No ritmo dos bambas – Resenha de Bruno Brandão Augusto (Unisinos) sobre a obra “Samba, Sambistas e Sociedade. Um ensaio etnomusicológico” de Samuel Araújo

Samuel Araújo | Imagem: Jornal do Brasil

Resumo: Sambistas e Sociedade: Um ensaio etnomusicológico, de Samuel Araújo, rearticula críticas ao conceito de música e usa o samba para compreender variadas dimensões da sociedade brasileira. Araújo propõe um novo diálogo sobre música e aprofunda o conceito de trabalho acústico, recebendo elogios pelo rigor metodológico e pela abordagem multidisciplinar.

Palavras-chave: Etnomusicologia; samba; sociedade brasileira.


Sambistas e Sociedade: Um ensaio etnomusicológico é o título da obra que rearticula as designações críticas ao conceito de música. Sob a autoria de Samuel Araújo, o livro explora o tema do samba, ampliando-o como uma ferramenta para compreender a sociedade brasileira, analisada através de suas dimensões sociais, ideológicas, estéticas, raciais e econômicas, especialmente no cenário do Rio de Janeiro. A abordagem etnomusicológica ocidental adotada pelo autor utiliza referenciais que apresentam diferentes perspectivas de representações nos contextos históricos da produção, dos espaços e dos tempos definidos. Os argumentos são organizados em um corpo lógico que visa evidenciar a experiência musical ontológica do samba e seus elementos constitutivos.

Samuel Araújo é professor titular de Etnomusicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e um renomado intelectual na área das Artes, com várias publicações no Brasil e no exterior. Suas contribuições refletem sobre o contexto temático da música, política, teoria e método em Etnomusicologia, associadas às experiências com pesquisa participativa. O texto resenhado foi parte da tese de doutoramento do autor, publicada como livro em 2021 pela editora da UFRJ em parceria com a Fundação de Amparo ao Pesquisador do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ), e está organizado em cinco capítulos. O prefácio, elaborado pelo professor e antropólogo Rafael José de Menezes Bastos, vinculado à Universidade de Santa Catarina (UFSC), destaca o rigor metodológico e a rica base teórica da obra, com referências a Marx, Bourdieu e Bergson, além de uma substancial bibliografia etnomusicológica, realçando o impacto do diálogo proposto por Araújo sobre a redefinição da categoria música e a meticulosa elaboração do conceito de trabalho acústico.

O primeiro capítulo conduz o leitor ao entendimento das questões centrais da pesquisa, apresentando-lhe as bases do ponto de vista da Etnomusicologia, e posicionando o gênero Samba como evento acústico singular, capaz de ser observado pela inflexão de práticas que se desenvolveram numa dinâmica histórica, consubstanciando-se numa instância mediadora da produção cultural da sociedade fluminense. Objetiva-se corroborar ao samba e suas práticas, vistas como atividades essencialmente coletivas, e de influência em diversos aspectos da vida social, portanto, variáveis importantes a serem consideradas pelos estudos acadêmicos.

A revisão de literatura é apresentada de forma problematizada, e nos permite perceber a abrangência dos temas em suas interseccionalidades. Sobre o Samba, destaca-se o alerta a respeito das dificuldades relativas à escassez de literatura crítica acadêmica no Brasil, considerando-a tardia até os anos de 1970, e mesmo assim, pautada por influências do jornalismo, ou relatos e biografias contextualizadas. Todavia, alcança sucesso em localizar os trabalhos que, em via do rigor acadêmico, discutem o Samba e se incorporam às reflexões de sustentação ao nível das (re)conceituações vistas como necessárias, proporcionando uma imersão teórica multidisciplinar aos campos da Antropologia, Comunicação, História social, Musicologia, Ciência política, Estudos literários e Sociologia.

Metodologicamente a produção possui abordagem diversificada constituindo-se a partir de entrevistas abertas, partituras publicadas, documentos relacionados ao samba e escolas de samba, entrevistas com compositores, e gravações comerciais e tópicos correlatos. É possível afirmar que o texto possui uma arquitetura conceitual bem delineada, deslocando o leitor para uma imersão esclarecedora acerca dos debates suscitados na articulação de novas perspectivas, todavia, o texto muitas vezes exige, por sua complexidade, engajamento do leitor e substancial familiaridade com as análises acadêmicas específicas do campo etnomusicológico, dificultando aplicações sociais de caráter comum.

A cena construída no segundo capítulo proporciona uma visão do samba, a partir de perspectivas que cobrem a liturgia da dança, os costumes entre músicos e dançarinos, e a influência acústica dos diferentes povos que o constituíram. Sobretudo, apresenta-o como evento essencialmente coletivo, atrelado historicamente às práticas sagradas, que o inserem como colaborador da tradição cultural da cidade. Trata-se de uma relação apresentada como conflituosa, que proporcionava a seus integrantes, em grande parte negros, racializados, ou de condições econômicas precárias, constante julgamento moral e repressão policial.

O texto realiza um arco interpretativo sobre os acontecimentos capitais à transposição do trabalho acústico do samba, responsáveis por deslocá-lo de uma condição social desfavorável, para um evento-cultural assimilado pelas classes economicamente privilegiadas. Essa assimilação é ilustrada na canção “Pelo Telefone” e o “efeito Carmen Miranda”, ambos competentes em driblar as barreiras sociais, e possibilitar o acesso do samba ao gosto mais amplo da sociedade, tanto pela abordagem cultural, como pela perspectiva mercadológica.

No terceiro capítulo, encontramos uma descrição do samba e sua interação com a tradição das agremiações carnavalescas. Embora os dados discutidos estejam ligados ao recorte temporal do texto original, estes foram dispostos sobre a perspectiva de estrutura social que movimenta “o evento samba”. Pormenores, apresentados em subseções, abrangem os debates a respeito das afiliações, a disposição de suas formalidades carnavalescas, a competição como evento que envolve o samba-espetáculo, e seu contexto interno de autocontrole. São tópicos que demonstram a construção das fronteiras internas e externas do samba no Rio de Janeiro.

“Pelo telefone” – Donga | Imagem: Canal ValeriaDniz

Andamento, timbre, intensidade, sincronismo, e filiação são termos e conceitos que se entrelaçam no quarto capítulo para a exposição das expectativas subjacentes à bateria, representando um gradiente de complexidades inerentes à representatividade dessa ala em sua comunidade e agremiação. Por ele, o estudo apresenta visões que permitem ao leitor “outsider” a compreensão, por exemplo, da configuração entre as “peças” (miudezas e couros pesados), responsáveis pelo seu padrão sonoro, a cadência, ou mesmo os percursos que levam um indivíduo a integrar seus quadros, seja pela formação dada na escola mirim, seja pelo convite dos mais experientes para um determinado ritmista destacado. Quanto às demais percepções, o texto aprofunda as interpretações e vestígios que correlacionam o trabalho sonoro (polifônico) e a produção de seus sincronismos com as prováveis convergências dadas pelo processo diásporo observadas nas práticas subsaarianas, e que reproduzem, no contexto geral de sua dinâmica, sob sugestão do autor, um paralelo equivalente entre as tensões da própria vida social no Brasil.

No último capítulo, o destaque dado aos compositores é o desfecho de um itinerário que entrega a sua proposta em demonstrar o samba segundo àqueles que “por dentro” testemunharam sua história e desenvolvimento, considerando suas interseccionalidades, a relação entre os valores ‘tradicionais’ e os ‘atuais’, seus padrões e rituais históricos. O autor exemplifica os formatos presentes no processo de formação de um samba em suas principais subdivisões: samba de quadra, sambas de enredo, partido alto, assim como as demais derivações que revelam um autorretrato do próprio processo evolutivo unindo, mesmo que de forma diferente, os antigos e novos compositores. Cuidadosamente, essa seção exibe uma sequência de entrevistas dos personagens ícones do processo de composição de algumas das principais agremiações carnavalescas, assim como letras e partituras citadas nas entrevistas, revelando de forma sensível aos “de fora”, uma maior compreensão sobre o fenômeno etnomusicológico que perpassa a criação de um samba.

A obra resenhada atende às expectativas propostas em seu contexto de pesquisa. Sua problematização recorta o “mundo do samba” posicionando-o sob tensões que irradiam a temática em um vasto espectro de compreensões, contribuindo para a formação de pesquisadores, ou trabalhos em desenvolvimento em etnomusicologia, musicologia, história da Música, História, e Música e História Cultural.

Sumário de Samba, Sambista e Sociedade: um ensaio etnomusicológico

  • Introdução
  • 1. Perspectivas críticas sobre o samba de seus registros iniciais a 1990
  • 2. Samba como formação acústica
  • 3. Escola de samba
  • 4. Bateria: expectativas e questões
  • 5. Compositores
  • 6. Comentários finais

Resenhista

Bruno Brandão Augusto é doutorando em História pela Universidade Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), professor de graduação e pós-graduação – Curso de Pedagogia pela Universidade de Vassouras (Univassouras). Publicou, entre outros trabalhos, O conjunto musical oito batutas em 1929: trajetórias negras em contexto de racialização da sociedade brasileira. ID LATTES: http://lattes.cnpq.br/5520825115165741; ID ORCID: https://orcid.org/0009-0007-8761-525X: E-mail: [email protected].


Para citar esta resenha

ARAÚJO, Samuel. Samba, Sambistas e Sociedade: Um ensaio etnomusicológico. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2021. 280p. Resenha de: AUGUSTO, Bruno Brandão. No ritmo dos bambas. Crítica Historiográfica. Natal, v.4, n.17, maio/jun., 2024. Disponível em <https://www.criticahistoriografica.com.br/no-ritmo-dos-bambas-resenha-de-bruno-brandao-augusto-unisinos-sobre-a-obra-samba-sambistas-e-sociedade-um-ensaio-etnomusicologico-de-samuel-araujo/>.

 


© – Os autores que publicam em Crítica Historiográfica concordam com a distribuição, remixagem, adaptação e criação a partir dos seus textos, mesmo para fins comerciais, desde que lhe sejam garantidos os devidos créditos pelas criações originais. (CC BY-SA).

 

Crítica Historiográfica. Natal, v.4, n. 17, May/June, 2023 | ISSN 2764-2666

Pesquisa/Search

Alertas/Alerts

No ritmo dos bambas – Resenha de Bruno Brandão Augusto (Unisinos) sobre a obra “Samba, Sambistas e Sociedade. Um ensaio etnomusicológico” de Samuel Araújo

Samuel Araújo | Imagem: Jornal do Brasil

Resumo: Sambistas e Sociedade: Um ensaio etnomusicológico, de Samuel Araújo, rearticula críticas ao conceito de música e usa o samba para compreender variadas dimensões da sociedade brasileira. Araújo propõe um novo diálogo sobre música e aprofunda o conceito de trabalho acústico, recebendo elogios pelo rigor metodológico e pela abordagem multidisciplinar.

Palavras-chave: Etnomusicologia; samba; sociedade brasileira.


Sambistas e Sociedade: Um ensaio etnomusicológico é o título da obra que rearticula as designações críticas ao conceito de música. Sob a autoria de Samuel Araújo, o livro explora o tema do samba, ampliando-o como uma ferramenta para compreender a sociedade brasileira, analisada através de suas dimensões sociais, ideológicas, estéticas, raciais e econômicas, especialmente no cenário do Rio de Janeiro. A abordagem etnomusicológica ocidental adotada pelo autor utiliza referenciais que apresentam diferentes perspectivas de representações nos contextos históricos da produção, dos espaços e dos tempos definidos. Os argumentos são organizados em um corpo lógico que visa evidenciar a experiência musical ontológica do samba e seus elementos constitutivos.

Samuel Araújo é professor titular de Etnomusicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e um renomado intelectual na área das Artes, com várias publicações no Brasil e no exterior. Suas contribuições refletem sobre o contexto temático da música, política, teoria e método em Etnomusicologia, associadas às experiências com pesquisa participativa. O texto resenhado foi parte da tese de doutoramento do autor, publicada como livro em 2021 pela editora da UFRJ em parceria com a Fundação de Amparo ao Pesquisador do Estado do Rio de Janeiro (FAPERJ), e está organizado em cinco capítulos. O prefácio, elaborado pelo professor e antropólogo Rafael José de Menezes Bastos, vinculado à Universidade de Santa Catarina (UFSC), destaca o rigor metodológico e a rica base teórica da obra, com referências a Marx, Bourdieu e Bergson, além de uma substancial bibliografia etnomusicológica, realçando o impacto do diálogo proposto por Araújo sobre a redefinição da categoria música e a meticulosa elaboração do conceito de trabalho acústico.

O primeiro capítulo conduz o leitor ao entendimento das questões centrais da pesquisa, apresentando-lhe as bases do ponto de vista da Etnomusicologia, e posicionando o gênero Samba como evento acústico singular, capaz de ser observado pela inflexão de práticas que se desenvolveram numa dinâmica histórica, consubstanciando-se numa instância mediadora da produção cultural da sociedade fluminense. Objetiva-se corroborar ao samba e suas práticas, vistas como atividades essencialmente coletivas, e de influência em diversos aspectos da vida social, portanto, variáveis importantes a serem consideradas pelos estudos acadêmicos.

A revisão de literatura é apresentada de forma problematizada, e nos permite perceber a abrangência dos temas em suas interseccionalidades. Sobre o Samba, destaca-se o alerta a respeito das dificuldades relativas à escassez de literatura crítica acadêmica no Brasil, considerando-a tardia até os anos de 1970, e mesmo assim, pautada por influências do jornalismo, ou relatos e biografias contextualizadas. Todavia, alcança sucesso em localizar os trabalhos que, em via do rigor acadêmico, discutem o Samba e se incorporam às reflexões de sustentação ao nível das (re)conceituações vistas como necessárias, proporcionando uma imersão teórica multidisciplinar aos campos da Antropologia, Comunicação, História social, Musicologia, Ciência política, Estudos literários e Sociologia.

Metodologicamente a produção possui abordagem diversificada constituindo-se a partir de entrevistas abertas, partituras publicadas, documentos relacionados ao samba e escolas de samba, entrevistas com compositores, e gravações comerciais e tópicos correlatos. É possível afirmar que o texto possui uma arquitetura conceitual bem delineada, deslocando o leitor para uma imersão esclarecedora acerca dos debates suscitados na articulação de novas perspectivas, todavia, o texto muitas vezes exige, por sua complexidade, engajamento do leitor e substancial familiaridade com as análises acadêmicas específicas do campo etnomusicológico, dificultando aplicações sociais de caráter comum.

A cena construída no segundo capítulo proporciona uma visão do samba, a partir de perspectivas que cobrem a liturgia da dança, os costumes entre músicos e dançarinos, e a influência acústica dos diferentes povos que o constituíram. Sobretudo, apresenta-o como evento essencialmente coletivo, atrelado historicamente às práticas sagradas, que o inserem como colaborador da tradição cultural da cidade. Trata-se de uma relação apresentada como conflituosa, que proporcionava a seus integrantes, em grande parte negros, racializados, ou de condições econômicas precárias, constante julgamento moral e repressão policial.

O texto realiza um arco interpretativo sobre os acontecimentos capitais à transposição do trabalho acústico do samba, responsáveis por deslocá-lo de uma condição social desfavorável, para um evento-cultural assimilado pelas classes economicamente privilegiadas. Essa assimilação é ilustrada na canção “Pelo Telefone” e o “efeito Carmen Miranda”, ambos competentes em driblar as barreiras sociais, e possibilitar o acesso do samba ao gosto mais amplo da sociedade, tanto pela abordagem cultural, como pela perspectiva mercadológica.

No terceiro capítulo, encontramos uma descrição do samba e sua interação com a tradição das agremiações carnavalescas. Embora os dados discutidos estejam ligados ao recorte temporal do texto original, estes foram dispostos sobre a perspectiva de estrutura social que movimenta “o evento samba”. Pormenores, apresentados em subseções, abrangem os debates a respeito das afiliações, a disposição de suas formalidades carnavalescas, a competição como evento que envolve o samba-espetáculo, e seu contexto interno de autocontrole. São tópicos que demonstram a construção das fronteiras internas e externas do samba no Rio de Janeiro.

“Pelo telefone” – Donga | Imagem: Canal ValeriaDniz

Andamento, timbre, intensidade, sincronismo, e filiação são termos e conceitos que se entrelaçam no quarto capítulo para a exposição das expectativas subjacentes à bateria, representando um gradiente de complexidades inerentes à representatividade dessa ala em sua comunidade e agremiação. Por ele, o estudo apresenta visões que permitem ao leitor “outsider” a compreensão, por exemplo, da configuração entre as “peças” (miudezas e couros pesados), responsáveis pelo seu padrão sonoro, a cadência, ou mesmo os percursos que levam um indivíduo a integrar seus quadros, seja pela formação dada na escola mirim, seja pelo convite dos mais experientes para um determinado ritmista destacado. Quanto às demais percepções, o texto aprofunda as interpretações e vestígios que correlacionam o trabalho sonoro (polifônico) e a produção de seus sincronismos com as prováveis convergências dadas pelo processo diásporo observadas nas práticas subsaarianas, e que reproduzem, no contexto geral de sua dinâmica, sob sugestão do autor, um paralelo equivalente entre as tensões da própria vida social no Brasil.

No último capítulo, o destaque dado aos compositores é o desfecho de um itinerário que entrega a sua proposta em demonstrar o samba segundo àqueles que “por dentro” testemunharam sua história e desenvolvimento, considerando suas interseccionalidades, a relação entre os valores ‘tradicionais’ e os ‘atuais’, seus padrões e rituais históricos. O autor exemplifica os formatos presentes no processo de formação de um samba em suas principais subdivisões: samba de quadra, sambas de enredo, partido alto, assim como as demais derivações que revelam um autorretrato do próprio processo evolutivo unindo, mesmo que de forma diferente, os antigos e novos compositores. Cuidadosamente, essa seção exibe uma sequência de entrevistas dos personagens ícones do processo de composição de algumas das principais agremiações carnavalescas, assim como letras e partituras citadas nas entrevistas, revelando de forma sensível aos “de fora”, uma maior compreensão sobre o fenômeno etnomusicológico que perpassa a criação de um samba.

A obra resenhada atende às expectativas propostas em seu contexto de pesquisa. Sua problematização recorta o “mundo do samba” posicionando-o sob tensões que irradiam a temática em um vasto espectro de compreensões, contribuindo para a formação de pesquisadores, ou trabalhos em desenvolvimento em etnomusicologia, musicologia, história da Música, História, e Música e História Cultural.

Sumário de Samba, Sambista e Sociedade: um ensaio etnomusicológico

  • Introdução
  • 1. Perspectivas críticas sobre o samba de seus registros iniciais a 1990
  • 2. Samba como formação acústica
  • 3. Escola de samba
  • 4. Bateria: expectativas e questões
  • 5. Compositores
  • 6. Comentários finais

Resenhista

Bruno Brandão Augusto é doutorando em História pela Universidade Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), professor de graduação e pós-graduação – Curso de Pedagogia pela Universidade de Vassouras (Univassouras). Publicou, entre outros trabalhos, O conjunto musical oito batutas em 1929: trajetórias negras em contexto de racialização da sociedade brasileira. ID LATTES: http://lattes.cnpq.br/5520825115165741; ID ORCID: https://orcid.org/0009-0007-8761-525X: E-mail: [email protected].


Para citar esta resenha

ARAÚJO, Samuel. Samba, Sambistas e Sociedade: Um ensaio etnomusicológico. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2021. 280p. Resenha de: AUGUSTO, Bruno Brandão. No ritmo dos bambas. Crítica Historiográfica. Natal, v.4, n.17, maio/jun., 2024. Disponível em <https://www.criticahistoriografica.com.br/no-ritmo-dos-bambas-resenha-de-bruno-brandao-augusto-unisinos-sobre-a-obra-samba-sambistas-e-sociedade-um-ensaio-etnomusicologico-de-samuel-araujo/>.

 


© – Os autores que publicam em Crítica Historiográfica concordam com a distribuição, remixagem, adaptação e criação a partir dos seus textos, mesmo para fins comerciais, desde que lhe sejam garantidos os devidos créditos pelas criações originais. (CC BY-SA).

 

Crítica Historiográfica. Natal, v.4, n. 17, May/June, 2023 | ISSN 2764-2666

Resenhistas

Privacidade

Ao se inscrever nesta lista de e-mails, você estará sujeito à nossa política de privacidade.

Acesso livre

Crítica Historiográfica não cobra taxas para submissão, publicação ou uso dos artigos. Os leitores podem baixar, copiar, distribuir, imprimir os textos para fins não comerciais, desde que citem a fonte.

Foco e escopo

Publicamos resenhas de livros e de dossiês de artigos de revistas acadêmicas que tratem da reflexão, investigação, comunicação e/ou consumo da escrita da História. Saiba mais sobre o único periódico de História inteiramente dedicado à Crítica em formato resenha.

Corpo editorial

Somos professore(a)s do ensino superior brasileiro, especializado(a)s em mais de duas dezenas de áreas relacionadas à reflexão, produção e usos da História. Faça parte dessa equipe.

Submissões

As resenhas devem expressar avaliações de livros ou de dossiês de revistas acadêmicas autodesignadas como "de História". Conheça as normas e envie-nos o seu texto.

Pesquisa


Enviar mensagem de WhatsApp