliberalismo, e reprodutores de dominações imperialistas, desigualdades sociais, de gênero e raciais.

Quando o imperialismo mira as mulheres. Ana Maria, de El Salvador, tenta chegar aos EUA com o filho de um ano | Imagem: Andrees Latif/Reuters/El Pais

A obra enfatiza características do feminismo Decolonial e expõe críticas ao feminismo civilizatório e ao punitivismo estatal, convoca para o combate e enfrentamento das violências sistêmicas, do feminicídio e das violências de gênero contra as mulheres e a comunidade LGBTQ+. Na disposição dos seus argumentos, a autora traça um paralelo entre a ofensiva neoliberal e a ascensão política da direita, e o aumento da pobreza, da discriminação e da segregação por raça, classe e gênero. A leitura da obra é indicada para leitores ávidos por questionamentos sobre as violências contra as mulheres e grupos marginalizados socialmente, e sobre como o sistema de criminalizar para punir atinge em sua maioria, indivíduos negros(as) e pobres, ao individualizar as condutas e desconsiderar as estruturas sociais de exploração e de dominação.

Utilizando-se de um discurso político e ativista, Vèrges afirma que a violência sistêmica institucionaliza a prisão como mecanismo de controle social, ao tempo em que, destrói as condições necessárias à preservação da vida humana. É revigorante a leitura do texto, pelas críticas à burguesia, ao Estado patriarcal e ao feminismo carcerário, é uma obra concisa e densa em teorias e provocações. Com a finalidade de incentivar manifestações e movimentos de luta pelo combate às violências, convoca as feministas a refletirem sobre um feminismo decolonial, apresentando possibilidades e argumentos convincentes. Todavia, as indicações de referências bibliográficas em notas de rodapé, destinadas ao aprofundamento das discussões projetadas no texto, são complexas e pouco acessíveis à maioria dos(as) leitores(as), ainda assim, o texto é compreensível e relevante, pois, nos leva a refletir a partir das críticas tecidas ao Estado punitivista, neoliberal e patriarcalista que oprime os sujeitos em suas vulnerabilidades. Fiquemos com a pertinente indagação: Que sociedade almejamos e como podemos enfrentar e combater as violências sistêmicas?

Referências

VERGÈS, Françoise. Um feminismo decolonial. São Paulo: Ubu Editora, 2020.

Sumário de Uma teoria feminista da violência

  • Introdução
  • 1. A violência neoliberal
  • 2. Abordagem civilizatória da proteção das mulheres
  • 3. O impasse do feminismo punitivista
  • 4. Conclusão – o feminismo decolonial como utopia
  • Sobre a autora

Para ampliar a sua revisão da literatura

Resenhista

Viviane Andrade Passos é professora da Escola Municipal Tiradentes (SEMED/NSG) e  do Colégio Estadual Cícero Bezerra (SEDUC-SE), ambos no município de Nossa Senhora da Glória-SE. Aluna do Mestrado em Ensino de História da Universidade Federal de Sergipe. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/7026713252936689; ID: https://orcid.org/0000-0003-4077-3916; Facebook: /viviane.andrade.56863; Instagram: vivi.andrade_23 E-mail: [email protected].


Para citar esta resenha

VERGÉ, Françoise. Uma teoria feminista da violência: por uma política antirracista da proteção. São Paulo: Ubu Editora, 2021. 160p. Tradução de Raquel Camargo. Resenha de: PASSOS, Viviane Andrade. Amor revolucionário e feminismo decolonial. Crítica Historiográfica. Natal, v.3, n.14, out./nov., 2023. Disponível em <https://www.criticahistoriografica.com.br/exumando-a-rebeliao-dos-autos-resenha-de-danilo-dos-santos-rabelo-unb-sobre-o-livro-vidas-rebeldes-belos-experimentos-historias-intimas-de-meninas-negras-desordeiras-mulheres-e/>.


© – Os autores que publicam em Crítica Historiográfica concordam com a distribuição, remixagem, adaptação e criação a partir dos seus textos, mesmo para fins comerciais, desde que lhe sejam garantidos os devidos créditos pelas criações originais. (CC BY-SA).

 

Crítica Historiográfica. Natal, v.3, n. 14, nov./dez., 2023 | ISSN 2764-2666

Pesquisa/Search

Alertas/Alerts

Amor revolucionário e feminismo decolonial — Resenha de Viviane Andrade Passos (UFS) sobre o livro “Uma teoria feminista da violência”, de Françoise Vergès

Françoise Vergès (2020) | Imagem: Anthony Francin/Divulgação

Resumo: “Uma teoria feminista da violência”, escrito por Françoise Vergès, explora o feminismo decolonial e critica o feminismo branco-burguês. A obra enfatiza as desigualdades enfrentadas por mulheres racializadas e a importância de políticas públicas inclusivas. Destaca-se pela crítica à violência estatal e a convocação para o combate às violências sistêmicas.

Palavras-chave: Teoria Feminista, Violência, Feminismo Decolonial.


Uma teoria feminista da violência — Por uma política antirracista da proteção é uma obra escrita por Françoise Vèrges, publicada no Brasil em 2021 pela Ubu Editora, não possui prefácio, mas apresenta na quarta capa uma síntese sobre o objetivo da autora, que utiliza a escrita para abordar as violências do ponto de vista do feminismo decolonial. No texto, há uma crítica potente às violências sistêmicas analisando-as em seus diferentes contextos sociais, econômicos e culturais, e a defesa de políticas públicas institucionais que de fato incluam os vulneráveis e os(as) excluídos(as) do poder.

Vergès, é cientista política, historiadora, ativista e especialista em estudos pós-coloniais e feminismo decolonial e antirracista que considere o caráter pluriforme do gênero. A obra em análise, escrita em um contexto de ascensão da direita e fortalecimento do neoliberalismo, apresenta um tom político e provocativo em forma de um manifesto de denúncia ao feminismo branco-burguês, denominado pela autora, de feminismo civilizatório, que opera segundo a lógica do poder patriarcal e neoliberal, e exclui pessoas racializadas e mulheres do Sul global. Ressalta criticamente as violências de Estado praticadas contra as mulheres negras e racializadas, como resultantes do patriarcado e do racismo. A produção divide-se em introdução, três capítulos subdivididos em tópicos e a conclusão.

Na introdução, a autora faz uma provocação ao apresentar trecho do texto “Um estuprador no seu caminho”, de Diane Sprimont, intitulado “O Estado opressor é um macho estuprador”, cuja finalidade é embasar o argumento de que o Estado é a condensação de todas as opressões e explorações imperialistas, patriarcais e capitalistas. Na mesma seção, Vergès convoca à luta contra a violência estatal e um chamado à reflexão sobre a violência enquanto estruturante do patriarcado e do capitalismo e a repressão policial e judicialização dos problemas sociais. Ao fazer a leitura da introdução, já ansiamos pelo que vem a seguir, dado o contexto de problematizações sobre o patriarcado, a racialização dos corpos negros e das mulheres, que convida o(a) leitor(a) sobre uma política de proteção decolonial e antirracista.

O primeiro capítulo é dividido em cinco tópicos, que abordam a relação entre Estado, patriarcado, capitalismo e movimentos feministas, a importância de desnaturalização da violência e a análise da estrutura neoliberal que produz e perpetua desigualdades amparadas na exploração de mão-de-obra, na degradação do meio ambiente e em conflitos armados que institucionalizam o racismo estrutural e a violência, especialmente contra as mulheres. A autora relaciona o avanço do neoliberalismo à exclusão dos vulneráveis das políticas de proteção, relegando-os à exploração, à violência policial, à judicialização de problemas sociais e à dominação capitalista. O capítulo é sucinto, há várias inscrições em notas de rodapé que remetem a publicações estrangeiras, o que dificulta o aprofundamento sobre a teoria, que apesar de formulada pela autora, fundamenta-se na análise das estruturas sociais de países do Sul global colonizados por europeus, da política francesa de dominação imperialista e seus reflexos na sociedade contemporânea.

No segundo capítulo, subdividido em três tópicos, a autora questiona as concepções dominantes sobre violência de gênero e o papel das políticas públicas e discursos políticos do Estado no combate às violências contra as mulheres racializadas. Para Vèrges, trata-se ainda de uma abordagem com resquícios coloniais e racistas que contribuem para a proliferação em ordem geopolítica global das violências contra as mulheres. A autora faz um aporte à liberdade empreendedora das mulheres racializadas em contraste com o capitalismo neoliberal, critica a negação da história do imperialismo e da escravidão colonial no debate sobre a questão racial e o processo de branqueamento. Adiante, uma abordagem histórica referente às formas de escravização nas colônias francesas, em que mulheres eram objetos de exploração sexual. A narrativa do capítulo é mais específica ao retratar as violências sistêmicas, de gênero e sexuais contra as mulheres, ao temo em que clama pelo respeito às mulheres, e pela compreensão das desigualdades sociais e estruturais durante o processo de elaboração de políticas públicas de proteção, que atualmente, reprime os vulneráveis, gera insegurança e institucionaliza outras formas de violências.

O terceiro capítulo, em seus sete tópicos, aborda o uso da punição aos agressores como solução para a violência contra as mulheres. Para Françoise, o feminismo punitivista, tem sido dominante nas políticas públicas de combate à violência de gênero, na medida em que, aumenta a repressão e a criminalização das condutas. Françoise critica o feminismo branco e burguês por não oferecer a força e a energia necessárias para combater a dominação e a opressão contra as mulheres e convoca os(as) leitores(as) a refletir sobre o feminismo decolonial, teoria explanada no livro Por um feminismo decolonial, de mesma autoria. Ao destacar a relação entre as discriminações e exploração no mundo do trabalho com as violências sistêmicas, de gênero e sexuais praticadas contra mulheres e pessoas não-binárias, a autora desenvolve uma crítica sobre o sistema penal e como este intervém na proteção das vítimas de violências. Vergès reconhece as prisões enquanto depósitos de corpos pobres e miseráveis, em uma sociedade onde os sentimentos de insegurança e de impotência tendem a crescer. O trabalho sexual se tornou o lugar das novas formas de escravidão e opressão das mulheres, cuja salvação só poderia vir de um estado ocidental e sua polícia. Enquanto a prostituição simbolizar a subordinação das mulheres ao status de produto sexual, elas serão discriminadas e violentadas. Adiante, a autora destaca a hostilidade dos espaços públicos aos pobres e racializados(as) e defende que as prisões não constituem um elemento central para a solução dos problemas sociais, pois o Estado utiliza a prisão para punir populações não-brancas e pobres. Identifiquei esse capítulo como o mais informativo e provocador, pois nos leva a refletir sobre questões caras à sociedade, pois a autora aborda aspectos históricos, geopolíticos, antropológicos e sociais, ao apresentar a racialização, a vulnerabilidade dos corpos e a exclusão social dos indivíduos, expondo sua experiência de cientista política, historiadora e ativista.

Por fim, a conclusão em seis tópicos narra as violências sistêmicas e estruturais do capitalismo racial e do patriarcado, aborda a trajetória dos movimentos feministas que denunciavam uma violência na qual se entrecruzavam saúde, colonialismo, racismo, sexismo, violências sexuais e agressões, crimes ambientais, relações entre mulheres e homens, solidariedade intergeracional e resistência. Também destaca que, analisar a violência é se dar conta de que a dominação masculina exerce poder sobre as mulheres e sobre os homens, expondo-os(as) ao neoliberalismo, à vulnerabilidade, à precarização do trabalho, à pobreza e às violências contra as mulheres, majoritariamente às racializadas. Ressaltando a característica crítica e provocadora de sua escrita, Vèrges finaliza a obra destacando a necessidade de luta contra o Estado patriarcal, sexista e racista, que reprime os direitos por meio da brutalidade e da força, e condena as feministas civilizatórias, pois desempenham o papel eficaz de administradoras neocoloniais.

O texto é concluído com precisão e síntese das principais ideias lançadas no decorrer da obra, ao tempo em que apresenta soluções para o enfrentamento das violências dos Estados enquanto subservientes ao neoliberalismo, e reprodutores de dominações imperialistas, desigualdades sociais, de gênero e raciais.

Quando o imperialismo mira as mulheres. Ana Maria, de El Salvador, tenta chegar aos EUA com o filho de um ano | Imagem: Andrees Latif/Reuters/El Pais

A obra enfatiza características do feminismo Decolonial e expõe críticas ao feminismo civilizatório e ao punitivismo estatal, convoca para o combate e enfrentamento das violências sistêmicas, do feminicídio e das violências de gênero contra as mulheres e a comunidade LGBTQ+. Na disposição dos seus argumentos, a autora traça um paralelo entre a ofensiva neoliberal e a ascensão política da direita, e o aumento da pobreza, da discriminação e da segregação por raça, classe e gênero. A leitura da obra é indicada para leitores ávidos por questionamentos sobre as violências contra as mulheres e grupos marginalizados socialmente, e sobre como o sistema de criminalizar para punir atinge em sua maioria, indivíduos negros(as) e pobres, ao individualizar as condutas e desconsiderar as estruturas sociais de exploração e de dominação.

Utilizando-se de um discurso político e ativista, Vèrges afirma que a violência sistêmica institucionaliza a prisão como mecanismo de controle social, ao tempo em que, destrói as condições necessárias à preservação da vida humana. É revigorante a leitura do texto, pelas críticas à burguesia, ao Estado patriarcal e ao feminismo carcerário, é uma obra concisa e densa em teorias e provocações. Com a finalidade de incentivar manifestações e movimentos de luta pelo combate às violências, convoca as feministas a refletirem sobre um feminismo decolonial, apresentando possibilidades e argumentos convincentes. Todavia, as indicações de referências bibliográficas em notas de rodapé, destinadas ao aprofundamento das discussões projetadas no texto, são complexas e pouco acessíveis à maioria dos(as) leitores(as), ainda assim, o texto é compreensível e relevante, pois, nos leva a refletir a partir das críticas tecidas ao Estado punitivista, neoliberal e patriarcalista que oprime os sujeitos em suas vulnerabilidades. Fiquemos com a pertinente indagação: Que sociedade almejamos e como podemos enfrentar e combater as violências sistêmicas?

Referências

VERGÈS, Françoise. Um feminismo decolonial. São Paulo: Ubu Editora, 2020.

Sumário de Uma teoria feminista da violência

  • Introdução
  • 1. A violência neoliberal
  • 2. Abordagem civilizatória da proteção das mulheres
  • 3. O impasse do feminismo punitivista
  • 4. Conclusão – o feminismo decolonial como utopia
  • Sobre a autora

Para ampliar a sua revisão da literatura

Resenhista

Viviane Andrade Passos é professora da Escola Municipal Tiradentes (SEMED/NSG) e  do Colégio Estadual Cícero Bezerra (SEDUC-SE), ambos no município de Nossa Senhora da Glória-SE. Aluna do Mestrado em Ensino de História da Universidade Federal de Sergipe. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/7026713252936689; ID: https://orcid.org/0000-0003-4077-3916; Facebook: /viviane.andrade.56863; Instagram: vivi.andrade_23 E-mail: [email protected].


Para citar esta resenha

VERGÉ, Françoise. Uma teoria feminista da violência: por uma política antirracista da proteção. São Paulo: Ubu Editora, 2021. 160p. Tradução de Raquel Camargo. Resenha de: PASSOS, Viviane Andrade. Amor revolucionário e feminismo decolonial. Crítica Historiográfica. Natal, v.3, n.14, out./nov., 2023. Disponível em <https://www.criticahistoriografica.com.br/exumando-a-rebeliao-dos-autos-resenha-de-danilo-dos-santos-rabelo-unb-sobre-o-livro-vidas-rebeldes-belos-experimentos-historias-intimas-de-meninas-negras-desordeiras-mulheres-e/>.


© – Os autores que publicam em Crítica Historiográfica concordam com a distribuição, remixagem, adaptação e criação a partir dos seus textos, mesmo para fins comerciais, desde que lhe sejam garantidos os devidos créditos pelas criações originais. (CC BY-SA).

 

Crítica Historiográfica. Natal, v.3, n. 14, nov./dez., 2023 | ISSN 2764-2666

Resenhistas

Privacidade

Ao se inscrever nesta lista de e-mails, você estará sujeito à nossa política de privacidade.

Acesso livre

Crítica Historiográfica não cobra taxas para submissão, publicação ou uso dos artigos. Os leitores podem baixar, copiar, distribuir, imprimir os textos para fins não comerciais, desde que citem a fonte.

Foco e escopo

Publicamos resenhas de livros e de dossiês de artigos de revistas acadêmicas que tratem da reflexão, investigação, comunicação e/ou consumo da escrita da História. Saiba mais sobre o único periódico de História inteiramente dedicado à Crítica em formato resenha.

Corpo editorial

Somos professore(a)s do ensino superior brasileiro, especializado(a)s em mais de duas dezenas de áreas relacionadas à reflexão, produção e usos da História. Faça parte dessa equipe.

Submissões

As resenhas devem expressar avaliações de livros ou de dossiês de revistas acadêmicas autodesignadas como "de História". Conheça as normas e envie-nos o seu texto.

Pesquisa


Enviar mensagem de WhatsApp