Companhia das Letras

Resumo: “Pacto da Branquitude”, de Cida Bento, publicado em 2022, aborda a discriminação racial no Brasil, analisando a supremacia branca e seus efeitos. A obra, destaca-se pela linguagem acessível e foco em equidade racial e de gênero, e crítica o sistema, apesar de apresentar certas lacunas informativas.

Palavras-chave: Branquitude, Equidade Racial, Racismo.

Discurso didático contra o racismo — Resenha de Lhais Isla Dantas Leite (UFS) sobre o livro “Pacto da Branquitude”, de Cida Bento Read More »

Resumo: “Sapiens – Uma breve história da humanidade”, de Yuval Noah Harari, publicado em 2020 pela Editora Companhia das Letras, explora as revoluções Cognitiva, Agrícola e Científica que moldaram a humanidade. Com 471 páginas, Harari, um historiador israelense, oferece uma perspectiva biológica, social e comportamental da espécie humana.

Palavras-chave: História da Humanidade, Revolução, Sapiens.

Animais e deuses – Resenha de Helber Vieira Durães (FAI) sobre o livro “Sapiens – Uma breve história da humanidade”, de Yuval Noah Harari Read More »

Resumo: A Máquina do Ódio”, de Patrícia Campos Mello, discute a manipulação de informações nas redes sociais e seus impactos nas eleições globais. A obra mescla experiências pessoais da autora com análises de técnicas como firehosing e microtargeting, destacando a ameaça à liberdade de imprensa e à democracia.

Palavras-chave: Ódio, Redes Sociais, Fake News.

Censura Moderna e Tecnopopulismo — Resenha de Bárbara Viana Bezerra Nobre (UFPE) e Maria Enesia da Silva Neta (UFC) sobre o livro “A máquina do ódio: notas de uma repórter sobre fake news e violência digital”, de Patrícia Campos Mello Read More »

Resumo: Escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro (1780–1860), de Jaime Rodrigues, explora a organização do comércio de africanos escravizados, durante os séculos XVIII e XIX, entre Angla e Brasil, pondo ênfase nas “negociações e conflitos”, nas embarcações, nos protagonistas “marinheiros” e “africanos”.

Palavras-chave: Africanos, Marinheiros, Tráfico Negreiro.

Longa travessia – resenha de Daniel Costa (UNIFESP), sobre o livro “Escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro (1780–1860), de Jaime Rodrigues Read More »

Resumo: “Ideias para adiar o fim do mundo” é um livro escrito por Ailton Krenak, que aborda a relação entre a humanidade e o meio ambiente. O livro é dividido em dois capítulos principais: “Do sonho e da terra” e “A humanidade que pensamos ser”, onde o autor explora a importância da relação harmoniosa entre os seres humanos e a natureza, o impacto da exploração excessiva e da poluição na degradação do meio ambiente, o modelo econômico atual e a necessidade de repensar a relação entre a humanidade e o meio ambiente.

Palavras-chave: Fim do Mundo, Humanidade, Povos Indígenas.

Desastre do Antropoceno – Resenha de Renato Natan Ferreira Souza (CAAPA/Uneb) sobre o livro “Ideias para adiar o fim do mundo”, de Ailton Krenak Read More »

Resumo: “A política contra o vírus: bastidores da CPI da Covid” é um livro escrito por Humberto Costa e Randolfe Rodrigues que apresenta uma análise detalhada dos bastidores da CPI da Covid no Brasil. O livro é dividido em nove capítulos que abordam temas como as estratégias genocidas do governo Bolsonaro, as manobras para desviar o foco das investigações, as disputas nas redes sociais, e, finalmente, a luta política contra o vírus. O livro oferece uma visão aprofundada para a compreensão do impacto político da pandemia no Brasil.

Palavras-chave: Covid 19, CPI da Covid, Governo Jair Bolsonaro.

Defendendo a vida e a democracia – Resenha de Jandson Bernardo Soares (UFRN) sobre o livro “A política contra o vírus: bastidores da CPI da Covid”, de Humberto Costa e Randolfe Rodrigues Read More »

Resumo: Uma das possibilidades para se debater a inclusão dos povos originários é travar contato com a trajetória intelectual de Ailton Krenak, autor de Ideias para adiar o fim do mundo (2019) e A vida não é útil (2020). No primeiro, Krenak reúne falas proferidas em Portugal, no período 2017-2019. O segundo é constituído também por falas e transcrição de entrevistas, produzidas no mesmo período 2017/2029. Nesta resenha, avalio o empreendimento do autor, ressaltando inicialmente, os apelos em igual sentido, lançados por John Monteiro – “resgatar os excluídos da história” e Victor Leonardi – contar a história do Brasil sob perspectiva indígena. 

Palavras-chave: Povos Indígenas, Ailton Krenak, Fim do Mundo.

Memory of (de)colonized – Antônio Fernando de Araújo Sá’s review of “Ideias para adiar o fim do mundo” and “A vida não é útil” by Ailton Krenak. Read More »

Resumo: O pacto da branquitude, publicado pela Companhia das Letras, em 2022, denuncia o “capitalismo racial”, o “racismo estrutural” a “meritocracia” e a “masculinidade branca”. O livro reúne dez estudos sobre como os brancos recusaram currículos de pessoas pretas e punham pessoas brancas nesses lugares de hierarquias. Esse tipo de atitude foi responsável por perpetuar, em silêncio, pactos que mantêm os brancos no poder. A autora, Cida Bento, é uma mulher negra, doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) e fundadora do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT).

Palavras-chave: Racismo Estrutural, Branquitude, Meritocracia.

Denunciando o preconceito racial – Resenha de Sidinara dos Santos Querino (UFS) sobre “O pacto da branquitude”, de Cida Bento Read More »

Resumo: O lançamento de Modernismos: 1922-2022, organizado por Gênese Andrade, ganhou destaque ao mesmo tempo em que jornais do Rio de Janeiro e São Paulo traziam a “Semana de Arte Moderna” em suas capas. Este livro faz parte de um projeto grandioso da editora Companhia das Letras, chamado “Modernismos: 1922-2022”, que parece ter sido criado para marcar o início das comemorações, em conjunto com a cobertura jornalística programada no eixo Rio-São Paulo. Com a “apresentação”, há trinta textos que exploram personagens canônicos e esquecidos, eventos antecedentes e consequentes, histórias e memórias sobre a criação e apropriação da Semana de Arte Moderna de 1922.

Palavras-chave: Semana de Arte Moderna, Modernismo, Antropofagia.

Livro enciclopédico sobre a Semana de Arte Moderna de 1922 – Resenha de Giuseppe Roncalli Ponce Leon de Oliveira (UFRPE) sobre “Modernismos: 1922-2022″, organizado por Gênese Andrade Read More »