História das mulheres e das mulheres indígenas no Brasil – Breve nota bibliográfica | Blenda Cunha Moura (NEAB/IFAC)

Moriyaki Pyako | Mulher indígena que abre a tese de doutorado de Blenda Cunha Moura: “Livre pela minha natureza”: histórias de mulheres indígenas na Amazônia Colonial (Moura, 2022, p.6)

Resumo: Neste artigo de revisão, descrevemos e comentamos alguns textos clássicos sobre a história das mulheres no Brasil, sobretudo no âmbito dos historiadores. Em seguida, comentamos sobre a raridade da bibliografia a respeito da história das mulheres indígenas e apontamos alguns caminhos que essa historiografia pode trilhar.

Palavras-chave: História das Mulheres, História das Mulheres Indígenas, Historiografia.


Introdução

Os desafios para acessar a agência de mulheres indígenas no passado colonial e entre historiadores são muitos. Se indígenas, de forma geral, figuram nas fontes tanto no plural quanto anonimamente, o rastreio das mulheres tem sido um desafio ainda maior. Entretanto, é imperioso que esses grupos sejam recuperados na documentação e tenham sua especificidade destacada.

A opção pelo recorte de gênero parte desta lacuna; os numerosos povos, contra os quais avançou a colonização, eram diversos tanto etnicamente, quanto na sua organização interior e nesse sentido abordamos o recorte de gênero. Neste texto, fazemos breve nota bibliográfica sobre mulheres e mulheres indígenas, revisitando clássicos estudos acerca da imagem da mulher a escrita da História sobre a mulher, reafirmando, ao final, os delineamentos que uma história da mulher indígena deve seguir no Brasil.

Imagens de mulher

Na busca por experiências comuns, que permitam uma generalização, mesmo tímida, que levem a resultados na pesquisa sobre Histórias de mulheres indígenas na Amazônia colonial, selecionamos fontes de uma territorialidade para a qual os avanços civilizatórios portugueses são considerados tardios em comparação com os primeiros núcleos litorâneos. A própria geografia amazônica era e ainda é um desafio logístico para o estabelecimento de densas povoações. A acidentada floresta, o clima quente e úmido, a fauna e os rios, os incessantes carapanãs (como se chamam mosquitos de espécies diversas na Amazônia), impuseram modos de viver próprios da região; a essas condições estavam submetidos todos que ali habitavam. As habilidades para transitar e sobreviver por esse meio fizeram das populações indígenas o principal alvo dos colonizadores. Seu trabalho, o domínio de atividades essenciais, foi nevrálgico a quem pretendia se estabelecer. Como denunciou Antônio Vieira, referindo-se ao Maranhão, “captivar índios e tirar de suas veias o ouro vermelho foi sempre a mina daquele estado”. (Azevedo, 1999, p.136).

O processo de colonização incidiu de formas particulares para homens e mulheres. Àqueles era destinado o árduo trabalho como remeiros, caçadores, construtores, membros de tropas de resgates e guerras justas, chefes de povoações, dentre outros. Às mulheres, além de participar de algumas destas atividades, cabia a reprodução populacional, o cuidado com as crianças (suas e dos outros), o trato com as roças e a tecelagem. Compreendemos serem tais atividades responsáveis por uma menor mobilidade das indígenas. Elas, portanto, tiveram maior tempo de contato com as instituições coloniais às quais foram sujeitas. Como destacou Cristiane Lasmar:

As capacidades de agência das mulheres, em contraste com as dos homens, incidem sobre os domínios mais informais da vida cotidiana, nos quais se dá o processo de produção e reprodução dos corpos humanos. Além do domínio da reprodução fisiológica, podemos destacar o da produção de alimentos, da roça e da culinária — trabalhos concebidos como essencialmente femininos (Lasmar, 2008, p.431).

Se os limites para uma história indígena frequentemente se impõem, dada a documentação produzida sobre os nativos e não por estes, maiores são os desafios para a leitura do universo feminino indígena no mundo colonial. No que concerne às questões de gênero, uma interessante reflexão de Bourdieu assinala:

Esses esquemas de pensamento, de aplicação universal, registram diferenças de natureza inscritas na objetividade […] ao mesmo tempo que as “naturalizam”, inscrevendo-as em um sistema de diferenças, todas igualmente naturais em aparência (Bourdieu, 2919, p.22).

A dominação masculina naturaliza-se no ordenamento social, de forma que toda a apreensão do contexto social é perpassada por essa naturalização, construída ao longo de séculos no mundo ocidental. Essa conformação não apenas determinou as relações cotidianas, mas conduziu a escrita sobre essas relações no âmbito da ciência histórica. Os papéis destinados às mulheres frequentemente as encerravam na alçada dos serviços domésticos, o que, em contrapartida, as excluía de quaisquer atividades públicas. As mulheres foram “submetidas a um trabalho de socialização que tende a diminuí-las, a negá-las” (Ibidem, p.86).

Para Bourdieu, os mecanismos que reiteram a submissão das mulheres diante dos homens precisam ser identificados e inscritos nas instituições que os perpetuaram, bem como no seu tempo. O maior problema de realizar tal investigação se encontra na naturalidade com que a submissão vigora, trata-se de um estado de coisas que se coloca de tal maneira como neutro, que dispensa justificação (Ibidem, p. 24).

A função do feminino no mundo ocidental foi pautada pela ideia das mulheres serem autênticas “agentes de satã” (Delumeau, 2009, p.462) e essa percepção foi levada pelos colonizadores a todos os domínios para os quais se deslocavam. Uma verdadeira campanha contra as mulheres ganhou espaço, especialmente na literatura clerical, por séculos. Idólatras, muçulmanos, judeus e mulheres são elencados por Delumeau na produção religiosa como “agentes de satã”. Ao retomar a ideia de Simone de Beauvoir de que a sexualidade feminina é mistériosa mesmo para as mulheres, o autor justifica o medo das mulheres pelos que delimitaram seu papel, encerrando-as no lar, como cuidadora dos filhos e família. Também a maternidade é apontada como um mistério e os ciclos menstruais vistos como sinal de perigo e impureza. Sua forma física é condenada por atrair o sexo oposto e levá-lo a pecar.

Ligadas às forças naturais, as mulheres deveriam ser contidas, silenciadas e mesmo abatidas pelos homens a quem deveriam servir; o equilíbrio social adviria disso. Entre os séculos XIV e XVIII uma gama discursiva, especialmente cristã, difundia o que Delumeau chamou de antifeminismo agressivo. Sedução, debilidade mental, inconstância, ardilosidade, vaidade, entre outros atributos, impeliam as mulheres muito mais ao diabo do que a deus. No século XVI a ciência médica uniu-se à Igreja para referendar a incapacidade estrutural feminina, o “sexo enfermo”.

Na sociedade da Renascença, essa retórica ganha espaço no mundo jurídico. Uma legislação que pautada na noção de incapacidade, submetia-as a um tutor masculino, pai ou marido. Os ditados populares reiteravam os perigos femininos, afinal, “Mulher ri quando pode e chora quando quer” (Delumeau, 2009, p.513–514).

Iconograficamente, a representação do feminino oscilava entre Eva e Maria; esses dois polos serviam como medida do comportamento feminino. Toda essa compreensão misógina atravessou oceanos e pautou a socialização entre colonizadores e mulheres originárias.

Mary and Eve, crayon and pencil (Grace Remington/2005) | Imagem: Plough

No Brasil Colônia, o imaginário em torno do papel feminino como diabólico se reproduziu. O controle de seus corpos, da maternidade e sexualidade, passou por um ordenamento elaborado em todas as instâncias de poder. Conta Mary Del Priore (2009) que a maternidade se constituía como o ponto central do controle desses corpos. Para fora da chave “honra, recato e honestidade”, o corpo feminino poderia ser um disseminador de doenças contagiosas e dado à histeria. A reprodução de uma sociedade baseada no poder masculino pautou por séculos os papéis femininos. Além de toda estratificação social, baseada na honra, que marca o mundo colonial, o sexo feminino passava por um ordenamento próprio, pelo qual a maternidade constituía-se como a única alternativa ao controle daquelas que, naturalmente aliadas ao mal, poderiam arruinar o equilíbrio social.

Mulheres e mulheres indígenas na Historiografia

A historiografia nacional começa a dar seus passos nesse tipo de estudo. Maria Odila Leite da Silva Dias (1984) procurou reconstruir a história das mulheres, em São Paulo no século XIX, durante o processo de urbanização. A autora elencou casos pelos quais se evidenciam estratégias de resistência por parte das mulheres pobres. Na mesma linha de Soihet e Silva Dias, Mônica Pimenta Velloso (1990) estudaram as mulheres negras, de origem baiana, que recorreram a estratégias diversificadas para garantir a sobrevivência de seu grupo e cultura (Soihet, 1997, p.284).

Laura de Mello e Souza (1993) e Luiz Mott (1993), pesquisaram sobre mulheres consideradas “visionárias”, as quais, apesar da origem humilde, enfrentaram a intolerância de seu tempo, se sobressaindo e, na maioria das vezes, pagando por isso com a própria vida. Ligia Bellini (1996) consulta documentos inquisitoriais para descortinar a intimidade de mulheres homossexuais na Bahia do século XVI. Joana Maria Pedro (1995) analisa o processo de construção de imagens idealizadas de mulheres e veiculadas pela imprensa de Desterro (atualmente Florianópolis) a partir do último terço do século XIX.

As análises que se detêm especificamente sobre a representação e atuação das mulheres indígenas na Amazônia colonial portuguesa são incipientes. Destacou-se, nesse sentido, um artigo pioneiro da historiadora Marcia Eliane Alves de Souza e Mello (2005), em 2005, que contestou a conclusão de David Sweet quanto à excepcionalidade do caso de uma índia, chamada Francisca, que recorreu à Junta das Missões por sua liberdade.

O artigo de Marcia Mello, que trouxe outras trajetórias semelhantes à da índia Francisca, motivou Luma Ribeiro Prado (2017) a pesquisar as ações de liberdade, mobilizadas por uma maioria de mulheres indígenas na Amazônia do século XVIII. Vale relembrar que essas ações eram petições de indígenas à Junta das Missões, ao Conselho Ultramarino, para assegurar ou solicitar sua liberdade, com base na legislação vigente sobre escravidão. O grosso dos processos se concentra na primeira metade do século XVIII, quando a escravidão nativa era permitida, mas com ressalvas.

Conclusão

Diante do que discutimos acima, concluímos que pensar história das mulheres não significa apresentar mais uma perspectiva, mas de reorientar a perspectiva, pensá-la por ângulos que de fato compõem o pilar das vivências em contato. Trata-se de um corte vertical, que perpassava todas as relações de forma mesmo a conduzi-las.

Para realizar esse corte, não podemos deixar de pontuar, como assevera Bourdieu (2019, p.x), a maneira como os sistemas institucionais produziram de forma eficaz, com ares de neutralidade, a quase anulação das mulheres quanto à sua basilar posição na história. A dominação masculina se perpetuou sem maiores debates na historiografia. De acordo com o sociólogo, a investigação histórica sobre as mulheres deve “empenhar-se em estabelecer para cada período, o estado do sistema de agentes e das instituições […] que, com pesos e medidas diversos em diferentes momentos” se empenharam em denunciar “as relações de dominação masculina”.

Cientes da especificidade da agência de mulheres indígenas, cujo contexto é muito distinto do ocidental/europeu, interessadas em cumprir a tarefa acima, temos que dialogar com estudos antropológicos e etnológicos, que auxiliem a pensar essa agência frente à colonização.

Referências

AZEVEDO, João Lúcio de. Os Jesuítas no Grão-Pará: suas missões e a colonização. Belém: SECULT, 1999.

BELLINI, Lígia. A Coisa Obscura. Mulher, sodomia e Inquisição no Brasil. Rio de Janeiro, Zahar, 1996.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica. Trad. Maria Helena Kühner. 15ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019.

DELUMEAU, Jean. História do medo no ocidente (1300–1800): uma cidade sitiada. Trad. Maria Lucia Machado; tradução de notas Heloísa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Dentre seus estudos, pode-se ressaltar: VELLOSO, M. P. As Tias Baianas Tomam Conta do Pedaço. Revista de Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v.3, n.6, 1990.

LASMAR, Cristiane. Irmã de índio, mulher de branco: Perspectivas femininas no Alto Rio Negro. Mana, v.14, n.2, p.x-xx, 2008.

MELLO, Márcia. Desvendando outras Franciscas: mulheres cativas e as ações de liberdade na Amazônia colonial portuguesa. Portuguese Studies Review, n.13, p. 1–16, 2005.

MOTT, Luiz. Rosa Egípcia. Uma santa africana no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1993.

PEDRO, J. M. Nas tramas entre o público e o privado: a imprensa de Desterro no século XIX. Florianópolis: Editora da UFSC, 1995.

PRADO, Luma R. Peticionárias: demandas de mulheres cativas na Amazônia Colonial Portuguesa (século XVIII). Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2017.

PRIORE, Mary Del. Ao sul do corpo: Condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

SILVA DIAS, Maria Odila Leite da. Cotidiano e poder em São Paulo o século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1984.

SOIHET, Rachel. “História das mulheres”. In CARDOSO, Ciro e VAINFAS, Ronaldo (org). Domínios da História. Ensaios de Teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1997. p.x-x

SOUZA, Laura de Mello e. Inferno atlântico. Demonologia e colonização. Séculos XVI-XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.


Para ampliar a sua revisão da literatura


Autora

Blenda Cunha Moura é doutora (UFPR), mestre (UFAM) e licenciada em História (UFPR). É professora de História no Instituto Federal do Acre (IFAC), Campus Cruzeiro do Sul. É membro do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (NEABI/IFAC) e publicou, entre outros trabalhos: Projetos integradores: conhecimento a serviço da cidadania. ID LATTES: http://lattes.cnpq.br/4304368326000717; ID ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7730-4799; E-mail:


Para citar este texto

MOURA, Blenda Cunha. História das mulheres e das mulheres indígenas no Brasil – Breve nota bibliográfica. Crítica Historiográfica. Natal, v.3, n.14, nov./dez., 2023. Disponível em <https://www.criticahistoriografica.com.br/historia-das-mulheres-e-das-mulheres-indigenas-no-brasil-breve-nota-bibliografica-blenda-cunha-moura-ufpr-ifac/>. DOI: 10.29327/254374.3.10-12


© – Os autores que publicam em Crítica Historiográfica concordam com a distribuição, remixagem, adaptação e criação a partir dos seus textos, mesmo para fins comerciais, desde que lhe sejam garantidos os devidos créditos pelas criações originais. (CC BY-SA).

 

Crítica Historiográfica. Natal, v.3, n. 14, nov./dez., 2023 | ISSN 2764-2666

Pesquisa/Search

Alertas/Alerts

História das mulheres e das mulheres indígenas no Brasil – Breve nota bibliográfica | Blenda Cunha Moura (NEAB/IFAC)

Moriyaki Pyako | Mulher indígena que abre a tese de doutorado de Blenda Cunha Moura: “Livre pela minha natureza”: histórias de mulheres indígenas na Amazônia Colonial (Moura, 2022, p.6)

Resumo: Neste artigo de revisão, descrevemos e comentamos alguns textos clássicos sobre a história das mulheres no Brasil, sobretudo no âmbito dos historiadores. Em seguida, comentamos sobre a raridade da bibliografia a respeito da história das mulheres indígenas e apontamos alguns caminhos que essa historiografia pode trilhar.

Palavras-chave: História das Mulheres, História das Mulheres Indígenas, Historiografia.


Introdução

Os desafios para acessar a agência de mulheres indígenas no passado colonial e entre historiadores são muitos. Se indígenas, de forma geral, figuram nas fontes tanto no plural quanto anonimamente, o rastreio das mulheres tem sido um desafio ainda maior. Entretanto, é imperioso que esses grupos sejam recuperados na documentação e tenham sua especificidade destacada.

A opção pelo recorte de gênero parte desta lacuna; os numerosos povos, contra os quais avançou a colonização, eram diversos tanto etnicamente, quanto na sua organização interior e nesse sentido abordamos o recorte de gênero. Neste texto, fazemos breve nota bibliográfica sobre mulheres e mulheres indígenas, revisitando clássicos estudos acerca da imagem da mulher a escrita da História sobre a mulher, reafirmando, ao final, os delineamentos que uma história da mulher indígena deve seguir no Brasil.

Imagens de mulher

Na busca por experiências comuns, que permitam uma generalização, mesmo tímida, que levem a resultados na pesquisa sobre Histórias de mulheres indígenas na Amazônia colonial, selecionamos fontes de uma territorialidade para a qual os avanços civilizatórios portugueses são considerados tardios em comparação com os primeiros núcleos litorâneos. A própria geografia amazônica era e ainda é um desafio logístico para o estabelecimento de densas povoações. A acidentada floresta, o clima quente e úmido, a fauna e os rios, os incessantes carapanãs (como se chamam mosquitos de espécies diversas na Amazônia), impuseram modos de viver próprios da região; a essas condições estavam submetidos todos que ali habitavam. As habilidades para transitar e sobreviver por esse meio fizeram das populações indígenas o principal alvo dos colonizadores. Seu trabalho, o domínio de atividades essenciais, foi nevrálgico a quem pretendia se estabelecer. Como denunciou Antônio Vieira, referindo-se ao Maranhão, “captivar índios e tirar de suas veias o ouro vermelho foi sempre a mina daquele estado”. (Azevedo, 1999, p.136).

O processo de colonização incidiu de formas particulares para homens e mulheres. Àqueles era destinado o árduo trabalho como remeiros, caçadores, construtores, membros de tropas de resgates e guerras justas, chefes de povoações, dentre outros. Às mulheres, além de participar de algumas destas atividades, cabia a reprodução populacional, o cuidado com as crianças (suas e dos outros), o trato com as roças e a tecelagem. Compreendemos serem tais atividades responsáveis por uma menor mobilidade das indígenas. Elas, portanto, tiveram maior tempo de contato com as instituições coloniais às quais foram sujeitas. Como destacou Cristiane Lasmar:

As capacidades de agência das mulheres, em contraste com as dos homens, incidem sobre os domínios mais informais da vida cotidiana, nos quais se dá o processo de produção e reprodução dos corpos humanos. Além do domínio da reprodução fisiológica, podemos destacar o da produção de alimentos, da roça e da culinária — trabalhos concebidos como essencialmente femininos (Lasmar, 2008, p.431).

Se os limites para uma história indígena frequentemente se impõem, dada a documentação produzida sobre os nativos e não por estes, maiores são os desafios para a leitura do universo feminino indígena no mundo colonial. No que concerne às questões de gênero, uma interessante reflexão de Bourdieu assinala:

Esses esquemas de pensamento, de aplicação universal, registram diferenças de natureza inscritas na objetividade […] ao mesmo tempo que as “naturalizam”, inscrevendo-as em um sistema de diferenças, todas igualmente naturais em aparência (Bourdieu, 2919, p.22).

A dominação masculina naturaliza-se no ordenamento social, de forma que toda a apreensão do contexto social é perpassada por essa naturalização, construída ao longo de séculos no mundo ocidental. Essa conformação não apenas determinou as relações cotidianas, mas conduziu a escrita sobre essas relações no âmbito da ciência histórica. Os papéis destinados às mulheres frequentemente as encerravam na alçada dos serviços domésticos, o que, em contrapartida, as excluía de quaisquer atividades públicas. As mulheres foram “submetidas a um trabalho de socialização que tende a diminuí-las, a negá-las” (Ibidem, p.86).

Para Bourdieu, os mecanismos que reiteram a submissão das mulheres diante dos homens precisam ser identificados e inscritos nas instituições que os perpetuaram, bem como no seu tempo. O maior problema de realizar tal investigação se encontra na naturalidade com que a submissão vigora, trata-se de um estado de coisas que se coloca de tal maneira como neutro, que dispensa justificação (Ibidem, p. 24).

A função do feminino no mundo ocidental foi pautada pela ideia das mulheres serem autênticas “agentes de satã” (Delumeau, 2009, p.462) e essa percepção foi levada pelos colonizadores a todos os domínios para os quais se deslocavam. Uma verdadeira campanha contra as mulheres ganhou espaço, especialmente na literatura clerical, por séculos. Idólatras, muçulmanos, judeus e mulheres são elencados por Delumeau na produção religiosa como “agentes de satã”. Ao retomar a ideia de Simone de Beauvoir de que a sexualidade feminina é mistériosa mesmo para as mulheres, o autor justifica o medo das mulheres pelos que delimitaram seu papel, encerrando-as no lar, como cuidadora dos filhos e família. Também a maternidade é apontada como um mistério e os ciclos menstruais vistos como sinal de perigo e impureza. Sua forma física é condenada por atrair o sexo oposto e levá-lo a pecar.

Ligadas às forças naturais, as mulheres deveriam ser contidas, silenciadas e mesmo abatidas pelos homens a quem deveriam servir; o equilíbrio social adviria disso. Entre os séculos XIV e XVIII uma gama discursiva, especialmente cristã, difundia o que Delumeau chamou de antifeminismo agressivo. Sedução, debilidade mental, inconstância, ardilosidade, vaidade, entre outros atributos, impeliam as mulheres muito mais ao diabo do que a deus. No século XVI a ciência médica uniu-se à Igreja para referendar a incapacidade estrutural feminina, o “sexo enfermo”.

Na sociedade da Renascença, essa retórica ganha espaço no mundo jurídico. Uma legislação que pautada na noção de incapacidade, submetia-as a um tutor masculino, pai ou marido. Os ditados populares reiteravam os perigos femininos, afinal, “Mulher ri quando pode e chora quando quer” (Delumeau, 2009, p.513–514).

Iconograficamente, a representação do feminino oscilava entre Eva e Maria; esses dois polos serviam como medida do comportamento feminino. Toda essa compreensão misógina atravessou oceanos e pautou a socialização entre colonizadores e mulheres originárias.

Mary and Eve, crayon and pencil (Grace Remington/2005) | Imagem: Plough

No Brasil Colônia, o imaginário em torno do papel feminino como diabólico se reproduziu. O controle de seus corpos, da maternidade e sexualidade, passou por um ordenamento elaborado em todas as instâncias de poder. Conta Mary Del Priore (2009) que a maternidade se constituía como o ponto central do controle desses corpos. Para fora da chave “honra, recato e honestidade”, o corpo feminino poderia ser um disseminador de doenças contagiosas e dado à histeria. A reprodução de uma sociedade baseada no poder masculino pautou por séculos os papéis femininos. Além de toda estratificação social, baseada na honra, que marca o mundo colonial, o sexo feminino passava por um ordenamento próprio, pelo qual a maternidade constituía-se como a única alternativa ao controle daquelas que, naturalmente aliadas ao mal, poderiam arruinar o equilíbrio social.

Mulheres e mulheres indígenas na Historiografia

A historiografia nacional começa a dar seus passos nesse tipo de estudo. Maria Odila Leite da Silva Dias (1984) procurou reconstruir a história das mulheres, em São Paulo no século XIX, durante o processo de urbanização. A autora elencou casos pelos quais se evidenciam estratégias de resistência por parte das mulheres pobres. Na mesma linha de Soihet e Silva Dias, Mônica Pimenta Velloso (1990) estudaram as mulheres negras, de origem baiana, que recorreram a estratégias diversificadas para garantir a sobrevivência de seu grupo e cultura (Soihet, 1997, p.284).

Laura de Mello e Souza (1993) e Luiz Mott (1993), pesquisaram sobre mulheres consideradas “visionárias”, as quais, apesar da origem humilde, enfrentaram a intolerância de seu tempo, se sobressaindo e, na maioria das vezes, pagando por isso com a própria vida. Ligia Bellini (1996) consulta documentos inquisitoriais para descortinar a intimidade de mulheres homossexuais na Bahia do século XVI. Joana Maria Pedro (1995) analisa o processo de construção de imagens idealizadas de mulheres e veiculadas pela imprensa de Desterro (atualmente Florianópolis) a partir do último terço do século XIX.

As análises que se detêm especificamente sobre a representação e atuação das mulheres indígenas na Amazônia colonial portuguesa são incipientes. Destacou-se, nesse sentido, um artigo pioneiro da historiadora Marcia Eliane Alves de Souza e Mello (2005), em 2005, que contestou a conclusão de David Sweet quanto à excepcionalidade do caso de uma índia, chamada Francisca, que recorreu à Junta das Missões por sua liberdade.

O artigo de Marcia Mello, que trouxe outras trajetórias semelhantes à da índia Francisca, motivou Luma Ribeiro Prado (2017) a pesquisar as ações de liberdade, mobilizadas por uma maioria de mulheres indígenas na Amazônia do século XVIII. Vale relembrar que essas ações eram petições de indígenas à Junta das Missões, ao Conselho Ultramarino, para assegurar ou solicitar sua liberdade, com base na legislação vigente sobre escravidão. O grosso dos processos se concentra na primeira metade do século XVIII, quando a escravidão nativa era permitida, mas com ressalvas.

Conclusão

Diante do que discutimos acima, concluímos que pensar história das mulheres não significa apresentar mais uma perspectiva, mas de reorientar a perspectiva, pensá-la por ângulos que de fato compõem o pilar das vivências em contato. Trata-se de um corte vertical, que perpassava todas as relações de forma mesmo a conduzi-las.

Para realizar esse corte, não podemos deixar de pontuar, como assevera Bourdieu (2019, p.x), a maneira como os sistemas institucionais produziram de forma eficaz, com ares de neutralidade, a quase anulação das mulheres quanto à sua basilar posição na história. A dominação masculina se perpetuou sem maiores debates na historiografia. De acordo com o sociólogo, a investigação histórica sobre as mulheres deve “empenhar-se em estabelecer para cada período, o estado do sistema de agentes e das instituições […] que, com pesos e medidas diversos em diferentes momentos” se empenharam em denunciar “as relações de dominação masculina”.

Cientes da especificidade da agência de mulheres indígenas, cujo contexto é muito distinto do ocidental/europeu, interessadas em cumprir a tarefa acima, temos que dialogar com estudos antropológicos e etnológicos, que auxiliem a pensar essa agência frente à colonização.

Referências

AZEVEDO, João Lúcio de. Os Jesuítas no Grão-Pará: suas missões e a colonização. Belém: SECULT, 1999.

BELLINI, Lígia. A Coisa Obscura. Mulher, sodomia e Inquisição no Brasil. Rio de Janeiro, Zahar, 1996.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica. Trad. Maria Helena Kühner. 15ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019.

DELUMEAU, Jean. História do medo no ocidente (1300–1800): uma cidade sitiada. Trad. Maria Lucia Machado; tradução de notas Heloísa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Dentre seus estudos, pode-se ressaltar: VELLOSO, M. P. As Tias Baianas Tomam Conta do Pedaço. Revista de Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v.3, n.6, 1990.

LASMAR, Cristiane. Irmã de índio, mulher de branco: Perspectivas femininas no Alto Rio Negro. Mana, v.14, n.2, p.x-xx, 2008.

MELLO, Márcia. Desvendando outras Franciscas: mulheres cativas e as ações de liberdade na Amazônia colonial portuguesa. Portuguese Studies Review, n.13, p. 1–16, 2005.

MOTT, Luiz. Rosa Egípcia. Uma santa africana no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1993.

PEDRO, J. M. Nas tramas entre o público e o privado: a imprensa de Desterro no século XIX. Florianópolis: Editora da UFSC, 1995.

PRADO, Luma R. Peticionárias: demandas de mulheres cativas na Amazônia Colonial Portuguesa (século XVIII). Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2017.

PRIORE, Mary Del. Ao sul do corpo: Condição feminina, maternidades e mentalidades no Brasil Colônia. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

SILVA DIAS, Maria Odila Leite da. Cotidiano e poder em São Paulo o século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1984.

SOIHET, Rachel. “História das mulheres”. In CARDOSO, Ciro e VAINFAS, Ronaldo (org). Domínios da História. Ensaios de Teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Editora Campus, 1997. p.x-x

SOUZA, Laura de Mello e. Inferno atlântico. Demonologia e colonização. Séculos XVI-XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.


Para ampliar a sua revisão da literatura


Autora

Blenda Cunha Moura é doutora (UFPR), mestre (UFAM) e licenciada em História (UFPR). É professora de História no Instituto Federal do Acre (IFAC), Campus Cruzeiro do Sul. É membro do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (NEABI/IFAC) e publicou, entre outros trabalhos: Projetos integradores: conhecimento a serviço da cidadania. ID LATTES: http://lattes.cnpq.br/4304368326000717; ID ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7730-4799; E-mail:


Para citar este texto

MOURA, Blenda Cunha. História das mulheres e das mulheres indígenas no Brasil – Breve nota bibliográfica. Crítica Historiográfica. Natal, v.3, n.14, nov./dez., 2023. Disponível em <https://www.criticahistoriografica.com.br/historia-das-mulheres-e-das-mulheres-indigenas-no-brasil-breve-nota-bibliografica-blenda-cunha-moura-ufpr-ifac/>. DOI: 10.29327/254374.3.10-12


© – Os autores que publicam em Crítica Historiográfica concordam com a distribuição, remixagem, adaptação e criação a partir dos seus textos, mesmo para fins comerciais, desde que lhe sejam garantidos os devidos créditos pelas criações originais. (CC BY-SA).

 

Crítica Historiográfica. Natal, v.3, n. 14, nov./dez., 2023 | ISSN 2764-2666

Resenhistas

Privacidade

Ao se inscrever nesta lista de e-mails, você estará sujeito à nossa política de privacidade.

Acesso livre

Crítica Historiográfica não cobra taxas para submissão, publicação ou uso dos artigos. Os leitores podem baixar, copiar, distribuir, imprimir os textos para fins não comerciais, desde que citem a fonte.

Foco e escopo

Publicamos resenhas de livros e de dossiês de artigos de revistas acadêmicas que tratem da reflexão, investigação, comunicação e/ou consumo da escrita da História. Saiba mais sobre o único periódico de História inteiramente dedicado à Crítica em formato resenha.

Corpo editorial

Somos professore(a)s do ensino superior brasileiro, especializado(a)s em mais de duas dezenas de áreas relacionadas à reflexão, produção e usos da História. Faça parte dessa equipe.

Submissões

As resenhas devem expressar avaliações de livros ou de dossiês de revistas acadêmicas autodesignadas como "de História". Conheça as normas e envie-nos o seu texto.

Pesquisa


Enviar mensagem de WhatsApp