Alfabetização histórica – Resenha de “Letramento histórico-digital: Ensino de História e Tecnologias Digitais”, de Danilo Alves da Silva

Danilo Alves da Silva | Foto: Acervo do autor (2021)

A obra Letramento Histórico-digital: ensino de História e tecnologias digitais, é fruto da dissertação de mestrado de Danilo Alves da Silva, a partir das reflexões junto ao Programa de Pós-Graduação do Mestrado Profissional em Ensino de História, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. A publicação pretende conceituar o letramento histórico-digital, no intuito de sistematizar uma coligação entre o Ensino de História e a cultura digital.

O livro está organizado em três capítulos, o que não difere da forma estrutural da própria dissertação do autor. A partir de sua prática docente em uma escola privada, na cidade de João Pessoa, Paraíba, o autor investe em uma proposição para o campo do Ensino de História. Por que não juntar a demanda por entender sobre a cultura digital nos meandros do conhecimento histórico, já com uma proposta para a sala de aula? E será essa jornada que a pessoa leitora poderá encontrar. Ele mostra como é importante que profissionais de História estejam sensíveis às demandas do século XXI, e que se apropriem do conhecimento histórico no intuito de propor interações em plataformas digitais, usando aplicativos e várias ferramentas disponíveis para o ensino de História. Porém, ele não faz um caminho de escrita focando unicamente em justificar o seu artefato didático cultural, como a maioria das produções docentes da pós-graduação do Programa o fazem. Ele pretende conceituar um método – o letramento histórico-digital – para, então, após uma esquematização de suas discussões e leituras, passar para uma mostra dessa definição ou sistematização, que leva o nome do livro.

O capítulo primeiro, “O espaço, o tempo e o caminho da pesquisa”, se propõe a trazer de forma bastante ampla a relação do autor com o espaço escolar escolhido bem como a turma com a qual decidiu trabalhar sua produção, denominada:  letramento histórico-digital. No geral, essa parte do capítulo ficou bastante resumida. O autor se mostrou muito efetivo em mostrar os valores morais, sociais e pedagógicos do colégio confessional em que aplicou o seu estudo e prática docente. Os apontamentos do caminho da pesquisa, conforme o título enuncia, não ganharam  tantos holofotes.

Há demorada análise em todo o aporte curricular e nos documentos que emulam os princípios educacionais da escola. Talvez fosse necessária uma correlação mais efetiva entre os Parâmetros Curriculares ou a Base Nacional ou mesmo as legislações estaduais de educação para o ensino fundamental, anos finais. Nesse sentido, fazemos uma leitura menos estimulada, pois buscamos chegar no pertinente tema proposto nessa parte da obra, qual seja, mostrar sua jornada profissional e reflexão enquanto pesquisador e docente em busca de transformação no chão da escola.

Mesmo quando se percebe o esforço do autor, no sentido de se posicionar de uma maneira crítica aos princípios e parâmetros do colégio onde atua, nota-se a dificuldade, sempre vindo após alguma sinalização negativa, um contraponto elogioso. Ainda que afirme no capítulo que não tinha a intenção de historicizar sobre o colégio onde atuou para a pesquisa, ele, no mínimo, historiou de forma destacada sobre a instituição.

Por outro lado, os tópicos primeiro e último deste capítulo trazem uma boa noção do percurso e das experimentações/observações que o professor-pesquisador estava realizando em sala de aula, o que gerará a justificativa de sua trajetória reflexiva no livro. Nessa parte, ele sinaliza uma definição do letramento histórico-digital: uma metodologia, em primeiro lugar. No mesmo lugar do pódio (baseado na investigação própria da área), ele coloca o letramento histórico para que, em segundo plano, apareça o letramento digital, sempre associado à História e suas formas de pesquisa e de narrativa. Portanto, para o autor, é primordial que haja, por parte de seus alunos e alunas, prioritariamente, a orientação sobre como se faz pesquisa (ou como se pesquisa na ciência histórica). Posteriormente, haveria uma coligação entre esses saberes com as TDICs, gerando possibilidades de narrativas no ciberespaço.

Caso a pessoa leitora siga essa lógica (priorizando o letramento histórico), encontrará diversas leituras, amparadas pelo campo do Ensino de História, que confirmam tal assertiva. Ela será, aliás, a base da obra de Silva. A reflexão que se faz, nesse ponto, é sobre esse movimento secundarizado em que o letramento digital aparece nessa primeira sistematização anunciada pelo autor. O letramento digital é tão elementar quanto qualquer outro processo de conhecimento e aprendizagem. Portanto, aqui deixamos a reflexão que os escritos do autor nos proporcionaram: não seria necessário que o indivíduo trouxesse ou adquirisse uma alfabetização sobre as TDICs para que, assim, pudesse concomitantemente experimentar o conhecimento histórico-digital?

Ademais, cabe ressaltar que a importância do letramento digital, em diversos níveis, é algo vital para entender o que é educação no século XXI. A falta de habilidade em lidar com novos aplicativos, com as possibilidades que os softwares oferecem, a movimentação dos algoritmos em busca do consumidor cidadão, a moeda virtual bitcoin, enfim, um novo universo, literalmente, se abre para todos nós. É preciso que a sociedade da informação, como denominou Castells (2013), entenda minimamente essa dinâmica. Uma alfabetização digital é, sim, necessária para que outros letramentos ocorram, e os letramentos, digital e histórico podem e devem ocorrer juntos nesse processo, sem hierarquização.

Faz-se aqui uma pequena ressalva quanto o seguinte trecho: “[…] na esteira disso [da importância de que discentes produzam e tenham narrativas históricas], utilizar as tecnologias digitais talvez seja uma alternativa para aproximar os estudantes de um conhecimento que para eles tem se tornado cansativo e chato” (p. 61). Ele parece reforçar a questão da centralidade do histórico ao invés da paridade com o digital, nos letramentos, chegando a correr o risco de a tecnologia ser significada como um entretenimento para a sala de aula. A grande inquietação e reflexão é: se usamos lápis, quadro branco, massa de modelar, recortes de revistas e podemos desenvolver o letramento histórico, em que medida um letramento histórico-digital seria distinto, lançando mão das TDICs, do letramento apenas histórico? O que o tipifica?

No capítulo seguinte, Cultura Digital e o Ensino de História, o autor  traz uma compreensão mais clara, logo no início do capítulo, sobre a necessidade de letramento digital dentro dessa nova cultura de acesso mais amplo ao ciberespaço. Ele admite que é vital o uso crítico das tecnologias digitais, porém, aliando ao conhecimento histórico. A ideia é conectar a ciência histórica na escola como uma prática essencial para desenvolver essa criticidade no uso dos ambientes digitais.

O argumento principal é  que haja, por parte do ensino escolar de História, “[…] uma formação de sujeitos que aprendam a pensar historicamente, apropriando-se das tecnologias digitais de modo simultâneo” (p.69). Esse fim deveria ser sempre nosso foco quando utilizamos as TDICs no espaço escolar, do ensino básico à universidade. É fundamental entendermos que não há apenas as fontes digitalizadas dos grandes arquivos disponibilizados para o público, no ciberespaço. Há fontes que nasceram no digital e só são explicadas e entendidas se respeitado o território que justifica sua existência.

Além disso, há algo fundamental a ser refutado. O autor afirma que “a transição de uma cultura analógica para uma cultura digital é um movimento dinâmico e complexo […]” (p.69-70). É importante ressaltar que o analógico não está sendo  sobrepassado por outro movimento cultural. Talvez, nunca o será. As culturas estão coexistindo e se relacionando em um ritmo que inclusive desafia as próprias noções temporais que a humanidade usa para se organizar, como dias, meses, horas, etc. Mas, não estamos rumo à extinção do analógico. O movimento de digitalização, como mais uma possibilidade de acesso e divulgação de documentos oficiais ou acervos de memória, pode provar que precisamos e vivemos do analógico, no qual se afirma a cultura digital.

O que seria uma rede social ou um e-mail ou direct se não fosse a coexistência de grupos de amigos presenciais, das cartas e bilhetes, dos anúncios em jornais impressos ou na rádio? No espaço escolar experimentamos situação idêntica, dado que ali temos a nossa cultura replicada de muitas formas. Então ,  não sóé importante não ignorar o digital e a sua produção para a História e para o ensino, como  também é vital que não pensemos que é um momento de transição para outra cultura como se houvesse uma obsolescência programada para o analógico.

Feita essa ressalva, o capítulo traz, em seu primeiro apartado, uma boa síntese que aproximará a pessoa leitora de como a computação e a informática foram sendo parceiras dos profissionais da História, ampliando discussões, pensando em formas de otimizar o trabalho de pesquisa, sobretudo, com poucos debates e, ainda, relacionando TDICs ao ensino em nosso campo. O autor se ampara bastante em três historiadores, entre os quais Anita Lucchesi é a mais referenciada. Nesse sentido, pode-se perceber que a argumentação dele sobre a ideia transicional de uma linguagem para outra, ou seja, do analógico para o digital, tem como mote o que a historiadora sustenta em sua dissertação de mestrado, de 2014. Nesse sentido, é preciso reiterar que, além de uma transição, temos uma inclusão de novas linguagens, mediadas por novas tecnologias. Não perdemos a oralidade, nem ganhamos a linguagem audiovisual, por exemplo, porque temos a internet. Ao revés, são estas formas de comunicar que dão bastante sentido para a atuação no ciberespaço. Ademais, isso que estamos a experimentar, desde os anos 2000, mais ou menos, é em parte novidade e, em parte, a relação dialética dessas linguagens já existentes com o que temos de novo, como a linguagem de programação, alfabetização digital e comunicação nos ambientes virtuais.

Essa seção da obra foi sucinta, se comparada ao tópico seguinte, em que o autor busca mostrar a importância da didática da História para o ensino. Nesse viés, talvez, o título do capítulo, que indica a cultura digital em primeiro plano, pudesse dar lugar ao Ensino de História, dado que é o argumento mais justificado no capítulo, tendo a cultura digital ou a relação com as TDICs ficado em um plano complementar. A discussão sobre o tema do capítulo dois está bem consubstanciada, sobretudo o tópico segundo, dando bastante dinamicidade ao texto e construindo uma linha argumentativa com relevante bibliografia e sustentando seu ponto de vista. Fica evidente que o autor está decidido a incorporar a sua experiência com as tecnologias em sala, como algo que se oponha ao campo epistemológico da Educação. Portanto, seu olhar é sobre a aprendizagem histórica dentro da Didática da História, preconizada por Rüsen (2010) e desenvolvida por Saddi (2012). Ainda que use muitas outras referências, estas são fundamentais para entender os rumos que ele dá para sua explanação sobre a importância do ensino de História e da operação historiográfica para construção de sua produção didática, que será desenvolvida no último capítulo.

Aqui, há uma nomenclatura que se faz necessário pontuar. É a expressão “nativos digitais”, usualmente incorporada nos meios acadêmicos e jornalísticos. Ainda que o próprio criador do termo (Marc Prensky) tenha dado menor importância à categorização aos nascidos entre os anos 1980 e 1990, ele continua a ser trazido de forma naturalizada nos textos acadêmicos. O mais importante é que entendamos que não existe obviedade na associação do ano de nascimento das pessoas com o surgimento de uma tecnologia, sobretudo em um país onde as desigualdades são a regra e não a exceção. Sendo assim, é proibitivo que se catalogue as gerações dentro de uma terminologia sobre a qual, basicamente, não se tem evidência (Kennedy, et al, 2007), muito menos quando associada ao espaço escolar (Benini; Murray, 2013; Bennet et al., 2008).

Neste tópico do capítulo segundo, vale ressaltar que o autor retoma o seu letramento histórico-digital. Para ele, desenvolvendo este método, espera-se que o alunado consiga usar o espaço digital de forma hábil, para alcançar noções temporais, consciência histórica e que veja significado do saber histórico para suas vidas.

No último tópico, o mais focado na questão do letramento histórico-digital, aparecem, várias vezes, definições que demonstram com clareza a posição do autor em relação a uma experiência em sala de aula que valorize a didática própria da História e, ao mesmo tempo, se utilize do digital para capacitar, dentro do conhecimento da área, sobre o seu uso e ocupação do ciberespaço. Nesse sentido, a questão do digital está em plano secundário, inclusive na pouco expressiva bibliografia sobre o tema, sendo um aspecto extra de interação e consonância com as demandas que ele percebe em sala e no perfil discente de seu espaço escolar. Importante é frisar, também, que não há uma discussão com autorias que já trouxeram o termo letramento histórico-digital e/ou aproximações em seus trabalhos científicos, como os S. Livingstone (2011), M. Soares (2012) e M. Costa (2015) e isso representa uma fragilidade que poderia ser sanada em uma provável segunda edição.

O autor avalia que o letramento histórico-digital ajuda os discentes a pensar historicamente e estimula “habilidades digitais ligadas à investigação histórica, capacitando os sujeitos a se orientarem e darem sentido ao tempo” (p.125-26). O capítulo tem a explanação do passo a passo do planejamento e execução da atividade proposta pelo docente. É um aprendizado para todas(os)  que o  lerem. Trata-se de uma execução muito boa com as avaliações das suas percepções, logo após cada passo de sua experiência. Há boa interlocução entre o que ele propôs e defendeu como prática docente durante os dois capítulos anteriores. O autor utiliza o que a escola privada, na qual trabalha, fornece, de forma criativa e interativa, a partir das bases do conhecimento científico do campo da História. Há atividades para que as(os) discentes elaborem fora da sala, como entrevistas utilizando dispositivos eletrônicos e há planejamento síncrono, em sala de aula, para construir e orientar a turma em cada etapa de sua metodologia para o letramento histórico-digital.

Interessa notar que, durante a narrativa e análise sobre os processos do letramento, o próprio autor evidencia algo já analisado aqui. Ele percebe que nem todos os alunos estavam aptos ao uso de dispositivos móveis ou conseguiam trazer alguma expertise sobre a própria técnica no uso de aplicativos. Essa insuficiência demonstra, assim como os relatos sobre o não reconhecimento de fontes digitais ou mesmo a dificuldade de encontrar os conteúdos e fazer qualquer análise, que o letramento digital é objeto de reflexão interdisciplinar fundamental. O consumo de dispositivos móveis, em uma turma com condições materiais confortáveis, em comparação à maioria da população em escola pública, mesmo naturalizado por aquele nicho, não garante uma relação diferente com a de qualquer pessoa, em qualquer idade, obrigada a se adaptar e aprender sobre o mundo digital. Logo, a ideia de nativos digitais, neste capítulo, resulta em  uma terminologia que não resiste, sobretudo em um país que tarda em compreender que cultura digital não é ter dispositivos e internet (quando há), mas é saber como usar e se posicionar no ciberespaço.

Vale salientar, por fim, que a obra cumpre os objetivos primeiros, ou seja, conceituar o letramento histórico-digital e correlacionar Ensino de História e cultura digital. O autor  é coerente em sua iniciativa, especialmente, porque apresenta uma base esquemática clara sobre o método e ensaia a sua aplicação, apontando dificuldades e experimentos no campo do Ensino de História, a partir do ambiente escolar. É um trabalho que suscita muitas reflexões e estimula nossa criticidade.

Referências

BENINI, Silvia; MURRAY, Liam. Critically Evaluating Prensky in a Language Learning Context: The “Digital Natives/Immigrants Debate” and its Implications for CALL. Eurocall 2013. Évora, Portugal, p. 25-30, 2013. [Link]. Acesso em 25 jun. 2021.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Rio de janeiro: Paz e Terra, 2013.

COSTA, Marcella. Currículo, História e Tecnologia: que articulação na formação inicial de professores? (Mestrado em Educação).Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015. Acesso em 25 jun. 2021.

LIVINGSTONE, Sonia. Internet literacy: a negociação dos jovens com as novas oportunidades on-line. Matrizes, São Paulo, ano 4, n. 2, jan./jun. 2011, p. 11-42. [Link] Acesso em 27 jun. 2021

PRENSKY, Marc.  (2009). H. sapiens digital: From digital  immigrants and digital natives to digital wisdom. Journal of Online Education, v. 5, n. 3, p. 1-9, 2009. [Link] Acesso em 25 jun. 2021.

PRENSKY, Marc. Digital  natives, digital immigrants, part  1. On the Horizon,  v. 9, n. 5, p. 1-6, 2001a. [Link]. Acesso em 25 jun. 2021.

PRENSKY, Marc. Digital natives, digital immigrants, part 2: Do they really think differently? On the Horizon, v. 9, n. 6, p. 1-6, 2001b. [Link] Acesso em 25 jun. 2021.

SOARES, Magda. Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, p. 143-160, 2002. [Link] Acesso em 27 jun. 2021


Sumário de Letramento histórico-digital: Ensino de História e Tecnologias Digitais

  • Apresentação
  • Agradecimentos
  • Lista de siglas e abreviações
  • Introdução
    • 1. O espaço, o tempo e o caminho da pesquisa
        • Nas dobras do caminho: dos porquês às motivações
        • Nas dobras do espaço: tensões e possibilidades
        • Nas dobras do tempo: o ensino de História no Colégio Pio X
        • Nas dobras do saber: caracterizando a investigação
    • 2. Cultura digital e o Ensino de História
        • Uma discussão historiográfica sobre História Digital e sua relação com o ensino de História
        • A operação historiográfica e o ensino de História
        • Letramento histórico-digital: a construção de habilidades digitais e da competência narrativa no ensino de História
    • 3. O caminho investigativo na plataforma digital Moodle
        • O primeiro passo do letramento histórico-digital: investigação histórica
        • O desenvolvimento da competência digital: procedimentos executdos pelos estudantes no Moodle
        • A competência narrativa no processo de letramento histórico-digital
  • Considerações finais
  • Referências

Live de lançamento [Link]


Resenhista

Vanessa Spinosa – Doutora em História e docente do Departamento de História da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Campus Caicó) e do Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Ensino de História, pela mesma instituição. Publicou, entre outros trabalhos, “Formação do futuro-presente: a docência em História no espectro da experiência digital no ensino remoto”, em co-autoria com Marcella Albaine Farias da Costa, em Formação docente e currículo: Conhecimentos, sujeitos e territórios, organizado por Carmen Teresa Gabriel e Marcus Leonardo Bomfim (Mauad X, 2021), “Ciberespaço, letramento e docência: experiência com TDICs no Ensino de História”, em História em jogo: as questões do tempo presente e os desafios do ensino de história, organizado por Airan dos Santos Borges de Oliveira e Maria da Conceição da Silva Costa (Desalinho, 2020) e, em co-autoria com Danilo Nogueira de Medeiros, “Ensino de História no ensino superior: práticas educativas para a emancipação discente no ciberespaço”, nos Anais do XI Encontro Nacional Perspectivas do Ensino de História (ABEH, 2021). E-mail: [email protected]


Referências desta resenha

SILVA, Danilo Alves. Letramento histórico-digital: Ensino de História e Tecnologias Digitais. Rio de Janeiro: Autografia, 2020. 162p. Resenha de: SPINOSA, Vanessa. Alfabetização histórica . Crítica Historiográfica. Natal, v.2, n.3, jan./fev. 2021. Disponível em: https://www.criticahistoriografica.com.br/letramento-historico-digital-ensino-de-historia-e-tecnologias-digitais-danilo-alves-da-silva/

Baixar esta resenha em PDF


© – Os autores que publicam em Crítica Historiográfica concordam com a distribuição, remixagem, adaptação e criação a partir dos seus textos, mesmo para fins comerciais, desde que lhe sejam garantidos os devidos créditos pelas criações originais. (CC BY-SA)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Foco e escopo

Publicamos resenhas de livros e de dossiês de artigos de revistas acadêmicas que tratem da reflexão, investigação, comunicação e/ou consumo da escrita da História. Saiba mais sobre o único periódico de História inteiramente dedicado à Crítica em formato resenha.

Corpo editorial

Somos professore(a)s do ensino superior brasileiro, especializado(a)s em mais de duas dezenas de áreas relacionadas à reflexão, produção e usos da História. Faça parte dessa equipe.

Submissões

As resenhas devem expressar avaliações de livros ou de dossiês de revistas acadêmicas autodesignadas como "de História". Conheça as normas e envie-nos o seu texto.

Pesquisa


Alertas

Acesso livre

Crítica Historiográfica não cobra taxas para submissão, publicação ou uso dos artigos. Os leitores podem baixar, copiar, distribuir, imprimir os textos para fins não comerciais, desde que citem a fonte.

Privacidade

Ao se inscrever nesta lista de e-mails, você estará sujeito à nossa política de privacidade.

Alfabetização histórica – Resenha de “Letramento histórico-digital: Ensino de História e Tecnologias Digitais”, de Danilo Alves da Silva

Danilo Alves da Silva | Foto: Acervo do autor (2021)

A obra Letramento Histórico-digital: ensino de História e tecnologias digitais, é fruto da dissertação de mestrado de Danilo Alves da Silva, a partir das reflexões junto ao Programa de Pós-Graduação do Mestrado Profissional em Ensino de História, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. A publicação pretende conceituar o letramento histórico-digital, no intuito de sistematizar uma coligação entre o Ensino de História e a cultura digital.

O livro está organizado em três capítulos, o que não difere da forma estrutural da própria dissertação do autor. A partir de sua prática docente em uma escola privada, na cidade de João Pessoa, Paraíba, o autor investe em uma proposição para o campo do Ensino de História. Por que não juntar a demanda por entender sobre a cultura digital nos meandros do conhecimento histórico, já com uma proposta para a sala de aula? E será essa jornada que a pessoa leitora poderá encontrar. Ele mostra como é importante que profissionais de História estejam sensíveis às demandas do século XXI, e que se apropriem do conhecimento histórico no intuito de propor interações em plataformas digitais, usando aplicativos e várias ferramentas disponíveis para o ensino de História. Porém, ele não faz um caminho de escrita focando unicamente em justificar o seu artefato didático cultural, como a maioria das produções docentes da pós-graduação do Programa o fazem. Ele pretende conceituar um método – o letramento histórico-digital – para, então, após uma esquematização de suas discussões e leituras, passar para uma mostra dessa definição ou sistematização, que leva o nome do livro.

O capítulo primeiro, “O espaço, o tempo e o caminho da pesquisa”, se propõe a trazer de forma bastante ampla a relação do autor com o espaço escolar escolhido bem como a turma com a qual decidiu trabalhar sua produção, denominada:  letramento histórico-digital. No geral, essa parte do capítulo ficou bastante resumida. O autor se mostrou muito efetivo em mostrar os valores morais, sociais e pedagógicos do colégio confessional em que aplicou o seu estudo e prática docente. Os apontamentos do caminho da pesquisa, conforme o título enuncia, não ganharam  tantos holofotes.

Há demorada análise em todo o aporte curricular e nos documentos que emulam os princípios educacionais da escola. Talvez fosse necessária uma correlação mais efetiva entre os Parâmetros Curriculares ou a Base Nacional ou mesmo as legislações estaduais de educação para o ensino fundamental, anos finais. Nesse sentido, fazemos uma leitura menos estimulada, pois buscamos chegar no pertinente tema proposto nessa parte da obra, qual seja, mostrar sua jornada profissional e reflexão enquanto pesquisador e docente em busca de transformação no chão da escola.

Mesmo quando se percebe o esforço do autor, no sentido de se posicionar de uma maneira crítica aos princípios e parâmetros do colégio onde atua, nota-se a dificuldade, sempre vindo após alguma sinalização negativa, um contraponto elogioso. Ainda que afirme no capítulo que não tinha a intenção de historicizar sobre o colégio onde atuou para a pesquisa, ele, no mínimo, historiou de forma destacada sobre a instituição.

Por outro lado, os tópicos primeiro e último deste capítulo trazem uma boa noção do percurso e das experimentações/observações que o professor-pesquisador estava realizando em sala de aula, o que gerará a justificativa de sua trajetória reflexiva no livro. Nessa parte, ele sinaliza uma definição do letramento histórico-digital: uma metodologia, em primeiro lugar. No mesmo lugar do pódio (baseado na investigação própria da área), ele coloca o letramento histórico para que, em segundo plano, apareça o letramento digital, sempre associado à História e suas formas de pesquisa e de narrativa. Portanto, para o autor, é primordial que haja, por parte de seus alunos e alunas, prioritariamente, a orientação sobre como se faz pesquisa (ou como se pesquisa na ciência histórica). Posteriormente, haveria uma coligação entre esses saberes com as TDICs, gerando possibilidades de narrativas no ciberespaço.

Caso a pessoa leitora siga essa lógica (priorizando o letramento histórico), encontrará diversas leituras, amparadas pelo campo do Ensino de História, que confirmam tal assertiva. Ela será, aliás, a base da obra de Silva. A reflexão que se faz, nesse ponto, é sobre esse movimento secundarizado em que o letramento digital aparece nessa primeira sistematização anunciada pelo autor. O letramento digital é tão elementar quanto qualquer outro processo de conhecimento e aprendizagem. Portanto, aqui deixamos a reflexão que os escritos do autor nos proporcionaram: não seria necessário que o indivíduo trouxesse ou adquirisse uma alfabetização sobre as TDICs para que, assim, pudesse concomitantemente experimentar o conhecimento histórico-digital?

Ademais, cabe ressaltar que a importância do letramento digital, em diversos níveis, é algo vital para entender o que é educação no século XXI. A falta de habilidade em lidar com novos aplicativos, com as possibilidades que os softwares oferecem, a movimentação dos algoritmos em busca do consumidor cidadão, a moeda virtual bitcoin, enfim, um novo universo, literalmente, se abre para todos nós. É preciso que a sociedade da informação, como denominou Castells (2013), entenda minimamente essa dinâmica. Uma alfabetização digital é, sim, necessária para que outros letramentos ocorram, e os letramentos, digital e histórico podem e devem ocorrer juntos nesse processo, sem hierarquização.

Faz-se aqui uma pequena ressalva quanto o seguinte trecho: “[…] na esteira disso [da importância de que discentes produzam e tenham narrativas históricas], utilizar as tecnologias digitais talvez seja uma alternativa para aproximar os estudantes de um conhecimento que para eles tem se tornado cansativo e chato” (p. 61). Ele parece reforçar a questão da centralidade do histórico ao invés da paridade com o digital, nos letramentos, chegando a correr o risco de a tecnologia ser significada como um entretenimento para a sala de aula. A grande inquietação e reflexão é: se usamos lápis, quadro branco, massa de modelar, recortes de revistas e podemos desenvolver o letramento histórico, em que medida um letramento histórico-digital seria distinto, lançando mão das TDICs, do letramento apenas histórico? O que o tipifica?

No capítulo seguinte, Cultura Digital e o Ensino de História, o autor  traz uma compreensão mais clara, logo no início do capítulo, sobre a necessidade de letramento digital dentro dessa nova cultura de acesso mais amplo ao ciberespaço. Ele admite que é vital o uso crítico das tecnologias digitais, porém, aliando ao conhecimento histórico. A ideia é conectar a ciência histórica na escola como uma prática essencial para desenvolver essa criticidade no uso dos ambientes digitais.

O argumento principal é  que haja, por parte do ensino escolar de História, “[…] uma formação de sujeitos que aprendam a pensar historicamente, apropriando-se das tecnologias digitais de modo simultâneo” (p.69). Esse fim deveria ser sempre nosso foco quando utilizamos as TDICs no espaço escolar, do ensino básico à universidade. É fundamental entendermos que não há apenas as fontes digitalizadas dos grandes arquivos disponibilizados para o público, no ciberespaço. Há fontes que nasceram no digital e só são explicadas e entendidas se respeitado o território que justifica sua existência.

Além disso, há algo fundamental a ser refutado. O autor afirma que “a transição de uma cultura analógica para uma cultura digital é um movimento dinâmico e complexo […]” (p.69-70). É importante ressaltar que o analógico não está sendo  sobrepassado por outro movimento cultural. Talvez, nunca o será. As culturas estão coexistindo e se relacionando em um ritmo que inclusive desafia as próprias noções temporais que a humanidade usa para se organizar, como dias, meses, horas, etc. Mas, não estamos rumo à extinção do analógico. O movimento de digitalização, como mais uma possibilidade de acesso e divulgação de documentos oficiais ou acervos de memória, pode provar que precisamos e vivemos do analógico, no qual se afirma a cultura digital.

O que seria uma rede social ou um e-mail ou direct se não fosse a coexistência de grupos de amigos presenciais, das cartas e bilhetes, dos anúncios em jornais impressos ou na rádio? No espaço escolar experimentamos situação idêntica, dado que ali temos a nossa cultura replicada de muitas formas. Então ,  não sóé importante não ignorar o digital e a sua produção para a História e para o ensino, como  também é vital que não pensemos que é um momento de transição para outra cultura como se houvesse uma obsolescência programada para o analógico.

Feita essa ressalva, o capítulo traz, em seu primeiro apartado, uma boa síntese que aproximará a pessoa leitora de como a computação e a informática foram sendo parceiras dos profissionais da História, ampliando discussões, pensando em formas de otimizar o trabalho de pesquisa, sobretudo, com poucos debates e, ainda, relacionando TDICs ao ensino em nosso campo. O autor se ampara bastante em três historiadores, entre os quais Anita Lucchesi é a mais referenciada. Nesse sentido, pode-se perceber que a argumentação dele sobre a ideia transicional de uma linguagem para outra, ou seja, do analógico para o digital, tem como mote o que a historiadora sustenta em sua dissertação de mestrado, de 2014. Nesse sentido, é preciso reiterar que, além de uma transição, temos uma inclusão de novas linguagens, mediadas por novas tecnologias. Não perdemos a oralidade, nem ganhamos a linguagem audiovisual, por exemplo, porque temos a internet. Ao revés, são estas formas de comunicar que dão bastante sentido para a atuação no ciberespaço. Ademais, isso que estamos a experimentar, desde os anos 2000, mais ou menos, é em parte novidade e, em parte, a relação dialética dessas linguagens já existentes com o que temos de novo, como a linguagem de programação, alfabetização digital e comunicação nos ambientes virtuais.

Essa seção da obra foi sucinta, se comparada ao tópico seguinte, em que o autor busca mostrar a importância da didática da História para o ensino. Nesse viés, talvez, o título do capítulo, que indica a cultura digital em primeiro plano, pudesse dar lugar ao Ensino de História, dado que é o argumento mais justificado no capítulo, tendo a cultura digital ou a relação com as TDICs ficado em um plano complementar. A discussão sobre o tema do capítulo dois está bem consubstanciada, sobretudo o tópico segundo, dando bastante dinamicidade ao texto e construindo uma linha argumentativa com relevante bibliografia e sustentando seu ponto de vista. Fica evidente que o autor está decidido a incorporar a sua experiência com as tecnologias em sala, como algo que se oponha ao campo epistemológico da Educação. Portanto, seu olhar é sobre a aprendizagem histórica dentro da Didática da História, preconizada por Rüsen (2010) e desenvolvida por Saddi (2012). Ainda que use muitas outras referências, estas são fundamentais para entender os rumos que ele dá para sua explanação sobre a importância do ensino de História e da operação historiográfica para construção de sua produção didática, que será desenvolvida no último capítulo.

Aqui, há uma nomenclatura que se faz necessário pontuar. É a expressão “nativos digitais”, usualmente incorporada nos meios acadêmicos e jornalísticos. Ainda que o próprio criador do termo (Marc Prensky) tenha dado menor importância à categorização aos nascidos entre os anos 1980 e 1990, ele continua a ser trazido de forma naturalizada nos textos acadêmicos. O mais importante é que entendamos que não existe obviedade na associação do ano de nascimento das pessoas com o surgimento de uma tecnologia, sobretudo em um país onde as desigualdades são a regra e não a exceção. Sendo assim, é proibitivo que se catalogue as gerações dentro de uma terminologia sobre a qual, basicamente, não se tem evidência (Kennedy, et al, 2007), muito menos quando associada ao espaço escolar (Benini; Murray, 2013; Bennet et al., 2008).

Neste tópico do capítulo segundo, vale ressaltar que o autor retoma o seu letramento histórico-digital. Para ele, desenvolvendo este método, espera-se que o alunado consiga usar o espaço digital de forma hábil, para alcançar noções temporais, consciência histórica e que veja significado do saber histórico para suas vidas.

No último tópico, o mais focado na questão do letramento histórico-digital, aparecem, várias vezes, definições que demonstram com clareza a posição do autor em relação a uma experiência em sala de aula que valorize a didática própria da História e, ao mesmo tempo, se utilize do digital para capacitar, dentro do conhecimento da área, sobre o seu uso e ocupação do ciberespaço. Nesse sentido, a questão do digital está em plano secundário, inclusive na pouco expressiva bibliografia sobre o tema, sendo um aspecto extra de interação e consonância com as demandas que ele percebe em sala e no perfil discente de seu espaço escolar. Importante é frisar, também, que não há uma discussão com autorias que já trouxeram o termo letramento histórico-digital e/ou aproximações em seus trabalhos científicos, como os S. Livingstone (2011), M. Soares (2012) e M. Costa (2015) e isso representa uma fragilidade que poderia ser sanada em uma provável segunda edição.

O autor avalia que o letramento histórico-digital ajuda os discentes a pensar historicamente e estimula “habilidades digitais ligadas à investigação histórica, capacitando os sujeitos a se orientarem e darem sentido ao tempo” (p.125-26). O capítulo tem a explanação do passo a passo do planejamento e execução da atividade proposta pelo docente. É um aprendizado para todas(os)  que o  lerem. Trata-se de uma execução muito boa com as avaliações das suas percepções, logo após cada passo de sua experiência. Há boa interlocução entre o que ele propôs e defendeu como prática docente durante os dois capítulos anteriores. O autor utiliza o que a escola privada, na qual trabalha, fornece, de forma criativa e interativa, a partir das bases do conhecimento científico do campo da História. Há atividades para que as(os) discentes elaborem fora da sala, como entrevistas utilizando dispositivos eletrônicos e há planejamento síncrono, em sala de aula, para construir e orientar a turma em cada etapa de sua metodologia para o letramento histórico-digital.

Interessa notar que, durante a narrativa e análise sobre os processos do letramento, o próprio autor evidencia algo já analisado aqui. Ele percebe que nem todos os alunos estavam aptos ao uso de dispositivos móveis ou conseguiam trazer alguma expertise sobre a própria técnica no uso de aplicativos. Essa insuficiência demonstra, assim como os relatos sobre o não reconhecimento de fontes digitais ou mesmo a dificuldade de encontrar os conteúdos e fazer qualquer análise, que o letramento digital é objeto de reflexão interdisciplinar fundamental. O consumo de dispositivos móveis, em uma turma com condições materiais confortáveis, em comparação à maioria da população em escola pública, mesmo naturalizado por aquele nicho, não garante uma relação diferente com a de qualquer pessoa, em qualquer idade, obrigada a se adaptar e aprender sobre o mundo digital. Logo, a ideia de nativos digitais, neste capítulo, resulta em  uma terminologia que não resiste, sobretudo em um país que tarda em compreender que cultura digital não é ter dispositivos e internet (quando há), mas é saber como usar e se posicionar no ciberespaço.

Vale salientar, por fim, que a obra cumpre os objetivos primeiros, ou seja, conceituar o letramento histórico-digital e correlacionar Ensino de História e cultura digital. O autor  é coerente em sua iniciativa, especialmente, porque apresenta uma base esquemática clara sobre o método e ensaia a sua aplicação, apontando dificuldades e experimentos no campo do Ensino de História, a partir do ambiente escolar. É um trabalho que suscita muitas reflexões e estimula nossa criticidade.

Referências

BENINI, Silvia; MURRAY, Liam. Critically Evaluating Prensky in a Language Learning Context: The “Digital Natives/Immigrants Debate” and its Implications for CALL. Eurocall 2013. Évora, Portugal, p. 25-30, 2013. [Link]. Acesso em 25 jun. 2021.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Rio de janeiro: Paz e Terra, 2013.

COSTA, Marcella. Currículo, História e Tecnologia: que articulação na formação inicial de professores? (Mestrado em Educação).Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015. Acesso em 25 jun. 2021.

LIVINGSTONE, Sonia. Internet literacy: a negociação dos jovens com as novas oportunidades on-line. Matrizes, São Paulo, ano 4, n. 2, jan./jun. 2011, p. 11-42. [Link] Acesso em 27 jun. 2021

PRENSKY, Marc.  (2009). H. sapiens digital: From digital  immigrants and digital natives to digital wisdom. Journal of Online Education, v. 5, n. 3, p. 1-9, 2009. [Link] Acesso em 25 jun. 2021.

PRENSKY, Marc. Digital  natives, digital immigrants, part  1. On the Horizon,  v. 9, n. 5, p. 1-6, 2001a. [Link]. Acesso em 25 jun. 2021.

PRENSKY, Marc. Digital natives, digital immigrants, part 2: Do they really think differently? On the Horizon, v. 9, n. 6, p. 1-6, 2001b. [Link] Acesso em 25 jun. 2021.

SOARES, Magda. Novas práticas de leitura e escrita: letramento na cibercultura. Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, p. 143-160, 2002. [Link] Acesso em 27 jun. 2021


Sumário de Letramento histórico-digital: Ensino de História e Tecnologias Digitais

  • Apresentação
  • Agradecimentos
  • Lista de siglas e abreviações
  • Introdução
    • 1. O espaço, o tempo e o caminho da pesquisa
        • Nas dobras do caminho: dos porquês às motivações
        • Nas dobras do espaço: tensões e possibilidades
        • Nas dobras do tempo: o ensino de História no Colégio Pio X
        • Nas dobras do saber: caracterizando a investigação
    • 2. Cultura digital e o Ensino de História
        • Uma discussão historiográfica sobre História Digital e sua relação com o ensino de História
        • A operação historiográfica e o ensino de História
        • Letramento histórico-digital: a construção de habilidades digitais e da competência narrativa no ensino de História
    • 3. O caminho investigativo na plataforma digital Moodle
        • O primeiro passo do letramento histórico-digital: investigação histórica
        • O desenvolvimento da competência digital: procedimentos executdos pelos estudantes no Moodle
        • A competência narrativa no processo de letramento histórico-digital
  • Considerações finais
  • Referências

Live de lançamento [Link]


Resenhista

Vanessa Spinosa – Doutora em História e docente do Departamento de História da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Campus Caicó) e do Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Ensino de História, pela mesma instituição. Publicou, entre outros trabalhos, “Formação do futuro-presente: a docência em História no espectro da experiência digital no ensino remoto”, em co-autoria com Marcella Albaine Farias da Costa, em Formação docente e currículo: Conhecimentos, sujeitos e territórios, organizado por Carmen Teresa Gabriel e Marcus Leonardo Bomfim (Mauad X, 2021), “Ciberespaço, letramento e docência: experiência com TDICs no Ensino de História”, em História em jogo: as questões do tempo presente e os desafios do ensino de história, organizado por Airan dos Santos Borges de Oliveira e Maria da Conceição da Silva Costa (Desalinho, 2020) e, em co-autoria com Danilo Nogueira de Medeiros, “Ensino de História no ensino superior: práticas educativas para a emancipação discente no ciberespaço”, nos Anais do XI Encontro Nacional Perspectivas do Ensino de História (ABEH, 2021). E-mail: [email protected]


Referências desta resenha

SILVA, Danilo Alves. Letramento histórico-digital: Ensino de História e Tecnologias Digitais. Rio de Janeiro: Autografia, 2020. 162p. Resenha de: SPINOSA, Vanessa. Alfabetização histórica . Crítica Historiográfica. Natal, v.2, n.3, jan./fev. 2021. Disponível em: https://www.criticahistoriografica.com.br/letramento-historico-digital-ensino-de-historia-e-tecnologias-digitais-danilo-alves-da-silva/

Baixar esta resenha em PDF


© – Os autores que publicam em Crítica Historiográfica concordam com a distribuição, remixagem, adaptação e criação a partir dos seus textos, mesmo para fins comerciais, desde que lhe sejam garantidos os devidos créditos pelas criações originais. (CC BY-SA)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Resenhistas

Privacidade

Ao se inscrever nesta lista de e-mails, você estará sujeito à nossa política de privacidade.

Acesso livre

Crítica Historiográfica não cobra taxas para submissão, publicação ou uso dos artigos. Os leitores podem baixar, copiar, distribuir, imprimir os textos para fins não comerciais, desde que citem a fonte.

Foco e escopo

Publicamos resenhas de livros e de dossiês de artigos de revistas acadêmicas que tratem da reflexão, investigação, comunicação e/ou consumo da escrita da História. Saiba mais sobre o único periódico de História inteiramente dedicado à Crítica em formato resenha.

Corpo editorial

Somos professore(a)s do ensino superior brasileiro, especializado(a)s em mais de duas dezenas de áreas relacionadas à reflexão, produção e usos da História. Faça parte dessa equipe.

Submissões

As resenhas devem expressar avaliações de livros ou de dossiês de revistas acadêmicas autodesignadas como "de História". Conheça as normas e envie-nos o seu texto.

Pesquisa


Alertas